Buscar esboços

Nossos Esboços

CPAD Adultos – 4º Trimestre de 2017 – 29/10/2017 – Lição 5: A obra salvífica de Jesus Cristo

22/10/2017

Este post é assinado por: Pastor Eliel Goulart

TEXTO ÁUREO

  • “E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.” – João 19.30

VERDADE PRÁTICA

  • A obra salvífica de Cristo nos deu o privilégio de achegarmo-nos a Deus sem culpa e chamá-lo de “Pai”.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

  • João 19. 23 a 30
    23 Tendo, pois, os soldados crucificado a Jesus, tomaram as suas vestes e fizeram quatro partes, para cada soldado uma parte, e também a túnica. A túnica, porém, tecida toda de alto a baixo, não tinha costura.

    24 Disseram, pois, uns aos outros: Não a rasguemos, mas lancemos sortes sobre ela, para ver de quem será. Isso foi assim para que se cumprisse a Escritura, que diz: Dividiram entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica lançaram sortes. Os soldados, pois, fizeram essas coisas.
    25 E junto à cruz de Jesus estava sua mãe, e a irmã de sua mãe, Maria, mulher de Clopas, e Maria Madalena.
    26 Ora, Jesus, vendo ali sua mãe e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse à sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho.
    27 Depois, disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa.
    28 Depois, sabendo Jesus que já todas as coisas estavam terminadas, para que a Escritura se cumprisse, disse: Tenho sede.

    29 Estava, pois, ali um vaso cheio de vinagre. E encheram de vinagre uma esponja e, pondo-a num hissopo, lha chegaram à boca.
    30 E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.

INTRODUÇÃO
Comentário do Blog

Paz do Senhor!

No título da lição está a palavra “salvífico”, que não é usual no nosso dia a dia.

O Dicionário Houaiss da língua portuguesa, ensina-nos que este adjetivo significa “que salva; que oferece salvação.” E tem sua etimologia no latim eclesiástico salvificus – que dá salvação, que salva.

Portanto, o título simplesmente se refere à obra de salvação de Jesus Cristo.

A cruz é o centro da história.

A cruz de Cristo é a centralidade da humanidade. Em Gênesis capítulo 3, narra-nos a queda dos nossos primeiros pais. Mas, já antes fora planejado por Deus que Jesus morreria na Cruz para nos redimir.

Os crentes do antigo passado, então, olhavam em perspectiva. Esperavam por fé a promessa de salvação.

Hoje, nós olhamos em retrospectiva, e cremos na obra expiatória que Jesus efetuou, de uma vez para sempre, por todos nós na Cruz de dor, e recebemos as bênçãos advindas de uma tão grande e eterna obra:

1 – Somos aceitos diante de Deus.

  • “Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que, nele, fôssemos feitos justiça de Deus.” – II Coríntios 5.21.

2 – Somos adotados como membros da família de Deus.

  • “Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que crêem no seu nome.” – João 1.12.

3 – Somos perdoados.

  • “Ele nos tirou da potestade das trevas e nos transportou para o Reino do Filho do seu amor, em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados.” – Colossenses 1.13 e 14.

Ilustrando a centralidade da Cruz, John Sttot escreveu em seu livro “A Cruz de Cristo”:

“Conhece o leitor o quadro de Holman Hunt, líder da Irmandade Rafaelita, intitulado “A Sombra da Morte”? Ele representa o interior da carpintaria de Nazaré. Jesus, nu até a cintura, está em pé ao lado de um cavalete de madeira sobre o qual colocou a serra. Seus olhos estão erguidos ao céu, e seu olhar é de dor ou de êxtase, ou de ambas as coisas. Seus braços também estão estendidos acima da cabeça. O sol da tarde, entrando pela porta aberta, lança, na parede atrás dele, uma sombra negra em forma de cruz. A prateleira de ferramentas tem a aparência de uma trave horizontal sobre a qual suas mãos foram crucificadas. As próprias ferramentas lembram os fatídicos prego e martelo.

Em primeiro plano, no lado esquerdo, uma mulher está ajoelhada entre as aspas de madeira. Suas mãos descansam no baú em que estão guardadas as ricas dádivas dos magos. Não podemos ver a face da mulher, pois ela se encontra virada. Mas sabemos que é Maria. Ela parece sobressaltar-se com a sombra em forma de cruz que seu filho lança na parede.

Os pré-rafaelitas têm fama de serem sentimentais. Contudo, eram artistas sérios e sinceros, e o próprio Holman Hunt estava decidido, conforme ele mesmo disse, a “batalhar contra a arte frívola da época” – o tratamento superficial de temas banais. Ele passou os anos de 1870 a 1873 na Terra Santa, onde pintou “A Sombra da Morte” em Jerusalém, no telhado de sua casa. Embora a idéia historicamente seja fictícia, é, contudo, teologicamente verdadeira. Desde a infância de Jesus, deveras desde o seu nascimento, a cruz lança uma sombra no seu futuro. Sua morte se encontra no centro da sua missão. E a igreja sempre reconheceu essa realidade.”

Veja o quadro “sombra da morte” pintado por Homan Hunt abaixo – note que a sombra projetada na parede, lembra a crucificação.

( Se lhe interessar, o leitor pode ver o quadro também no seguinte endereço: https://www.flickr.com/photos/aronmacedo/6941692381 – em 18 de outubro de 2017, às 16 : 52 horas ).

A salvação de Cristo Jesus alcança três épocas:

1 – Passado –

  • “…e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo pecado.” – I João 1.7.

2 – Presente –

  • “…e eis que eu estou convosco todos os dias, até à consumação dos séculos.” – Mateus 28.20.

3 – Futuro –

  • “Nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus” – Romanos 8.1.

I – O SACRIFÍCIO DE JESUS

1. O sacrifício completo
Comentário do Blog

  • “No dia seguinte, João viu a Jesus que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” – João 1.29.

A menção aos dias é observada neste capítulo primeiro do Evangelho de João: nos versículos 29, 35 e 43: “no dia seguinte”, repete-se nesses três versículos. Conforme o versículo 37 – “Os dois discípulos ouviram-no dizer isso e seguiram a Jesus.” – podendo tratar-se de André e João, concluímos que estes dias sempre estavam marcados na memória do evangelista João.

João Batista proclama: “Eis o Cordeiro de Deus…”

“Eis”, advérbio de ordem incerta, querendo dizer: “Aqui está…”

João Batista viu a Jesus e Ele se tornou seu tema: “Eis o Cordeiro de Deus.”

Pregou para que os ouvintes contemplassem de imediato: “Eis…”

Tão curta pregação, mas com as características de mensagem ungida:

  • 1 – Oportunidade.
  • 2 – Poder.
  • 3 – Fruto.

Certamente há discursos sobre cidadãos importantes para a história do país, para o mundo científico, ou sobre famosos generais vitoriosos em grandes guerras. Mas, são discursos que alegram, porém, não edificam. Não convertem a ninguém. Não transformam a ninguém.

Mas, nós pregamos a Cristo conforme I Coríntios 1.24:

  • 1 – Poder de Deus.
  • 2 – Sabedoria de Deus.

E o fruto da pregação tão abreviada, logo se deu: “…e seguiram a Jesus.” A decisão da escolha deveria ser imediata. Pois o Senhor Jesus passava por ali.

Como estamos seguindo a Jesus? O que nos motiva a segui-Lo?

1 – Multidão – João 6.2 – “E grande multidão o seguia, porque via os sinais que operava sobre os enfermos.”

Estamos seguindo junto com a multidão por causa do que Ele pode fazer? Se os milagres não acontecerem, se a porta não se abrir, se o problema não for resolvido, então desistimos?

2 – Setenta – Lucas 10.1 – “E, depois disso, designou o Senhor ainda outros setenta e mandou-os adiante da sua face, de dois em dois, a todas as cidades e lugares aonde ele havia de ir.”

“E, depois disso…” – Depois do que? Do acontecido no capítulo anterior. Quando Jesus os provou dizendo:

  • “E disse-lhe Jesus: As raposas tem covis, e as aves do céu, ninhos, mas o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça.
    E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá enterrar meu pai.
    Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o Reino de Deus.
    Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa.
    E Jesus lhe disse: Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus.” – Lucas 9. 58 a 62.

Da multidão o Senhor Jesus chamou a setenta. Diminuindo os compromissados com o Reino de Deus. Há quem, se não tiver cargo, função ou algo para fazer na vida da igreja, no ministério, então, não segue a Jesus. Os setenta saíram a fazer algo…

3 – Doze – “E, chegada a tarde, assentou-se à mesa com os doze.” – Mateus 26.20.

Dos setenta, doze foram nomeados, para que estivessem com Ele e os mandasse a pregar e para que tivessem o poder de curar as enfermidades e expulsar os demônios.

Mais do que fazer, somos chamados a estarmos com Jesus. Esta é a nossa primeira chamada: estar com Ele. Marcos 3.13 a 15.

4 – Três – “E, seis dias depois, Jesus tomou consigo a Pedro, a Tiago e a João, e os levou sós, em particular, a um alto monte, e transfigurou-se diante deles.” – Marcos 9. 2.

Porque alcançaram tão elevado gozo de proximidade com o bendito Senhor Jesus? Talvez Mateus 17.8 explique o foco da mente e do coração desses três discípulos: “E, erguendo eles os olhos, ninguém viram, senão a Jesus.”

5 – Um – João 21.20 – “E Pedro, voltando-se, viu que o seguia aquele discípulo a quem Jesus amava, e que na ceia se recostara também sobre o seu peito, e que dissera: Senhor, quem é que te há de trair?”

Dos doze, somente um tinha a intimidade de recostar a cabeça no peito do Senhor Jesus. E este foi João. Somente quem segue a Jesus por amor desinteressado, ou seja, pelo que Ele é, tem revelações como as que João teve.

Aleluia!

O verdadeiro mensageiro do Senhor é como João Batista:

  • 1 – Vê a Jesus, primeiramente, para si mesmo – João 1.33.
  • 2 – Está sempre atento à revelação de Jesus.
  • 3 – Alegra-se de pregar a Jesus, como Aquele que viu, conhece e espera ainda ver.
  • 4 – Prega com simplicidade e confiança na Palavra.
  • 5 – Prega sempre a Jesus e unicamente a Jesus – João 1.35.
  • 6 – Com seriedade e convicção.
  • 7 – Não atrai seguidores a si, mas os conduz a Jesus – João 1.37.

“Eis o Cordeiro de Deus…” – O Cordeiro de Deus era expressão acostumada aos ouvintes que rodeavam a João Batista. Foi o sacrifício original e universal. Os primeiros adoradores citados na Bíblia, foram instruídos a oferecerem um cordeiro. Ora, um cordeiro era o sacrifício da manhã e da tarde.

Isaías 53.7 fez referência ao Cordeiro. João Batista apontou para a realidade. Isaías, crente de dispensação anterior, aguardava. João Batista apontou para a substância, e não mais para a sombra. Que os ouvintes tivessem a mesma fé de Abel, de Abraão e dos santos do Antigo Testamento, que morreram na esperança, porque isso nunca variou: nunca uma alma foi salva, nunca uma alma será salva, senão somente pelo Cordeiro de Deus.

2. O sacrifício meritório
Comentário do Blog

  • Hebreus 10.11 e 12 – “E assim todo sacerdote aparece cada dia, ministrando e oferecendo muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca podem tirar pecados; mas este, havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados, está assentado para sempre à destra de Deus.”

A história da redenção se resume nesta expressão:havendo oferecido um único sacrifício pelos pecados”. Seu amor é incomparável!

Cristo morreu para aniquilar o pecado. Salmo 3.8 – “A salvação vem do Senhor.”

Sua obra de redenção é suficiente para todas as épocas, todos os lugares e todas as pessoas.

Quanto ao presente: “…está assentado para sempre à destra ( a direita – anotação nossa ) de Deus.”

Quanto ao futuro: Cristo tem inimigos que serão subjugados, aos quais são os anjos caídos e os ímpios impenitentes. Nós nos ajoelhamos diante Dele por causa de Seu amor e de Sua verdade. Os pecadores vão se ajoelhar diante da Sua irresistível justiça retributiva.

Meus amados, confiamos na obra expiatória do Calvário, consumada de uma vez para sempre, por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Nós nos apropriamos de Seus méritos, e aceitamos a Sua justiça.

Pelo menos três coisas caracterizam a um crente que se apropria da justiça de Cristo:

  • 1 – Repulsa pelo pecado.
  • 2 – Não vive na prática do pecado.
  • 3 – Espera somente em Cristo.

Por que? Porque os méritos de Jesus Cristo são perfeitos:

  • 1 – Ele conseguiu o que nenhum sistema de sacrifício do passado conseguiu.
  • 2 – Ele cumpriu o sacrifício completo e irrepetível.

Por isso:  Ele descansa de Suas obras, está em elevada honra, e tem a autoridade universal.

Comentando estes versículos de Hebreus, assim expressou Matthew Henry:

“Sob o novo pacto ou sob a dispensação do Evangelho, têm-se o perdão pleno e definitivo. Isto significa uma enorme diferença do novo pacto em relação ao antigo. No antigo, os sacrifícios deviam ser repetidos muitas vezes e, depois de tudo, obtinha-se por eles o perdão que era válido somente neste mundo. Sob a dispensação do novo pacto, bastou um só sacrifício para adquirir o perdão espiritual de todas as nações e em todas as épocas, ou para ser livre do castigo no mundo vindouro. Este pacto é apropriadamente chamado de nova aliança.”

3. O sacrifício remidor
Comentário do Blog

Quão rico é o conceito de salvação no Novo Testamento.

O Senhor Jesus pressupunha a universalidade do pecado e da necessidade do homem, que tinha a sua origem na rebeldia.

  • Mateus 7.23 – “E, então, lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.”
  • Mateus 13.41 – “Mandará o Filho do Homem os seus anjos, e eles colherão do seu Reino tudo o que causa escândalo ( ou seja, que fazem os outros pecarem ) e os que cometem iniquidade.”
  • Mateus 24.12 – “E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará.”

O Senhor Jesus os compara a doentes, pois a iniquidade adoece a alma:

  • Marcos 2.17 – “E Jesus, tendo ouvido isso, disse-lhes: Os são não necessitam de médico, mas sim os que estão doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores.”

O pecado causa definhamento de dentro para fora. Mateus 12.35 – “O homem bom tira boas coisas do seu bom tesouro, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más.”

O pecado deixa o homem em dívida para com Deus. Mateus 6.12 – “Perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores.”

Diante deste triste quadro, o Senhor Jesus chama a todos ao arrependimento.

  • Marcos 1.15 – “E dizendo: O tempo está cumprido, e o Reino de Deus está próximo. Arrependei-vos e crede no evangelho.”

O sacrifício remidor de Jesus alcança, primeiramente, a absolvição, diante da justa condenação, porque tem por base tal sacrifício expiador realizado por Ele.

  • Romanos 3.21 e 22 – “Mas, agora, se manifestou, sem a lei, a justiça de Deus, tendo o testemunho da Lei e dos Profetas, isto é, a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo para todos e sobre todos os que crêem; porque não há diferença.”

Por segundo, o sacrifício remidor de Jesus abrange a libertação mediante a presença do Espírito Santo, operando a santificação.

A fé que aceita a morte de Cristo em nosso lugar e que concorda com ela, também nos une a Ele de modo tão estreito que com Ele morremos para o pecado e ressuscitamos para a nova vida.

  • Romanos 6.1 e 2 – “Que diremos, pois? Permaneceremos no pecado, para que a graça seja mais abundante? De modo nenhum! Nós que estamos mortos para o pecado, como viveremos ainda nele?”

O sacrifício remidor de Jesus nos traz salvação:

  • 1 – Quanto ao passado: da condenação do pecado.
  • 2 – Quanto ao presente: do poder / presença do pecado.
  • 3 – Quanto ao futuro: do corpo do pecado.

Geziel Gomes:

“Cristo, o salvador perfeito.

  • “Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, vivendo sempre para interceder por eles.” – Hebreus 7.25.

I – As profecias sobre Cristo são perfeitas.

  • Sobre Seus sofrimentos – Salmo 22.1,3,7 e 8.
  • Sobre Sua solidão – Salmo 22.1
  • Sobre Sua morte – Salmo 22.18.

II – Seu sacrifício é perfeito.

  • Um sacrifício eterno – Hebreus 9. 11 e 12.
  • Um sacrifício que não se repete – Hebreus 10, versículos 10 e 12.
  • Um sacrifício universal – João 3.16.

III – Sua salvação é perfeita.

  • Salvação grande – Hebreus 2.3
  • Salvação eterna – Hebreus 5.9
  • Salvação perfeita – Hebreus 7.25.”

II – A NOSSA RECONCILIAÇÃO COM DEUS PAI

1. O fim da inimizade

2. A eliminação da causa da inimizade
Comentário do Blog

  • “E tudo isso provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados, e pôs em nós a palavra da reconciliação.” – II Coríntios 5.18 e 19.

Reconciliação – grego katallagé, significando: restauração para favorecer. Cristo trocando Sua justiça por nossa culpa. Porque esta palavra tem também a acepção dos negócios de troca, de câmbio de dinheiro, de troca de valores equivalentes. Um ajuste de diferença ( Strong ).

Na teologia do Novo Testamento, trata-se da restauração do favor de Deus aos pecadores que se arrependem e depositam sua confiança na morte expiatória de Cristo ( Léxico Grego de Thayer ).

Ocorre 4 ( quatro ) vezes no Novo Testamento.

Neste versículo há a doutrina da reconciliação. Tudo que o crente pode desejar é encontrado aqui quando diz “tudo isso”. Mas, mesmo esta expressão isolada não é abrangente o suficiente. Todavia, o versículo contém a revelação ainda maior: “provém de Deus.” Para quem tem sede, há aqui rios que não se esgotam! Para quem se sente em pobreza espiritual, há aqui riquezas inesgotáveis.

O fato da nova criação em Cristo Jesus, do versículo anterior – II Coríntios 5.17 – “Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é: as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.” – Revela que todas as coisas se fizeram novas na nova criação da graça de Deus, por meio de Jesus Cristo:

1 – Novo pensamento – provém de Deus;

2 – Nova força – provém de Deus;

3 – Novos privilégios – provém de Deus.

Quais são os novos privilégios? Perdão, regeneração, adoção, justificação, santificação, comunhão.

4 – Nova maneira de agir – provém de Deus.

O mártir que foi queimado na fogueira… como pode aventurar-se até à morte? “E tudo isso provém de Deus…”

O crente bondoso, o que atende as desgraças dos outros, o poderoso na vida de oração, o diligente no serviço? “E tudo isso provém de Deus…”

Não há no homem nenhuma virtude própria, nenhum mérito próprio, nenhum merecimento próprio.

Lucas 2.14 – “Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens.” A boa vontade é de Deus para com os homens. Os homens, de nós mesmos, nunca tivemos boa vontade para com Deus.

  • João 3.27 – “…O homem não pode receber coisa alguma, se lhe não for dada do céu.”

H. Spurgeon:

“A excelência desta doutrina está em que:

  • 1 – Obriga o homem a pensar;
  • 2 – Desperta entusiasmo ao que crer;
  • 3 – Humilha ao homem;
  • 4 – Oferece consolação ao coração perturbado.

Se todas as coisas são de Deus, não permita que as tempestades desta vida lhe sejam por barragem e causem terror.

  • 5 – É bênção ao pecador.

A quem está nu, o manto no qual se veste, é de Deus. Ao imundo, a lavagem é de Deus. Ao indigno, o merecimento vem de Deus. Ao culpado, o perdão é de Deus. Tudo que o homem está convidado pelo Evangelho a fazer é receber! Venha com o seu vaso vazio, e o mantenha em direção à fonte que flui de Deus.”

Portanto, a reconciliação vem Dele também! Deus é o autor da reconciliação.

O que a reconciliação é?

Para respondermos, concordamos que para haver reconciliação, houve inimizade. Da parte do homem, esta inimizade tem origem no pecado. Da parte de Deus, a partir da justiça de Sua natureza santa.

  • Salmo 5.5 e 6 – “Os loucos não pararão à tua vista; aborreces a todos os que praticam a maldade. Destruirás aqueles que proferem a mentira; o Senhor aborrecerá o homem sanguinário e fraudulento.”

Deus é o autor da reconciliação, mas ninguém está reconciliado com Deus até que esteja em conformidade com as condições oferecidas por Deus. II Coríntios 5. 19 – “Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando o mundo…” Para se reconciliar com Cristo, deve-se estar em Cristo!

Sendo Deus a primeira causa de todas as coisas, Ele é a primeira causa de Sua mais incomparável obra. Nenhuma criatura poderia iniciar este trabalho.

A reconciliação tem algumas premissas gerais:

1 – Reconciliar é trazer graça e comunhão, pois alguma brecha de ofensa foi feita.

2 – A reconciliação é mútua. Deus está reconciliado conosco, e nós com Deus.

A Bíblia diz-nos que o homem era inimigo de Deus. E da parte de Deus, manifesta-se a ira contra o pecado e contra o pecador.

  • Romanos 5.10 – “Porque, se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.”
  • Efésios 2.3 – “Entre os quais todos nós também, antes, andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como os outros também.”
  • Salmo 7.11 – “Deus é um juiz justo, um Deus que se ira todos os dias.”

Eliminada, pela reconciliação, a causa da inimizade, então a paz com Deus traz:

1 – Acesso com ousadia à presença de Deus – Romanos 5.2 – “Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes.”

2 – Livre acesso ao céu – Efésios 2.18 – “Porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um mesmo Espírito.”

3 – Aceitação de nossa pessoa – Efésios 1.6 – “Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado.”

4 – Santificação de tudo que somos em Cristo – I Coríntios 3.23 – “E vós, de Cristo, e Cristo, de Deus.”

5 – A promessa do céu – Romanos 5.10 – “Porque, se nós, sendo inimigos, fomos reconciliados com Deus pela morte de Seu Filho, muito mais, estando já reconciliados, seremos salvos pela sua vida.”

Em Cristo nós fomos reconciliados com Sua sabedoria, justiça, santificação e o Seu plano de redenção.

  • I Coríntios 1.30 – “Mas vós sois dele, em Jesus Cristo, o qual para nós foi feito por Deus sabedoria, e justiça, e santificação, e redenção.”

3. A vivificação
Comentário do Blog

  • Efésios 2.1 e 5
    “E vos vivificou, estando vós mortos em ofensas e pecados.
    Estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo ( pela graça sois salvos ).”

Ofensas é traduzido em algumas edições da Bíblia, como transgressão. E de fato, é uma de suas acepções.

Em geral, estas duas palavras – ofensas e pecados – estão mais frequentemente usadas separadamente nas cartas paulinas. Mas, aqui são reunidas e expressam o drama da Queda. Pecados, assim mesmo no plural, denota os princípios universais do mal, enquanto ofensas, aponta o fracasso em atos exteriores até mesmo daqueles que não estão necessariamente fora do caminho reto. Tanto que ofensa, do grego paraptoma, significa ´cair de lado´, ´deslizar´. No sentido moral dos pecados deliberados e específicos.

“E vos vivificou…” está em conexão com a ressurreição do Senhor Jesus Cristo e Sua exaltação à direita de Deus Pai.

  • Colossenses 2.12 e 13 – “Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dos mortos. E, quando vós estáveis mortos nos pecados e na incircuncisão da vossa carne, vos vivificou juntamente com ele, perdoando-vos todas as ofensas.”
  • Colossenses 3.1 – “Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus.”

“…estando vós mortos…”, ou seja, desprovidos de vida espiritual e eterna. O estado de quem está inimigo de Deus, irreconciliado, tem analogia com a morte física.

C.H. Spurgeon – “Agora, esforce-se, até onde você pode esforçar, a ter a imaginação de um cadáver, de um morto. E quando você fizer isso, comece a entender que esta é a metáfora no texto para restabelecer a condição de sua alma por natureza. Assim como o corpo, de minha proposta de imaginação, está morto e incapaz, insensível e prestes a tornar-se corrupto e putrefato; assim também nós, se estamos fora da graça de Deus, mortos em ofensas e pecados, tendo em nós a morte espiritual, que é capaz de degradar-se em piores pecados e maldades, até que todos nós, alienados da graça de Deus, tornamo-nos repugnantes. Repugnantes pelo pecado e pela maldade, assim como o cadáver se torna através da corrupção natural.

Compreenda que, pela doutrina das Escrituras, o homem por natureza, desde a Queda, está morto. Então, ele é coisa corrupta e arruinada. Em sentido espiritual, totalmente e completamente morto. E se algum vem à vida, isto é, pelo poder vivificador do Espírito Santo, que nos é concedido soberanamente pela boa vontade de Deus, sem nenhum mérito nosso, mas inteiramente pela Sua graça abundante e transbordante.”

A vivificação se ilustra, para trazer uma réstia de luz a este sub tópico, no drama de Jacó no vale de Jaboque – Gênesis 32.22 a 32. Porque a questão é de natureza, de ser velha criatura, e esta natureza e criatura é, sem comunhão e submissão a Deus, espiritualmente morta. Em comunhão e em submissão, é vivificado!

  • Gênesis 32.24 – “Jacó, porém, ficou só; e lutou com ele um varão, até que alva subia.”

O homem ouve a pregação do Evangelho da verdade, e luta contra a sua mais extrema necessidade. Como se pudesse se dar bem indo contra o curso da vontade de Deus…

  • Gênesis 32.25 – “E, vendo que não prevalecia contra ele, tocou a juntura de sua coxa; e se deslocou a juntura da coxa de Jacó, lutando com ele.”

Por primeiro, permita-me dizer ao ilustre leitor, que se quebrar, é preferível quebrar-se nas mãos do Oleiro. Jeremias 18.4 – “Como o vaso que ele fazia de barro se quebrou na mão do oleiro…”

Por segundo, observemos que o Senhor tocou na musculatura mais forte do corpo humano. E não é isto o necessário, muitas vezes, que o toque criador de Deus nos atinja onde julgamos mais fortes? A operação da autoridade de Deus em nossa vida exige submissão.

Eis as bênçãos de nova vida para Jacó:

  • 1 – Um novo nome – Gênesis 32.27 e 28.
  • 2 – Uma nova bênção – versículos 26 e 29.
  • 3 – Um novo dia – nasceu-lhe o sol – versículo 31.
  • 4 – Um novo sinal da nova vida – versículo 31.
  • 5 – Uma nova maneira de andar – versículo 31.

Antes do vale de Jaboque, Jacó conversava demais. Porque o enganador depende de muito falar para conseguir seus intentos. Depois do encontro com Deus, da nova vida de comunhão com o Senhor, Jacó fala menos. O encontro de Jacó, agora Israel, com o Faraó no Egito, é ilustrativo demais de sua nova vida. Ele abençoa a Faraó!

  • Gênesis 47.7 – “E trouxe José a Jacó, seu pai, e o pôs diante de Faraó; e Jacó abençoou a Faraó.”

A lição da revista termina assim enfatizando este tópico especificamente:

“…a maior consequência da vivificação espiritual é a disposição de pregar o Evangelho.”

III – A REDENÇÃO ETERNA

1. O estado perdido do pecador

2. A redenção do pecador

3. Uma redenção plena

Comentário do Blog

  • João 8.34 – “Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado.”

O pecado resultou de um ato de desobediência responsável por parte de Adão. Não foi um acidente inesperado. Foi deliberado.

Todos somos pecadores. Não há como negar esta realidade. E nosso pecado nos separa de Deus, impossibilita-nos de ter paz, aproximação e comunhão com Ele.

  • Isaías 59.2 – “Mas as vossas iniquidades fazem divisão entre vós e o vosso Deus, e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça.”

Sabemos que há algo, ainda que não saibamos definir adequadamente, antes de ter a revelação das Escrituras, dentro de nós que nos inclina e nos motiva e até obriga ao mal. Segundo as Escrituras, este ´algo´ é o pecado.

  • Romanos 7.18 a 20 – “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e, com efeito, o querer está em mim, mas não consigo realizar o bem.
    Porque não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço.
    Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim.”

Este pecado interior que nos obriga e induz, resulta em atos pecaminosos individuais e específicos, que são cometidos exteriormente.

Pecado está relacionado ao nosso homem natural.

Pecados estão relacionados à nossa conduta.

  • Êxodo 4.6 e 7 – “E disse-lhe mais o Senhor: Mete agora a mão no peito. E, tirando-a, eis que sua mão estava leprosa, branco como a neve.
    E disse: Torna a meter a mão no peito. E tornou a meter a mão no peito; depois, tirou-a do peito, e eis que se tornara como a sua outra carne.”

Este trecho bíblico é ilustrativo do que mencionamos acima. Moisés, por ordem do Senhor, põe a mão no peito, ou seja, na altura do coração. E ao estendê-la, está leprosa. Na Bíblia, lepra é símbolo do pecado. O coração simboliza o que somos. A mão, o que fazemos. Fazemos porque somos. Primeiramente, há o pecado interior ( coração ). Exteriormente, os pecados de conduta ( mão ).

  • Mateus 15.19 – “Porque do coração procedem os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias.”

“Se quisermos fazer uma distinção clara entre pecado e pecados, há uma parte nas Escrituras que precisamos considerar. São os primeiros oito capítulos do livro de Romanos. Esses oito capítulos mostram-nos o significado pleno do pecado. Nesses oito capítulos encontramos uma característica notável:

Do  capítulo 1 ao 5.11, somente a palavra pecados ( no plural ) é mencionada; e pecado ( no singular ) jamais é mencionado. Mas em 5.12 até o final do capítulo oito, o que encontramos é pecado ( no singular ), e não pecados ( no plural ).

Do capítulo 1 até 5.11, Romanos nos mostra que o homem tem cometido pecados diante de Deus.

De 5.12 em diante, Romanos nos mostra que tipo de pessoa o homem é diante de Deus.

Ele é um pecador diante de Deus. Pecado refere-se à vida adâmica que possuímos.

Antes de Romanos 5.12, nenhuma menção há dos mortos sendo vivificados, pois o problema ali não é que alguém precise ser vivificado, mas que os pecados individuais que alguém tem cometido precisam ser perdoados.

De 5.12 em diante, temos a segunda seção.

Aqui vemos algo forte e poderoso dentro de nós como uma lei em nossos membros, que é o pecado, que nos induz e obriga a cometer atos pecaminosos, isto é, os pecados. Portanto, aqui há necessidade de sermos libertados.” ( Watchman Nee )

  • Jeremias 7.3 – “Melhorai os vossos caminhos e as vossas obras.”

Caminhos aqui é o que somos. Obras é o que fazemos.

Pecado é o que somos. Nossa natureza. Pecados é o que fazemos. Nossa conduta.

Pecado está na natureza caída do homem. Pecados estão nos costumes diários do homem.

“No Novo Testamento, Jesus retratou a vida humana ideal como a vida de comunhão com Deus. O pecado é a falta dessa comunhão. Jesus localiza a fonte do pecado no intento íntimo dos homens. O pensamento pecaminoso, em sua qualidade, é igual ao ato realizado. Dessa maneira, Jesus aprofundou muito o senso de culpa. O padrão elevadíssimo de Sua própria vida tornou-se a medida de obrigação do homem, e, ao mesmo tempo, o critério do julgamento contra o pecado e a culpa.” ( Edgar Young Mullins ).

Enfim:

  • 1 –  As Escrituras declaram;
  • 2 – A observação descobre;
  • 3 – A experiência humana comprova o fato do pecado.
  • Gálatas 4. 4 e 5 – “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei, para remir os que estavam debaixo da lei, a fim de recebermos a adoção de filhos.”
  • Mateus 20.28 – “Bem como o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos.”

A palavra “resgate” deriva das transações efetuadas entre os homens, como a libertação de um cativo mediante o pagamento do resgate, ou a soltura de um devedor encarcerado, ao liquidar sua dívida.

Pressupõe o livramento por meio de um substituto, de um incapacitado de efetuar seu próprio livramento. A restauração resulta do pagamento do resgate.

Cristo remiu-nos da maldição imposta por uma lei desobedecida, ao fazer-se maldição em nosso lugar. Sua morte foi o preço do resgate que foi pago. ( Emery Brancoft ).

Scofield:

“A verdade completa é revelada nas três palavras que geralmente são traduzidas por ´redenção´ –

primeira é agorazo, isto é, ´adquirir no mercado´. Os objetos da redenção estavam vendidos ´à escravidão do pecado´ – Romanos 7.14 – “…vendido sob o pecado.” – Mas, além disso, estavam sob sentença de morte – Ezequiel 18.4 – “A alma que pecar, essa morrerá.” – João 3.18 – “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.”

E o preço da compra foi o sangue do Redentor, que morreu em lugar deles – Mateus 20.28 – “Bem como o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida em resgate de muitos.”.

segunda palavra é exagoraso, ou seja, ´comprar retirando do mercado´ – Gálatas 3.12 – “Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós.” Os remidos nunca mais serão passíveis de venda.

terceira palavra é lutroo – Efésios 1.7 – “Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça.” – I Pedro 1.18 – “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que, por tradição, recebestes dos vossos pais.” – Romanos 3.24 – “Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus.”  – cujo sentido é ´libertar´, ou ainda, ´soltar mediamente pagamento´. A redenção é efetuada por sacrifício e por poder – Êxodo 14.30 – “Assim, o Senhor salvou Israel naquele dia da mão dos egípcios.”

Cristo pagou o preço, e o Espírito Santo torna real o livramento, na experiência pessoal.”

CONCLUSÃO
Comentário do Blog

“Deus não quer algo de nós, Ele simplesmente nos quer…” – C. S. Lewis.

Pastor Eliel Goulart


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada