Ensinando e fazendo Missões

Buscar esboços

Nossos Esboços

CPAD Adultos – 4º Trimestre de 2017 – 19/11/2017 – Lição 8: A salvação e o Livre Arbítrio

14/11/2017

Este post é assinado por: Pastor Eliel Goulart

Texto Áureo

  • “Qual é o homem que teme ao Senhor? Ele o ensinará no caminho que deve escolher.” – Salmo 25.12

Verdade Prática

  • O projeto primário de Deus foi salvar a humanidade. Todavia, de acordo com sua soberania, concedeu o livre-arbítrio ao homem.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

  • João 3.14 a 21
    14  E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, 

    15 para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.
    16  Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. 
    17 Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. 
    18 Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. 
    19 E a condenação é esta: Que a luz veio ao mundo, e os homens amaram mais as trevas do que a luz, porque as suas obras eram más.
    20 Porque todo aquele que faz o mal aborrece a luz e não vem para a luz para que as suas obras não sejam reprovadas. 
    21 Mas quem pratica a verdade vem para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque são feitas em Deus.

INTRODUÇÃO

Comentário do Blog

Paz do Senhor!

Nosso bendito Deus ofereceu a salvação a quem quiser ser salvo.

  • João 3.16-18 – “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.”

A fé vem pelo ouvir a pregação do Evangelho da salvação, e este é o poder de Deus para salvação de todo o que crê – Romanos 10.17 e Romanos 1.16. Portanto, o propósito de Deus é o de oferecer a salvação em Cristo Jesus a toda a humanidade. E cada homem tem a liberdade de aceitar ou não esta oferta. A decisão é pessoal. O homem é livre nas decisões de sua vida.

Deus não criou máquinas robotizadas, mas seres autônomos, responsáveis nas expressões de suas vontades, inteligentes em suas decisões e livres para escolher entre o bem e o mal, entre a vida e morte.

Keyser: “Suponhamos que não tivesse havido proibição no jardim; que teria acontecido à livre agência moral de nossos primeiros pais? Ainda que criados com tal capacidade, não teriam tido oportunidade de exercê-la, e isso tê-los-ia transformado virtualmente, em escravos da vontade de Deus. O mesmo teria sucedido se Deus não os tivesse criado com o poder do livre arbítrio. Em ambos os casos teriam sido seres diferentes do homem, conforme o conhecemos hoje, e, assim sendo, não poderiam ter sido os progenitores da humanidade.”

Portanto, observamos que o homem foi criado com a capacidade volitiva de decisão livre. O homem não foi criado pecador, mas o pecado entrou no mundo através da própria escolha do homem. Escolha responsável, consciente, deliberada e voluntária.  Deus não tem prazer e nem desejo da condenação do homem, ao contrário, o prazer e desejo de nosso glorioso Deus é de salvar!

  • Ezequiel 18.23 – “Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio? Diz o Senhor Jeová; não desejo, antes, que se converta dos seus caminhos e viva?”
  • Ezequiel 18.32 – “Porque não tomo prazer na morte do que morre, diz o Senhor Jeová; convertei-vos, pois, e vivei.”
  • II Pedro 3.9 – “…não querendo que alguns se percam, senão que todos venha a arrepender-se.”

Por toda a Bíblia está revelado claramente que Deus não quer que o homem pereça em seus pecados. Ezequiel 33.11 – “Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Jeová, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva.”

Esta é a simplicidade do Evangelho. Não nos apartemos dela.

I – A ELEIÇÃO BÍBLICA E SEGUNDO A PRESCIÊNCIA DIVINA

1.  A eleição de Israel

Comentário do Blog

  • Levítico 20.26b – “…e separei-vos dos povos, para serdes meus.”

Os judeus são descendência de Abraão. Na história de Abraão está, de maneira incipiente, a origem de Israel.

  • Gênesis 12.1 e 2 – “Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação…”

Relaciono cinco características especiais na Aliança feita por Deus com Abraão:

  • 1 – a promessa de um território, com limites geográficos definidos, que foram dados em posse a Israel para sempre;
  • 2 – a promessa de que o Messias viria a este mundo por Israel;
  • 3 – a Lei e as seguidas Alianças de promessas que firmaram um relacionamento especial de Deus com Israel;
  • 4 – as manifestações visíveis e gloriosas da presença de Deus com o povo de Israel;
  • 5 – o reinado eterno do Messias, que se assentaria no trono de Davi, na cidade de Jerusalém, reinando sobre o povo de Israel e estendendo Seu reinado por todo o mundo.
  • Deuteronômio 7.6 – “…o Senhor, teu Deus, te escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que sobre a terra há.”

A palavra original para eleição no Antigo Testamento é bachar, que significa “escolher”, e ocorre 172 vezes em 164 versículos no A.T.. ( Léxico Teológico do Velho Testamento – Ernest Jenni e Claus Westermann ).

O propósito da eleição de Israel era o de enviar o Messias, o Salvador, ao mundo.

O fundamento da eleição de Israel envolve o amor e a graça de Deus. Consideremos a revelação em Josué 24.2 de que Abraão era idólatra, quando habitava na Caldéia. Isso enfatiza a escolha imerecida.

  • Josué 24.2 – “Então, Josué disse a todo o povo: Assim diz o Senhor, Deus de Israel: Dalém do rio, antigamente, habitaram vossos pais, Tera, pai de Abraão e pai de Naor, e serviram a outros deuses.”
  • Deuteronômio 7.7 e 8 – “O Senhor não tomou prazer em vós, nem vos escolheu, porque a vossa multidão era mais do que a de todos os outros povos, pois vós éreis menos em número do que todos os povos, mas porque o Senhor vos amava…”

Sem nos aprofundar mais, a conclusão é a de que a eleição de Israel no Antigo Testamento é:

  • 1 – corporativa;
  • 2 – proposital ( no tempo e no espaço );
  • 3 – exclusiva.

Assim observamos que Israel, usando de seu livre arbítrio, ao longo da história, agiu com teimosia, desobediência, rebeldia, dureza de coração e desviou-se da presença de Deus. Os judeus interpretaram erradamente a preservação da eleição geral, principalmente incentivados pelos falsos profetas, como garantia incondicional da segurança da nação.

  • Miquéias 3.11 – “Os seus chefes dão as sentenças por presentes, e os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus profetas adivinham por dinheiro; e ainda se encostam ao Senhor, dizendo: Não está o Senhor no meio de nós? Nenhum mal nos sobrevirá.”

Eleição exige responsabilidade. Efésios 1.4 – “Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em caridade ( amor – anotação nossa ).”

A descendência genética não faz do indivíduo judeu, automaticamente, salvo incondicional. Joel 2.32 – “E há de ser que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo.”

Apesar do número muito superior de habitantes em Israel, nos dias do profeta Elias, Deus referiu-se somente a um grupo selecionado que seria alvo de suas bênçãos:

  • I Reis 19.18 – “Também eu fiz ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que se não dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou.”

Portanto, da eleição de Israel, depreendemos que a eleição divina não é caprichosa e nem incondicional, como se Deus decretasse escolha aleatória de uns para salvação e de outros para a condenação eterna.

2. A eleição para a salvação

Comentário do Blog

  • Marcos 16.16 – “Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.”

A vontade de Deus revelada e expressa na Bíblia é a de que todas as pessoas sejam salvas e Ele não deseja a morte do ímpio.

  • Iª Timóteo 2.3 e 4 – “Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade.”
  • Ezequiel 33.11 – “Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor JEOVÁ, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho e viva…”
  • IIª Pedro 3.9 – “…não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se.”

O convite de Deus para a salvação, para que todos venham a Cristo, é universal:

  • Isaías 55.1 – “Ó vós todos os que tendes sede, vinde às águas, e vós que não tendes dinheiro, vinde, comprai e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite.”
  • Mateus 11.28 – “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.”

Deus deu a todos a capacidade de responder aos apelos do Evangelho, ou seja, o Senhor deu a todos a graça preveniente. Ou seja, a graça de Deus que convence, chama, ilumina e capacita, e que precede a conversão e possibilita o arrependimento e a fé para a salvação.

O chamado para a salvação é universal. A decisão de aceitar ou não o convite de Deus é individual.

  • Atos 2.37 – “Ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Que faremos, varões irmãos?”

3. A presciência divina

Comentário do Blog

C. W. Hodge: “A palavra presciência tem dois significados. É um termo usado na teologia para expressar a ideia da previsão de Deus, isto é, Seu conhecimento do curso integral de acontecimentos que são futuros do ponto de vista humano. Ela também é usada com o sentido de pré-ordenação. No sentido de pré-conhecimento, ela é um aspecto da onisciência divina. O saber de Deus, de acordo com as Escrituras, é perfeito, isto é, Ele é onisciente”.

A provisão de Deus para a salvação de toda a humanidade pode ser resistida. Nem todos creem. IIª Tessalonicenses 3.2 – “…a fé não é de todos.”

A responsabilidade pessoal do homem é consequência de seu livre arbítrio.

De maneira geral, todos são chamados à salvação. Ao aceitar tal convite, este convertido está predestinado à vida eterna em Cristo Jesus.

  • Romanos 11.24 – “Porque, em esperança somos salvos.”
  • Romanos 11.30 – “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou.”

“O Deus que elege é o Deus que ama, e Ele ama o mundo. Tornar-se-ia válido o conceito de um Deus que arbitrariamente escolheu alguns e desconsidera os demais, deixando-os ir à perdição eterna, diante de um Deus que ama o mundo?” ( Stanley M. Horton – Teologia Sistemática – Uma perspectiva pentecostal ).

II – ARMÍNIO E O LIVRE ARBÍTRIO

1. Um breve histórico de Jacó Armínio

O resumo histórico, muito sintetizado mesmo, deste sub tópico desta lição 8, está suficiente para a aula. Se alguém quiser aprofundar mais, recomendo a leitura do livro “Arminianismo – A mecânica da salvação” – do pastor Silas Daniel – CPAD.

A CPAD publicou em 2015, em três volumes, As Obras de Armínio, as quais também podem e devam ser consultadas por quem queira se capacitar mais.

2. O livre arbítrio

Comentário do Blog

Livre arbítrio é a possibilidade que o homem tem de decidir e escolher por sua própria vontade. As suas decisões e escolhas tem consequências eternas quando se referem à salvação.

Quanto à sua natureza, o livre arbítrio humano divide-se em três categorias:

  • 1 – determinismo;
  • 2 – indeterminismo;
  • 3 – autodeterminismo.

1 – Determinismo – todos que aceitam a teologia calvinista acreditam em algum nível de determinismo.

“Duas formas de determinismo podem ser diferenciadas: rígida e moderada. O determinismo rígido acredita que todas as ações são causadas por Deus, que Deus é a única causa eficiente. O determinismo moderado acredita que Deus como Causa Primária é compatível com o livre arbítrio humano como Causa Secundária.” ( Norman Geisler.

Deus deu liberdade moral ao homem. Livre arbítrio é fazer o que se decide. Mas Deus pode controlar todas as coisas tanto pela Onisciência quanto pelo poder causal.

2 – Indeterminismo – segundo esta ideia, poucas ações humanas são causadas. Argumenta-se que as ações livres são imprevisíveis para serem determinadas.

O indeterminismo conflita com o princípio da causalidade, que afirma que todas as coisas têm causa. O indeterminismo põe o mundo e a ciência numa posição irracional. Só porque uma ação livre não é causada por outra não significa que é não causada. Ela é autocausada.

O indeterminismo elimina a responsabilidade moral dos homens, porque se diz que não é causa de suas ações. Se o homem não é a causa de suas ações, então por que deveria ser culpado por elas?

É inaceitável do ponto de vista bíblico.

3 – Autodeterminismo – as ações morais de uma pessoa são causadas pela própria pessoa. Livre arbítrio é a ação humana moralmente autodeterminada. De livre escolha do homem.

Nenhuma ação pode ser desprovida de causa. Esta é a ideia de livre arbítrio dos arminianos contemporâneos.

A pessoa que realiza as ações livres tem o seu poder da liberdade causado por Deus, mas o exercício da liberdade é causado pela pessoa. O futuro é determinado do ponto de vista ou do conhecimento infalível de Deus, mas livre do ponto de vista da escolha do homem.

“A habilidade de uma pessoa receber o dom gracioso da salvação de Deus não é o mesmo que trabalhar por ele. Pensar assim é dar crédito a quem recebe o dom, e não ao Doador, que o dá graciosamente.” ( Norman Geisler ).

3. O livre arbítrio na Bíblia

Comentário do Blog

  • I Coríntios 15.22 – “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo.”

Tudo que é carnal em nossa natureza é herdado de Adão. Tudo que é espiritual em nossa natureza herdamos de Cristo.

Os resultados da morte de Cristo são co-extensivos com os resultados da queda de Adão. Os resultados da queda de Adão se estendem a todos os homens. Mas, a responsabilidade da decisão e escolha pessoal recai sobre cada homem. Ou o homem escolhe o que deriva de Adão ou o que é oferecido por Cristo. Ou escolhe a “ofensa” de Adão ou a “graça” de Cristo.

“Assim, segundo as Escrituras, se em Adão todos são predestinados para a perdição, em Cristo, todos são predestinados para a salvação.” ( Claiton Ivan Pommerening ).

  • João 12.48 – “Quem me rejeitar a mim e não receber as minhas palavras já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último Dia.”

“Este é um versículo bíblico onde vemos que Deus deu ao homem o livre arbítrio. Tudo depende da escolha que fizermos: Salvação aceitando o Salvador; perdição, rejeitando-O.

  • Josué 24.15 – “Porém, se vos parece mal aos vossos olhos servir ao Senhor, escolhei hoje a quem sirvais: se os deuses a quem serviram vossos pais, que estavam dalém do rio, ou os deuses dos amorreus, em cuja terra habitais; porém eu e a minha casa serviremos ao Senhor.”
  • I Reis 18.21 – “Então, Elias se chegou a todo o povo e disse: Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; e, se Baal, segui-o. Porém o povo lhe não respondeu nada.”

Ora, se alguém me avisa: “Perigo!”, e eu continuo avançando, quem é o culpado da morte?” ( Antônio Gilberto – A prática do Evangelismo pessoal ).

III – ELEIÇÃO DIVINA E LIVRE ARBÍTRIO

1. A eleição divina

Comentário do Blog

A eleição divina está diretamente correlacionada com a soberania de Deus.

Quando falamos de eleição / chamado divino dois fatos se estabelecem:

  • 1 – o amor de Deus pela humanidade;
  • 2 – o total demérito do homem.

Nós somos eleitos / chamados em Cristo Jesus. Observe estas quatro chamadas em I Pedro:

  • 1 – para a santidade – I Pedro 1.15 e 16 – “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: Sede santos, porque eu sou santo.”
  • 2 – para a luz – I Pedro 2.9 – “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.”
  • 3 – para o sofrimento – I Pedro 2.21 – “Porque para isto sois chamados, pois também Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas.” Considere o final do versículo anterior – o versículo 20 – “…Mas, se fazendo o bem, sois afligidos e o sofreis, isso é agradável a Deus.”
  • 4 – para a glória – I Pedro 5.10 – “E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá.”

2. Escolha humana e fatalismo

Comentário do Blog

  • Romanos 5.19b – “…assim também por um só ato de justiça veio a graça sobre todos os homens para justificação de vida.”

Todos são chamados à graça salvadora. Todos são chamados a crer no Evangelho. O determinismo calvinista leva ao fatalismo. Se tudo é determinado além do nosso controle, independente de nossa vontade, por que fazer o bem e evitar o mal? O determinismo destrói a própria vontade de fazer o bem e desviar-se do mal. O fatalismo determinista calvinista não é bíblico.

Portanto, a eleição divina não significa que Deus destina alguns para a salvação e outros tantos para perdição eterna.

  • Atos 10.34 – “E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas.”

3. A possibilidade da escolha humana

Comentário do Blog

A graça salvadora estende-se a todos os homens.

  • Isaías 45.22 – “Olhai para mim e sereis salvos, vós, todos os termos da terra; porque eu sou Deus, e não há outro.”

Paulo pregou em Atenas, que Deus notifica a todos os homens, em todo o lugar, que se arrependam – Atos 17.30.

Ora, “todos os homens” significa isso mesmo, e não “alguns homens”

A graça preveniente age na mente e no coração do pecador, dando-lhe capacidade de decisão por Cristo Jesus. Antes, isso em sua vida era impossível.

 O homem tem a possibilidade de escolha: continuar a viver pecando ou viver em Cristo Jesus.

  • Mateus 23.37 – “Jerusalém, Jerusalém, que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintos debaixo das asas, e tu não quiseste!”

CONCLUSÃO

Comentário do Blog

“A soberania divina coexiste com o livre arbítrio e qualquer tentativa de explicar como isso ocorre leva a equívocos e discussões desnecessárias.” ( César Moisés Carvalho, O Sermão do Monte ).

“Se a promessa ( da salvação ) não se refere a todos a quem a ordem de crer é dada, nesse caso a ordem é injusta, vã e inútil.” ( Jacó Armínio, As Obras de Armínio, Volume 3, páginas 312,3 ).

No mais Deus proverá!

Pastor Eliel Goulart

 


Comentários

  • jose edson gomes pereira disse:

    estudos maravilhosos e esclarecedor que Deus continue abençoando a vida de voçes paz amados

    1. Cláudio Roberto disse:

      Paz do Senhor irmão José

      O seu comentário muito nos alegra.

      Deus abençoe a sua vida, família e ministério!

      Em Cristo
      Irmão Cláudio Roberto de Souza
      Equipe EBD Comentada

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada