Buscar esboços

Nossos Esboços

CPAD Jovens – 4º Trimestre de 2017 – 10/12/2017 – Lição 11: Sabedoria divina para interagir com os meios de comunicação

07/12/2017

Este post é assinado por: Rafael Cruz 

Texto do dia 

  • “E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas, antes, condenai-as.” (Efésios 5.11 – ACF) 

Texto bíblico 

  • Efésios 5.1-14
    1 Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados;
    2 e andai em amor, como também Cristo vos amou e se entregou a si mesmo por nós, em oferta e sacrifício a Deus, em cheiro suave.
    3 Mas a prostituição e toda impureza ou avareza nem ainda se nomeiem entre vós, como convém a santos;
    4 nem torpezas, nem parvoíces, nem chocarrices, que não convêm; mas, antes, ações de graças.
    5 Porque bem sabeis isto: que nenhum fornicador, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no Reino de Cristo e de Deus.
    6 Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por essas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência.
    7 Portanto, não sejais seus companheiros.
    8 Porque, noutro tempo, éreis trevas, mas, agora, sois luz no Senhor; andai como filhos da luz
    9 (porque o fruto do Espírito está em toda bondade, e justiça, e verdade),
    10 aprovando o que é agradável ao Senhor.
    11 E não comuniqueis com as obras infrutuosas das trevas, mas, antes, condenai-as.
    12 Porque o que eles fazem em oculto, até dizê-lo é torpe.
    13 Mas todas essas coisas se manifestam, sendo condenadas pela luz, porque a luz tudo manifesta.
    14 Pelo que diz: Desperta, ó tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá. 

INTRODUÇÃO 

A Paz do Senhor querido leitor e acompanhante do nosso site.

Dando continuidade aos nossos estudos, saímos do âmbito apenas da internet e suas redes sociais e partimos para todos os meios de comunicação: rádio, televisão, jornal, revista, internet, etc. Muito se tem avançado na ciência e na tecnologia, proporcionando assim um aumento significativo na difusão do conhecimento e da comunicação em todo o mundo.

No século XIX, o rádio e o telefone foram os principais meios de comunicação. Por meio de ondas eletromagnéticas, o rádio foi criado e utilizado para propagar as informações, bem como servir de entretenimento, com as músicas e radionovelas. Já o telefone, representou a evolução do telégrafo uma vez que representa um instrumento ligado por fios, entretanto, que emite mensagens de voz a longas distâncias em tempo real.

No século XXI, sem dúvida, a televisão e a internet foram (e continuam sendo) os principais meios de comunicação.

Como seguidores de Cristo precisamos ter sabedoria e discernimento no uso de todo meio de comunicação disponível em prol da obra do Senhor.

I – OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO E SUA INFLUÊNCIA CULTURAL

1 – A importância e a utilidade da mídia 

Já sabemos que ao longo da história, o homem desenvolveu formas para comunicar: sinais, desenhos, cartas, criação de “objetos”, etc. mesmo sendo há muitos anos atrás, esta evolução foi progressiva, sendo então paralela à evolução do Homem.

Da mesma maneira que o homem, a ciência e a tecnologia evoluíram, a nossa maneira de comunicar também acompanhou esse processo de evolução. Dessa forma podemos admitir que os meios de comunicação sempre estiveram presentes na vida do homem quer em tempos antigos, quer atualmente, sendo estes essenciais para a difusão das informações e para as atividades econômicas.

Além de conversar, a comunicação é essencial para uma série de situações, importantes, como no caso de marcar uma consulta médica, urgentes, como chamar a emergência no caso de um acidente, divulgar uma vaga de emprego e mais um milhão de coisas que podemos imaginar.

Vamos mostrar aqui um breve histórico da evolução dos meios de comunicação:

  • 3.500 a.C – Os sumérios desenvolveram a escrita cuneiforme. Os egípcios desenvolvem a escrita hieroglífica;
  • 776 a.C – Primeiro registro do uso de um pombo correio para envio de mensagens;
  • 530 a.C – Os gregos iniciam a primeira biblioteca;
  • 1455 – Johannes Gutemberg inventa uma impressora;
  • 1650 – Primeiro jornal diário aparece em Leipzig, Alemanha;
  • 1831 – Joseph Henry inventa o telégrafo elétrico;
  • 1835 – Samuel Morse inventa o Código Morse;
  • 1876 – Alexander Graham Bell patenteia o telefone elétrico;
  • 1895 – Os irmãos Lumière inventam o cinematógrafo na França;
  • 1896 – Guglielmo Marconi inventa o rádio;
  • 1923 – A Televisão, ou iconoscópio é inventada por Vladimir Kosma Zworykin;
  • 1930 – Época de ouro do rádio;
  • 1944 – Surgem computadores como Harvard Mark I. Começa a era da informática;
  • 1976 – Inventado o computador pessoal Apple I;
  • 1979 – Surge o telefone celular no Japão;
  • 1980 – Inventado o Walkman da Sony;
  • 1981 – Inicia-se vendas ao público por primeiro laptop;
  • 1992 – Surgem as primeiras câmeras fotográficas digitais / O primeiro smartphone foi o Simon IBM;
  • 1994 – O Governo Americano abre o controle da internet e nasce a World Wide Web;
  • 2000 – Celulares passam a ter acesso à internet e câmeras fotográficas, e de vídeo digitais
  • 2007- Surge o primeiro iPhone da Apple.

Paramos em 2007, pois a partir desse ano, acredito que todos nós já estamos bem inteirados de tudo que aconteceu a partir do surgimento do iPhone quando o assunto é ‘se comunicar’.

2 – Para o bem e para o mal

Existem aquelas pessoas que ‘colocam demônio’ em tudo! Para elas tudo é do diabo, inclusive os meios de comunicação.

Vamos parar e raciocinar. Por exemplo: a televisão é do diabo? Pense comigo: quem é que está com o controle na mão selecionando os canais? A televisão liga sozinha e fica apenas passando um único canal com conteúdo que não edifica? A televisão é um meio de comunicação que sendo bem usado, pode servir para propagação do evangelho de Cristo. Agora se você não sabe usar a televisão (perde muito tempo em frente a ela, assiste canais impróprios) não me venha dizer que ela é do diabo! Ela só vai mostrar aquilo que você quer ver.

Um outro exemplo é a internet. Na lição anterior eu mostrei alguns números sobre a ‘expansão’ da pornografia na rede. O número de sites pornográficos e os acessos a eles só aumentam a cada dia. Mas de uma coisa eu tenho certeza: alguém precisou digitar o endereço do referido site para ver o seu conteúdo. Da mesma maneira que esse meio de comunicação é usado para o mal, também é usado para o bem. Um excelente exemplo é o nosso site ebdcomentada.com e tantos outros por ai que fazem um bom trabalho na propagação do evangelho.

Quando eu era criança e viajava com os meus avós de férias, meu vô colocava uma fita-cassete (isso mesmo…) no rádio do carro com uma música antiga, mas que tem muito a ver com o uso das coisas para o bem. A música se chama ‘O último julgamento’. Veja um trecho dela:

Meu Pai lhe deu inteligência para salvar vidas
Você não salvou
Em vez de curar os enfermos
Armas nucleares você fabricou
Usando sua capacidade
Você destruiu, você se condenou
A sua ganância foi tanta
Que a você mesmo você exterminou

O avião que você inventou
Foi para levar a paz e a esperança
Não pra matar seus irmãos
Nem para jogar bombas nas minhas crianças
Foi você quem causou essa guerra
Destruiu a terra de seus ancestrais
Você é chamado de homem
Mas é o pior dos animais

Deus é bom e criou todas as coisas. Saibamos usar a inteligência que Deus colocou em nossas mentes para usar aquilo que temos em prol do evangelho.

  • “E, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada.” (Tiago 1.5 – ACF)

3 – O poder de influência dos meios de comunicação 

Os meios de comunicação não somente tem o papel de informar, mas também influenciam diretamente na vida das pessoas. As novelas são um ótimo exemplo: Se algum personagem usa determinada roupa ou sapato, logo a maioria das pessoas que assistem a novela, começarão a usar os mesmos vestuários do personagem famoso. O mesmo acontece com a trilha sonora: o artista que canta a música acaba ‘estourando’ nas rádios pois todos querem ouvir a música tema da novela.

O consumismo acaba ficando ao lado das influências da mídia e dos meios de comunicação: Quantas vezes você viu uma propaganda e mesmo sem estar precisando desejou aquele produto ou serviço? Ou foi ao shopping e iludido por promoções adquiriu produtos que não tinha intenção alguma de comprar? As propagandas são feitas de forma que você não veja apenas o produto, mas sim o que ele pode lhe proporcionar.

Sabemos que comida fast-food não é tão saudável. Mas já reparou nas propagandas? Como as pessoas são bonitas e saudáveis? As propagandas de fast-food descrevem uma vida feliz e saudável aos seus consumidores. Há também as de bebidas alcoólicas, que descrevem um universo sem preocupações, apenas curtição, amigos e uma boa ‘gelada’ além de todo sensualismo envolvendo mulheres dentro dos padrões de beleza impostos pela mídia que podem ser conquistadas apenas pelo fato de se consumir aquela determinada bebida.

Da mesma forma que falamos no item anterior, e sabedores da influência que tem os meios de comunicação, podemos usa-los para influenciar e impactar as pessoas sobre, por exemplo, pecado e salvação. 

II – A MÍDIA ÍMPIA E OS PERIGOS DO FALSO ENTRETENIMENTO 

1 – A eficácia destrutiva da mídia ímpia 

  • “Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno.” (1 João 5.19 – ACF)

Como a Bíblia nos afirma que o mundo já está no maligno é fácil encontrarmos nos meios de comunicação em massa (televisão, por exemplo) tudo aquilo que é do desagrado de Deus e contra as escrituras sagradas. Vi um vídeo recentemente do Pastor Marco Feliciano em que ele cita tudo aquilo que uma das novelas da Globo ‘ensinava’:

  • Curso de gerenciamento de boca de fumo e golpes em geral;
  • Como trair o marido ou a esposa;
  • Como ficar viciado em jogos clandestinos;
  • Como virar mulher de bandido;
  • Como incentivar o seu filho (a) a ser gay ou lésbica,
  • Como dar o golpe da barriga, mentir sobre quem é o pai só para se dar bem na vida.

Isso e muito mais é mostrado não somente nas novelas, mas em qualquer meio de comunicação com o único propósito maligno de destruir as famílias.

As pessoas deixam de se satisfazerem com suas próprias vontades para fazer aquilo que é imposto pela mídia, seguem dietas rigorosas, gastam “rios de dinheiro”, fugindo do seu próprio controle. Com isso, diversos problemas são gerados como: doenças, preconceitos, além de diminuir sua autoestima e correr o risco de se transformar em uma pessoa que não é.

Os escritores Kennedy e Newcombe, no livro ‘As portas do inferno não prevalecerão’, observam que a mídia de péssima qualidade deve ser combatida por mídia de boa qualidade. Precisamos, afirmam eles, “nos conscientizar de que o ataque ao Cristianismo que ocorre em nossa cultura resulta, em parte, de uma atitude mal orientada que os cristãos tiveram, no início deste século. Durante décadas, nos mantivemos afastados de nossa cultura. Deixamos a mídia, em sua maior parte, para os ímpios. ”

  • “Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.” (Romanos 12.21 ACF)

2 – A sedução do falso entretenimento

  • “Não vos enganeis. As más companhias corrompem os bons costumes.” (1 Coríntios 15.33 – NVI)

Quando a bíblia nos diz que as más companhias corrompem os bons costumes, podemos afirmar que os meios de comunicação também são nossas companhias, afinal passamos boa parte do dia ‘com eles.’ Vamos pegar o exemplo da televisão novamente.

O tempo médio por dia que crianças e adolescentes passam em frente à televisão tem subido constantemente, em 10 anos (entre 2004 e 2014) foi registrado um aumento de 52 minutos. Em 2004 o tempo médio por dia de exposição à TV foi de 4h43, ao longo dos anos esse número aumentou e em 2014 chegou a 5h35 (último censo). Outra questão preocupante é que quanto mais tempo na frente da televisão, maior a quantidade de publicidade que a pessoa entra em contato. A publicidade dirigida ao público infantil, por exemplo, contribui para o agravamento de questões como obesidade infantil, erotização precoce e consumo de álcool e tabaco, estresse familiar, violência e diminuição do brincar. Considerando também que o brasileiro é um dos que passa mais tempo na internet (Softwares Symantec, 2010), sobra pouco tempo para realizar outras tarefas do dia a dia e prejudica o seu desenvolvimento social.

4TCJ2017L11a

3 – A manipulação da sociedade e das mentes

A Enciclopédia de Psicologia define manipulação como: o gerenciamento e a direção dos seres humanos pelo uso hábil de seus desejos e qualidades com o propósito de controlá-los com fins sociais, científicos ou políticos, contrários as suas próprias escolhas. Influentes nomes, como Adorno e Horkheimer, os primeiros pensadores a realizar análises mais sistemáticas sobre o tema, concluíram que os meios de comunicação em larga escala moldavam e direcionavam as opiniões de seus receptores. Por sua vez, o psicólogo social Gustav Le Bon considerava que, nas massas, o indivíduo deixava de ser ele próprio para ser um autômato sem vontade e os juízos aceitos pelas multidões seriam sempre impostos e nunca discutidos.

Sabendo do simples fato de que a mídia tem esse poder influenciador, temos que ter a mesma personalidade dos nobre bereanos que depois que Paulo pregava, cada um ia conferir nas escrituras, se o que Paulo dizia era verdade ou filosofia humanista.

  • “Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim.” (Atos 17.11 – ACF)

Não é porque saiu na televisão ou no Facebook que é verdade. É, de fato, surpreendente, que, numa época como esta, depois de ter feito tanto progresso tecnológico, depois de todo fantástico desenvolvimento da ciência, o ser humano ainda continue disposto a se tornar escravo, espiritual e mentalmente, um de outro.

É necessário termos sabedoria para reter o que é bom e verdadeiro e compartilhar aquilo que realmente é verídico e que pode influenciar a vida das pessoas.

III – UTILIZANDO OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO COM SABEDORIA

1 – Entretenimento com piedade 

Como vimos não dá para fugir dos meios de comunicação, visto que a comunicação faz parte do homem (Deus criou a mulher para que o homem não se sentisse só), nós devemos nos comunicar e com a sabedoria vinda do alto, teremos condições de utilizar qualquer meio de comunicação de forma adequada, ao contrário de sermos manipulados por eles.

Sempre que for assistir algum programa, filme, seriado ou iniciar uma conversa, se pergunte: isso será edificante para a minha vida? Será que não perderei muito tempo vendo ou discutindo tal assunto? Devemos ter o nosso foco naquilo que é divino, espiritual.

Não faço aqui apologia a todos desligarmos as nossas TV’s e cancelarmos os planos que temos de internet. Não é isso. O que estamos recomendando é que você sempre se analise se não poderia estar trocando esse tempo em frente a TV para falar com Deus, para estudar a sua palavra ou até para evangelizar e fazer a sua obra.

A nossa luta espiritual é grande dentro de nós. Sabemos que o pecado original de Adão, habita em cada um e isso faz com que sempre fiquemos em constante luta contra as obras da carne que nos afastam de Deus. Paulo já nos ensinava:

  • “Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.” (Romanos 7.19,20 – ACF)

2 – O uso sábio da mídia 

Hoje em dia é praticamente comum todos nós possuirmos smartphones, tablets, notebooks, TV a cabo, internet banda larga; coisas que acabam consumindo o nosso dia e ao final dele, queremos apenas parar um pouco e descansar. E quando lembramos de Deus, vimos que não tivemos sequer um minuto para ele.

Certa vez uma sábia mulher me disse quando dei essa desculpa dizendo que não tinha tempo para determinada coisa: “Tempo somos nós que fazemos”. Como não usamos sabiamente as ferramentas que temos em mãos, ficamos igual Marta, atarefados, irritados e sem tempo pra Deus.

  • “Respondeu o Senhor: “Marta! Marta! Você está preocupada e inquieta com muitas coisas; todavia apenas uma é necessária. Maria escolheu a boa parte, e esta não lhe será tirada.” (Lucas 10.41,42 – ACF).

Jesus estava lá falando de coisas maravilhosas, mas Marta não conseguiu prestar atenção em nada porque olhou para os seus afazeres. E a gente faz a mesma coisa. É trabalho e mais trabalho, e-mails e mais e-mails, telefonemas e mensagens, e não conseguimos prestar atenção no Senhor, que também está ao nosso lado.  

Jesus queria que Marta parasse um pouco com suas tarefas para que pudesse ouvi-lo, e Ele deseja que paremos um pouco também, que enxerguemos o quanto essa vida é passageira, que deixemos, pelo menos um pouco, esse mundo em segundo plano, para que possamos escutar o que Ele tem a nos falar.

Usar a mídia com sabedoria é saber a hora de começar e a hora de parar, para que assim possamos ter um tempo a sós com nosso Pai.

  • Vocês me procurarão e me acharão quando me procurarem de todo o coração. Eu me deixarei ser encontrado por vocês, declara o Senhor.” (Jeremias 29.13,14 – ACF). 

3 – Influenciando a mídia

Nesse ano de 2017 estamos comemorando 500 anos da Reforma Protestante. Foi no dia 31 de outubro de 1517 que Martinho Lutero apregoou na porta da Igreja do Castelo de Wittenberg as suas 95 teses contra diversos pontos da doutrina da igreja Católica. Muitos estudiosos afirmam que se os meios de comunicação não tivessem evoluído, não existiria a reforma.

Não podemos nos deixar ser influenciados pela mídia, mas sim usa-la ao nosso favor. Martinho Lutero aproveitou esse contexto de cópias baratas de papel, para que todas as suas teses pudessem ser divulgadas de forma rápida e para todos. Em duas semanas, Lutero já estava sendo conhecido em toda a Alemanha, e em um mês, em toda a Europa. Isso foi feito apenas com cópias de suas teses. Imagina um post no Facebook ou um programa de televisão, quantas vidas não podemos alcançar através dessas ferramentas?

Está na hora de despertarmos desse sono e usarmos aquilo que Deus tem colocado em nossas mãos para levar mais pessoas a Cristo!

4TCJ2017L11b

REFERÊNCIAS

Seguidores de Cristo – Testemunhando numa Sociedade em Ruínas – Valmir Nascimento, CPAD, Rio de Janeiro;

https://www.bibliaonline.com.br/acf

Dicionário bíblico universal; Universal bible dictionary – A. R. Buckland , Lukyn Williams;

Dicionário Bíblico Wycliffe – Charles F. Pfeiffer, Howard F. Vos, John Rea – CPAD;

http://www.cacp.org.br/

Por Rafael Cruz


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada