Ensinando e fazendo Missões

Buscar esboços

Nossos Esboços

CPAD Jovens – 4º Trimestre de 2017 – 22/10/2017 – Lição 4: O cristão diante da pobreza e da desigualdade social

20/10/2017

Este post é assinado por: Rafael Cruz

TEXTO DO DIA

  • “O que oprime ao pobre insulta àquele que o criou, mas o que se compadece do necessitado honra-o.” (Provérbios 14.31)

TEXTO BÍBLICO

  • Tiago 5.1-6
    Eia, pois, agora vós, ricos, chorai e pranteai por vossas misérias, que sobre vós hão de vir.
    2 As vossas riquezas estão apodrecidas, e as vossas vestes estão comidas da traça.
    3 O vosso ouro e a vossa prata se enferrujaram; e a sua ferrugem dará testemunho contra vós e comerá como fogo a vossa carne. Entesourastes para os últimos dias.
    4 Eis que o salário dos trabalhadores que ceifaram as vossas terras e que por vós foi diminuído clama; e os clamores dos que ceifaram entraram nos ouvidos do Senhor dos Exércitos.
    5 Deliciosamente, vivestes sobre a terra, e vos deleitastes, e cevastes o vosso coração, como num dia de matança.
    6 Condenastes e matastes o justo; ele não vos resistiu.

INTRODUÇÃO

Segundo o dicionário podemos definir pobre como: aquele que é desprovido ou mal provido do necessário; de poucas posses; que não tem recursos próprios. Na etimologia da palavra temos que ‘pobre’ veio do latim pauper, radicado em paucus, pouco. No conceito original, pobre não é quem tem pouco, mas quem produz pouco.

Para fins de pesquisa e dados analíticos, é necessário conceituar quem é considerado pobre. No Brasil temos dois critérios que nos norteiam:

  • Critério Brasil: Trata-se de um critério que considera parcialmente conquistas de conforto e patrimônio combinado ao grau de instrução e a presença de serviços públicos básicos como componentes para o cálculo da classe social. Para tudo o que você possui ou conquistou é atribuída uma pontuação. Ao final soma-se os pontos que determinam sua classe social.

4TCJ2017L4a

4TCJ2017L4b

4TCJ2017L4c

  • Critério por faixas de salário mínimo: O IBGE utiliza esse método em suas pesquisas na população brasileira. Trata-se de um critério de cálculo fácil e objetivo, mas que leva somente em consideração o salário atual da pessoa e ignora eventuais conquistas e patrimônio.

Agora que sabemos a definição para a classe de pessoas pobres, podemos verificar que mais da metade da população brasileira é pobre.

4TCJ2017L4d

De acordo com o Dicionário bíblico Wycliffe temos a seguinte explicação para o pobre na Bíblia:

A palavra hebraica ‘ebyon, que é muitas vezes um paralelo a ‘ara, significa “aflito, angustiado, desamparado, necessitado”, isto é, alguém que foi maltratado ou está sofrendo algum problema social. A palavra hebraica dal significa “fraco, instável, magro”, isto é, alguém empobrecido ou de meios reduzidos, mas não necessariamente pobre, alguém que não tenha nenhuma propriedade. O termo hebraico rush significa “ser pobre, empobrecido, ou passar necessidades”, e seu cognato rishou re’sh da claramente a ideia de pobreza. A LXX usou a palavra penes, e o NT usa ptochos, que significa “pobre, miserável, impotente, mendigo”.

Por diversas vezes vemos na Bíblia o cuidado de Deus para os pobres: As antigas leis israelitas protegiam os pobres dos encargos criminosos dos usurários (que faz empréstimos com usura; agiota).

  • Se emprestares dinheiro ao meu povo, ao pobre que está contigo, não te haverás com ele como um usurário; não lhe imporeis usura. Êxodo 22:25

As extremidades dos campos não deveriam ser colhidas, e as vinhas não deveriam ser totalmente colhidas, para que tivesse algo para os necessitados.

  • Quando também fizerdes a colheita da vossa terra, o canto do teu campo não segarás totalmente, nem as espigas caídas colherás da tua sega. Semelhantemente não rabiscarás a tua vinha, nem colherás os bagos caídos da tua vinha; deixá-los-ás ao pobre e ao estrangeiro. Eu sou o Senhor vosso Deus. Levítico 19:9,10

Deus sempre esteve ao lado dos pobres e por isso nos deixou como um dever de todo cristão, cuidar deles também. Se somos seguidores de Cristo, temos que amar o próximo como Cristo amou!

I – A ASCENÇÃO ECONÔMICA E O CUIDADO COM O POBRE

1. A pobreza nas Escrituras

Como acabamos de ver na introdução, o pobre é retratado na Bíblia e ele é destacado por Deus nas antigas leis judaicas, demonstrando assim o seu cuidado. Jesus Cristo, durante o seu ministério terreno, dedicou a maior parte do seu tempo a cuidar dos pobres e aflitos.

  • O Espírito do Senhor é sobre mim, Pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, A pregar liberdade aos cativos, E restauração da vista aos cegos, A pôr em liberdade os oprimidos, A anunciar o ano aceitável do Senhor. Lucas 4:18,19

Assim como o pecado entrou no mundo provocando toda sorte de coisas ruins, a palavra de Deus também nos ensina sobre a permanência da pobreza (consequência do pecado).

  • Pois nunca deixará de haver pobre na terra; pelo que te ordeno, dizendo: Livremente abrirás a tua mão para o teu irmão, para o teu necessitado, e para o teu pobre na tua terra. Deuteronômio 15:11

Como na Bíblia já nos diz que sempre haverá pobre na terra (novamente, resultado do pecado e da maldade do coração do homem), nós como Igreja e seguidores de Cristo temos que ajuda-los em suas necessidades.

  • Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência. Gálatas 2:10

2. O pobre e o amor ao próximo

No livro de Tiago, aprendemos sobre a verdadeira religião:

  • A religião pura e imaculada para com Deus e Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. Tiago 1:27

De acordo com que Tiago nos ensina, a religião pura, santa e imaculada é suprir a necessidade do próximo: ‘visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações’. O grande problema hoje é que nossa atenção, quase sempre, está voltada para o prazer pessoal e, dessa forma nos esquecemos de cuidar do nosso próximo.

A religião que agrada a Deus é aquela cujos discípulos professam e bendizem o seu nome, visitando e acolhendo os necessitados nas aflições.

  • Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; Porque tive fome, e não me destes de comer; tive sede, e não me destes de beber; Sendo estrangeiro, não me recolhestes; estando nu, não me vestistes; e enfermo, e na prisão, não me visitastes. Então eles também lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, ou com sede, ou estrangeiro, ou nu, ou enfermo, ou na prisão, e não te servimos? Então lhes responderá, dizendo: Em verdade vos digo que, quando a um destes pequeninos o não fizestes, não o fizestes a mim. E irão estes para o tormento eterno, mas os justos para a vida eterna. Mateus 25:41-46

A verdadeira fé cristã e a acepção de pessoas são atitudes incompatíveis entre si, e justamente por isso, não podem coexistir na vida de quem aceitou ao Evangelho.

  • Porque, para com Deus, não há acepção de pessoas. Romanos 2:11

3. Ascensão econômica e desigualdade social

Continuando no ensino do livro de Tiago (Tiago 1.27), além de recomendar a obrigatoriedade de visitarmos os órfãos e as viúvas, ele menciona outro aspecto da verdadeira religião: guardar-se da corrupção do mundo.

Tanto o rico como o pobre carecem da graça de Deus, mas a religião falsa está mergulhada no egoísmo, na corrupção e nos interesses pessoais. O Evangelho nada tem com esses valores e preceitos. Se mesmo com uma melhora na economia, a desigualdade social continua, isso só é resultado do pecado no coração do homem.

  • Mas vós desonrastes o pobre. Porventura não vos oprimem os ricos, e não vos arrastam aos tribunais? Tiago 2:6

Aqui Tiago exorta a igreja para reconhecerem o favoritismo que existe dentro da comunidade cristã: a discriminação social na igreja. Tiago continua a nos ensinar e no versículo 8 do capitulo 2 nos fala para obedecer a ‘lei real’. Esse termo ‘real’ refere-se aquilo que é o mais importante da lei, a sua própria essência. Portanto quem faz acepção de pessoas está quebrando a essência da lei.

  • A ninguém devais coisa alguma, a não ser o amor com que vos ameis uns aos outros; porque quem ama aos outros cumpriu a lei. Romanos 13:8

II – JUSTIÇA SOCIAL E PROFETISMO

1. Justiça social e igualdade

A palavra “justiça” é derivada do Latim, JUSTITIA, que significa “direito, administração legal”. Esta palavra latina, por sua vez é originária de JUSTUS, “justo”, que tem a origem em JUS, cujo o significado é “correto, lei”.

Biblicamente falando o seu sentido/significado vai depender da palavra utilizada no original grego ou hebraico.

  • A palavra yashar denota o caminho “reto, direito, suave”. A estultícia é alegria para o que carece de entendimento, mas o homem entendido anda retamente”. Provérbios 15:21. Aquele que segue esse caminho e pratica tais obras é chamado de ‘reto’ ou ‘justo’. 
  • Um juiz exerce o seu julgamento (mishpat), isto é, justiça do direito e retidão. O Senhor exige que o homem, que foi criado à sua imagem, também procure e pratique a justiça. “Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas”. Isaías 1:17 
  • Sedeq, designa o que é justo, direito ou normal como pesos e medidas plenos e justos. Os julgamentos de Deus são “corretos” ou justos, executados com fidelidade para o nosso supremo bem. “Bem sei eu, ó Senhor, que os teus juízos são justos, e que segundo a tua fidelidade me afligiste”. Salmos 119:75

Dessa forma vimos que na Bíblia o conceito de justiça vai de punição ao erro a um aspecto social, envolvendo o cuidado com os pobres e vulneráveis. Para os escritores Elizabeth e Paul Achtemeier, ambos afirmam que tanto no AT como no NT a ‘justiça’ é um conceito de relacionamento e que “aquele que é justo tem correspondido as exigências que lhe foram impostas pelo relacionamento no qual está inserido” (IDB, IV, 80).

É esse conceito de vida justa que devemos ter para refletir o caráter de Deus nas nossas vidas.

2. Profetizando contra as injustiças

O povo de Israel ao sair do Egito precisava se constituir como uma nação. Para isso Deus dá leis aos homens para que haja ordem, decência e justiça no meio do povo. Para que a justiça seja cumprida, Deus elege profetas, reis e juízes. Em todo o período em que o povo ser perdia, os profetas estavam ali para falar das injustiças praticadas pelo povo.

Hoje, vivemos dias parecidos com os dos profetas, onde a exemplo daquela sociedade altamente corrompida e com elevada desigualdade social, os pecados devem ser denunciados. Cabe a igreja profetizar contra as injustiças nas esferas sociais, políticas, religiosas e econômicas. É nesse cenário que o testemunho torna-se o ponto chave do ministério do cristão.

  • Vede que ninguém dê a outrem mal por mal, mas segui sempre o bem, tanto uns para com os outros, como para com todos. 1 Tessalonicenses 5:15 
  • O profeta Miqueias é citado como aquele que denunciava a exploração, o suborno e as práticas injustas da liderança.
  • Davi, o maior rei que Israel teve, é confrontado pelo profeta Natã, ao decidir usar do poder de rei, para tomar a mulher de seu soldado.
  • Amós levantou-se contra os poderosos que vendiam escravos justos e condenavam os pobres.
  • Isaías falou sobre os líderes que enriqueciam em detrimento dos pobres.
  • Ezequiel denunciou opressão ao pobre, à prática de roubos, à posse de penhor, os empréstimos com usura e recebimento de juros.
  • O profeta Oseias confrontou a irresponsabilidade dos líderes em Israel, que deveriam estar ensinando ao povo a lei de Yahweh.

3. Voz profética da Igreja

Se antes tínhamos os profetas que denunciavam as injustiças, hoje esse papel cabe a nós, Igreja do Senhor. É necessário testemunharmos publicamente acerca da justiça de Deus e denunciar todo o tipo de injustiça, anunciando que é preciso arrependimento e restauração.

A Igreja, como a agência do Reino de Deus, não pode perder o seu foco, ou seja, precisa exercer com autoridade e destemor a sua voz profética, porque para isto é que ela existe e está no mundo. Por outro lado, segundo as palavras de Jesus, calar-se ou se esconder debaixo de um alqueire, para que a sua luz não brilhe neste mundo é uma das maiores afrontas a Deus, o que se caracteriza como um ato de indiferença e omissão medíocre, reprovado pelo Mestre.

  • Nem se acende a candeia e se coloca debaixo do alqueire, mas no velador, e dá luz a todos que estão na casa. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. Mateus 5:15,16

III – A POLÍTICA ECONÔMICA E A DESIGUALDADE SOCIAL NO BRASIL

1. Desigualdade social no Brasil

As regiões mais afetadas pelos problemas sociais são o Norte e o Nordeste do país, os quais apresentam os piores IDH’s (Índice de Desenvolvimento Humano) do Brasil. Pesquisas apontam a diminuição da pobreza e, consequentemente, da desigualdade social nos últimos anos. Entretanto, estima-se que 16 milhões de pessoas ainda permanecem na pobreza extrema.

Segundo a ONU, as principais causas da desigualdade social no Brasil, são:

  • Falta de acesso à educação de qualidade.
  • Política fiscal injusta.
  • Baixos salários.
  • Dificuldade de acesso aos serviços básicos: saúde, transporte público e saneamento básico.

Se paramos para pensar, será que o Brasil não teria dinheiro o suficiente para acabar com essa desigualdade? Vamos lembrar de alguns desvios de dinheiro no nosso país:

  • Anões do orçamento (Anos 80 e início dos anos 90): R$ 800 milhões desviados.
  • Navalha na carne (2007): R$ 1,06 bilhão desviados.
  • Juiz Lalau (1992-1998): R$ 2 bilhões desviados.
  • Fundos de pensão (2015): R$ 3 bilhões desviados.
  • Zelotes (2015): R$ 19 bilhões desviados.
  • Lava Jato (atualmente): Só de prejuízo a Petrobrás, mais de R$ 42 bilhões. 
  • O rei justo dá estabilidade à nação, mas o que exige subornos a destrói. Provérbios 29.4 (NVT)

2. Economia na perspectiva cristã

A bíblia em si não fala especificamente sobre economia mas ela oferece uma linha mestra para que a sociedade possa ser livre, próspera e justa. Nela estão descritos princípios e valores morais suficientes para termos um modelo justo e ao mesmo tempo eficaz. Vejamos alguns:

  • Uma ética que fomenta o trabalho – A bíblia inicia-se com Deus trabalhando: ‘no princípio criou Deus os céus e a terra’. O primeiro emprego foi instituído por Deus a Adão, quando o deixou no jardim para ‘o lavrar e o guardar’. Dessa forma o trabalho não veio por meio do pecado, mas sim por um mandato divino. As Escrituras estão repletas de passagens que valorizam o labor e repreendem a preguiça e o ócio. Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio”. Provérbios 6:6; 
  • Uma ética que enfatiza a dignidade da pessoa humana – Quando a dignidade da pessoa humana não é considerada, destituídas de qualquer valor significante as pessoas são consideradas como coisas; são meros números vazios e sem significado. Mas, dentro da perspectiva cristã, cada vida tem um valor indescritível, que deve ser tratada com a dignidade.

Economia para um cristão é tomar decisões sobre como melhor usar seus recursos limitados a fim de ser um bom mordomo diante de Deus.

3. Assistência e desenvolvimento

Um provérbio chinês nos diz o seguinte: “Dê um peixe a um homem faminto e você o alimentará por um dia. Ensine-o a pescar, e você o estará alimentando pelo resto da vida.”

A ajuda que a igreja deve fazer deve ser de uma maneira construtiva, ou seja, ajudar com sabedoria, para que a pessoa possa ser responsável por ela mesma. Não é dar apenas o peixe, mas sim ensinar a pescar.

Uma pesquisa feita com 10 mil pessoas em 6 países concluiu que o apoio direto somado com ativos produtivos é a melhor forma de superar a armadilha da pobreza. Ao final da pesquisa, viram que o ‘empurrão’ dado contribuiu para que as famílias saíssem da pobreza e caminhassem para a classe média.

Como explica David Platt: “A Escritura não nos chama a salvar os preguiçosos da pobreza. Ao contrário, ela nos chama a servir e a complementar a necessidade do responsável. ”

  • Quem ajuda os pobres empresta ao Senhor; ele o recompensará. Provérbios 19.17 (NVT)

Que Deus lhe abençoe!

REFERÊNCIAS

Isaias, Eis me aqui, envia-me a mim – Claiton Ivan Pommerening, CPAD, Rio de Janeiro;
Seguidores de Cristo – Testemunhando numa Sociedade em Ruínas – Valmir Nascimento, CPAD, Rio de Janeiro;
https://www.bibliaonline.com.br/acf
https://ibge.gov.br/

Por Rafael Cruz


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada