Buscar esboços

Nossos Esboços

CPAD Adultos – 2º Trimestre de 2017 – 14/05/2017 – Lição 7: Rute, uma mulher digna de confiança

11/05/2017

Este post é assinado por: Pastor Eliel Goulart

Texto Áureo

“[…] porque, aonde quer que tu fores, irei eu e, onde quer que pousares à noite, ali pousarei eu; o teu Deus é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus.” ( Rute 1.16 )

Verdade Prática

     Deus usou Rute, quebrando todas os paradigmas raciais, para torná-la parte da linhagem do Messias.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

Rute 1.11, 14 a  18
11 Porém Noemi disse: Tornai, minhas filhas, por que iríeis comigo? Tenho eu ainda no meu ventre mais filhos, para que vos fossem por maridos.
14 Então, levantaram a sua voz e tornaram a chorar; e Orfa beijou a sua sogra; porém Rute se apegou a ela.
15 Pelo que disse: Eis que voltou tua cunhada ao seu povo  e aos seus deuses; volta tu também após a tua cunhada.
16 Disse, porém, Rute: Não me instes para que te deixe e me afaste de ti; porque, aonde quer que tu fores, irei eu e, onde quer que pousares à noite, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus.
17 Onde quer que morreres, morrerei eu e ali serei sepultada; me faça assim o Senhor e outro tanto, se outra coisa que não seja a morte me separar de ti.
18 Vendo ela, pois, que de todo estava resolvida para ir com ela, deixou de lhe falar nisso.

INTRODUÇÃO
Comentário do Blog

Num período de anarquia da história de Israel, conforme demonstra o livro anterior, Juízes – Juízes 21.25: “Naqueles dias, não havia rei em Israel, porém cada um fazia o que parecia reto aos seus olhos.”

Em termos cronológicos, os fatos registrados no pequeno livro de Rute – 4 capítulos e 85 versículos – aconteceram no governo de Gideão ou de Jefté. Rute 1.1: “… nos dias em que os juízes julgavam…”

Por suposição, os judeus afirmam que o profeta Samuel seja o autor.  Mas, não é afirmação definitiva, pois por fim ninguém sabe com certeza. Há até quem cite Isaías como seu autor.

Desconhece-se também quando foi escrito e onde. Por dedução, acredita-se que foi escrito na Palestina.

Era lido durante a Festa de Pentecoste, a festa da colheita. E narra uma história agradável, qual um oásis no deserto árido após o livro tão triste de Juízes, época de degradação moral. O livro de Rute é testemunho precioso de que, mesmo em meio ao caos geral, há quem glorifique a Deus sendo exemplo de piedade, altruísmo e amor.

Arthur T. Pierson escreveu: “Esta é uma das maiores recompensas de se conhecer verdadeiramente as Escrituras. Nenhum outro livro mostra-se uma mina de tesouros preciosos tão inesgotáveis para aqueles que se dispõem a aprofundar-se nele. O crente mais humilde pode encontrar um tesouro jamais desenterrado por outro; é algo, então, especialmente seu.”

Há dois livros na Bíblia que tem como título o nome de uma mulher: Rute e Ester.

J. Sidlow Baxter observa um curioso contraste entre ambos os livros enquanto “Rute é uma jovem gentia levada para viver entre os hebreus, que se casa com um judeu da linhagem real de Davi. Ester é uma jovem judia levada para viver entre gentios, que se casa com um gentio, rei de um grande império.”

O livro de Rute é o único e singular narrativa inteira sobre uma mulher.

I – RUTE, UM RESUMO DE SUA ORIGEM

1. Uma estrangeira
Comentário do Blog

Rute – “amizade, companheira” – ( Todas as Pessoas da Bíblia ).

Com o que concorda Strong – “amizade” – uma moabita, nome próprio feminino, e antepassada do rei Davi.

Interessante registrar o significado dado por John D. Davis: “Vistosa”.

De sua origem, se destaca que era moabita. E tal informação surpreende quando lemos Deuteronômio 23.3: “Nenhum amonita ou moabita entrará na congregação do Senhor; nem ainda a sua décima geração entrará na congregação do Senhor, eternamente.”

E a explicação quanto a este mandamento está em Números 20.21: “Assim, recusou Edom deixar passar a Israel pelo seu termo; pelo que Israel se desviou dele.”

Amom e Moabe trataram a Israel, na peregrinação no deserto, com hostilidade. E até contrataram a Balaão para amaldiçoa-los. Esta maldição se voltou contra eles, e foram impedidos de entrar na assembléia de Israel, assim excluídos para sempre. Deuteronômio 23.5: “…antes, o Senhor, teu Deus, trocou em bênção a maldição…”

James Edwin Orr, pregador batista nascido na Irlanda, escreveu um artigo sobre “Os excluídos da congregação”, baseando-se em Deuteronômio 23.1 a 8. Diz ele: “Não pode haver paz e prosperidade nenhuma para aqueles que hostilizam o Reino de Deus. A hostilidade ao povo de Cristo é hostilidade ao próprio Cristo – Atos 9. 4 e 5: “E, caindo em terra, ouviu uma voz que lhe dizia: Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues. Duro é para ti recalcitrar contra os aguilhões.” –  e isso reage fatalmente com a alma – Mateus 21.44: “E quem cair sobre esta pedra despedaçar-se-á; e aquele sobre quem ela cair ficará reduzido a pó.” Atrai sobre ela a indignação de Deus, e termina na exclusão final do céu.”

2. Como Rute vinculou-se a uma família israelita
Comentário do Blog

O fato de o chefe da família, Elimeleque, juntamente com sua esposa Noemi, e seus dois filhos, Malom e Quiliom, sairem de Israel e irem aos campos férteis de Moabe, era uma desobediência ao essencial da Lei de Deus, dando pouco valor à terra da promessa.

Certamente não lhe faltariam argumentos para explicar tal imigração. Sair de Israel, e especificamente de Belém – “Casa do Pão” – onde o Deus verdadeiro era adorado, e ir para a terra da idolatria do deus Quemos – a principal deidade da terra de Moabe – os moabitas são chamados de “povo de Quemos” – Números 21.29: “Ai de ti, Moabe! Perdido és, povo de Quemos!” – Talvez justificaria pela pressão extrema da fome.

Salmo 78.19 – “Poderá Deus, porventura, preparar-nos uma mesa no deserto?” E os crentes, povo da fé, responde: Sim, Deus pode preparar-nos mesa no deserto! Não precisamos fugir para os métodos e argumentos do mundo. Romanos 12.2: “E não vos conformeis com este mundo…”

Elimeleque, inicialmente, tinha a intenção de peregrinar ali. Ou seja, não de habitar, mas o plano era uma temporada, até que a fome passasse. Porém, Rute 1.4, parte final: “E ficaram ali quase dez anos.”  

Salmo 137.4: “Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estranha?”

Porém, apesar das dúvidas de Elimeleque, o Senhor do mal tirou o bem, como veremos adiante.

3. Em direção à terra de Judá
Comentário do Blog

O importante neste tópico é destacar o retorno de Noemi para a terra de Israel.

Considere que os dez anos de ausência, não foram capazes de abalar a fé de Noemi. Dez anos longe da terra, mas a terra de Seu Deus não estava longe de seu coração. Numa terra de idolatria terrível, levada pela submissão a seu marido, ela manteve em si o culto ao Senhor Deus verdadeiro.

Faz-nos lembrar de Noé – Gênesis 6.9: “Noé era homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos.”

Lamentável constatar que a crença e o testemunho de muitos crentes destes nossos dias, não resistem a quatro ou cinco anos de uma faculdade, ou uma viagem de centenas de quilômetros para trabalharem em lugar distante da igreja de sua comunhão…

Noemi, em meio a influências hostis ao povo de Deus, dependia de sua fé inabalável. Ela foi aprovada em prova difícil de dez anos. E voltou a sua terra, a terra da promessa.

Saudoso pregador costumava falar: “Quando nós começamos, Deus começa conosco”. Em direção ao que é agradável a Ele. O início do versículo – Rute 1.6 –  que diz ´se levantou ela´. Os passos obedecendo o que já se estabeleceu no coração. Há uma frase cristã que muito bem incentiva: “Ponha ação na sua fé.”

II – O CUIDADO DE NOEMI E O CARÁTER DE RUTE

1. Um amor sincero e profundo
Comentário do Blog

Rute 1.14 – “Porém Rute se apegou a ela.”

Hebraico ´dabaq´ – agarrar ( Strong ). Significando também ´manter-se perto´, ´ficarem unidos´. É a mesma palavra usada em Gênesis 2.24 – “Portanto, deixará o varão o seu pai e a sua mãe e apegar-se-á  ( dabaq ) à sua mulher…”

Portanto, Rute não se separaria dela. Distingo aqui, para brilho maior do caráter de Rute, a decisão de Orfa.

A cunhada de Rute, chamada Orfa, voltou ao seu povo e aos seus deuses – Rute 1.15. Não a censuro. Minha esperança é que dez anos de convivência com a sogra Noemi, tenham sido suficientes para consolidar em seu interior, a moralidade superior do povo de Israel, pelo testemunho de Noemi. Imagino a Orfa testemunhando da bondade elevada do Deus gracioso de Israel, aos seus parentes e as suas amizades em Moabe.

Ela me parece afetuosa. Foi elogiada por sua sogra em Rute 1.8. Ela foi parte do caminho com Noemi, demonstrando preocupação humana e chorou com afeto natural na separação.

Porém, três observações destacou Aubrey C. Price:

1 – É possível ir longo caminho no cristianismo e não ser cristão
Conviver com cristãos, nascer em um lar cristão e ter amizades cristãs são grandes bênçãos. Mas, não fazem da pessoa um cristão. Sentimentos cristãos são frutíferos quando brotam de uma fé viva em Cristo Jesus. Sem isso, são inúteis.

2 – É possível enganar-nos a nós mesmos, sinceramente pensando estarmos na verdade, quando estamos sinceramente errados
Orfa não nos parece hipócrita. Ela foi uma prosélita. Não se converteu plenamente e conscientemente. Amava seu marido. Mas o amor a Deus não foi soberano em seu coração. Enganou-se. A religião emocional confunde-se com a verdadeira piedade vital. Qual a semente semeada em pedregais, comparando quem ouve a palavra e até a recebe com alegria, mas não tem raiz em si mesmo – Mateus 13.20 e 21.

3 – A religião não salva. A fé perseverante alcança salvação

I Pedro 1.9: “Alcançando o fim da vossa fé, a salvação da alma.”

Mera convencimento de crença é diferente demais do fruto de uma fé viva. Trazida pelas circunstâncias até a fronteira da decisão entre a morte e a vida, retrocedemos? Não podemos parar na conversão. Lembremos que Balaão profetizou. Em Atos 24 Félix tremeu. Judas sentou-se a mesa da Ceia com o Senhor. Retrocederam. Pereceram.

Mateus 24.13: “Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo.”

2. O caráter amoroso de Rute

a ) Um caráter amoroso e confiante

b ) Um caráter fortalecido na fé em Deus

c ) Um caráter decidido e firme
Comentário do Blog

Rute 1.16 e 17 há expressão do amor sacrifical da nora Rute para com a sogra Noemi.

Dez anos de convivência com Noemi, e as duas noras aprenderam a amá-la. Querem segui-la no retorno a Israel. Orfa, como comentamos acima, vai parte do caminho. Rute não se separa de Noemi.

Ambas, conheceram o Deus Todo Poderoso no relacionamento e na casa de Noemi. Noemi também as ama. E Rute decide a deixar tudo para seguir com Noemi até Belém.

Rute 1.16 e 17 são dos versículos mais nobres da Bíblia. Nada, senão a morte, poderia separá-las.

Em Rute 1.9 Noemi diz as noras: “O Senhor vos dê que acheis descanso cada uma em casa de seu marido.” A palavra ´descanso´ aqui, em hebraico é menuchah ( Strong ). Tem sentido de abrigo de segurança no casamento. Expressão comum no Oriente antigo, pois o marido era referido como o menuchah da mulher, o seu abrigo seguro. Numa época de tantas inseguranças para a mulher, somente na casa do marido, a mulher encontrava proteção, refúgio e respeito.

Talvez fosse isso que Noemi tinha em mente quanto tanto insistiu para as duas noras voltarem a casa de suas mães.

E a proteção e segurança não seriam encontradas em Israel, pois a lei proibia o casamento dos israelitas com estrangeiros.  A possibilidade de encontrarem segurança num marido era fora de expectativa. O futuro seria difícil demais para elas, nesses termos, na terra de Israel.

Assim, destaca-se mais o caráter de amor sacrificial de Rute, sabendo do preço que pagaria, deixou tudo para trás e se apegou a Noemi, somente por causa dela!

Mateus 19.27: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos.”

Rute 1.16 – “Teu Deus é o meu Deus”.

Salmo 48.14: “Porque este Deus é o nosso Deus para sempre; ele será nosso guia até à morte.” Este é o caráter distintivo do crente fiel.

“Teu povo é o meu povo” – O coração de Rute se volta ao povo de Deus. Ela entra para a história da linhagem piedosa. Seu nome está em Mateus 1.5, ou seja, na geração de Jesus Cristo. Juntamente com outras três mulheres, quais sejam, Tamar, Raabe e Rute. A primeira envolveu-se com seu próprio sogro, num escândalo sexual, gerando a Perez e a Zerá. A segunda, sendo estrangeira e meretriz em seu passado, gerou a Salmon. E Rute, a moabita que não poderia entrar na congregação de Israel, gerou a Obede. Por que tais mulheres estão citadas na genealogia de Jesus Cristo em Mateus capítulo 1º? Porque seus corações se voltaram para Deus. Mateus 1.1 está escrito: “Livro da geração de Jesus Cristo…”. Estavam gerando a Jesus no plano eterno de Deus. “Teu povo é o meu povo”. A herança do povo de Deus agora é a herança de Rute.

Sobre Rute 1.16 comentou Charles Haddom Spurgeon, o príncipe dos pregadores:

“A AFEIÇÃO PARA O DEUS DEVE INFLUENCIAR-NOS PARA A PIEDADE. Muitas forças se combinam para fazer isso.

1. Existe a influência da companhia.

2. A influência da admiração. Vamos, portanto, copiar os santos.

3. A influência da instrução. Quando aprendemos com um professor, somos afetados por ele de muitas maneiras. A instrução é um tipo de formação.

4. A influência da reverência. Aqueles que são mais velhos, sábios e melhores que nós criam em nós um profundo respeito, e nos levam a seguir seu exemplo.

5. A influência do desejo de animá-los.

6. A influência do medo da separação. Será uma coisa terrível ser eternamente dividido dos queridos que procuram nossa salvação.”

Vamos perseverar na linhagem do povo de Deus, indo para onde eles estão indo.

III – COMO RUTE ENTROU NA GENEALOGIA DE JESUS

1. Rute chega a Belém

2. Rute atrai a atenção de Boaz

3. Rute casa com Boaz
Comentário do Blog

Como comentamos no tópico anterior, Rute entra para a história do povo de Deus, com sua decisão de seguir a Noemi, na volta a terra de Israel. Ela era moabita, povo descendente de Ló. Geração do maior escândalo sexual narrado na Bíblia. No plano eterno de Deus, ao voltar seu coração para o povo do Senhor, e entrar para a história da linhagem piedosa, Rute é conduzida a Belém e termina esposa de Boaz. Graça, maravilhosa graça de Deus! Ele inclui na família de Cristo, pessoas como eu e você. E Davi teve por bisavó uma moabita e por bisavô um meio cananeu, haja vista que Boaz era filho de Raabe, a meretriz de Jericó. E todos estão na geração de Jesus Cristo em Mateus capítulo 1.

Tito 2.11: “Porque a graça de Deus se há manifestado, trazendo salvação a todos os homens.”

E por fim, entrou na genealogia de Jesus Cristo, conforme lemos em Mateus 1.5.

A história que teve começo de fome, morte e luto, chega agora a alegria e celebração da vida. Narradas nos capítulos 2 a 4 do livro de Rute.

Aqui se cumpre o versículo de Salmo 30.5: “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.” A amargura de Noemi é substituída pela doçura na vida dela, em Rute 4.16, quando ela tomou o filho de Rute e Boaz, e o pôs em seu colo e foi sua ama. O menino se chamou Obede. Pai de Jessé, pai de Davi… Aleluia!

Aqui volto a citar os comentários de J. Sidlow Baxter, quanto aos aspectos da tipologia no livro de Rute:

“A nosso ver, não é preciso uma percepção muito aguçada para deduzir de tudo isto uma belíssima coerência de ensino de tipos relativos a Cristo e à Igreja. Talvez haja maior ênfase sobre Rute; todavia, os paralelos tipológicos acham-se perfeitamente definidos no caso de Boaz. Ao agir como resgatador, ele deve manifestar as três qualificações principais e indispensáveis; ou seja, ele deve ter o direito de resgatar o poder para resgatar e a vontade de resgatar. Cristo, como nosso Parente Resgatador, tem o direito por ser nosso verdadeiro Parente, o poder de ser Filho de Deus, e a disposição graciosa. Nosso Boaz celestial não remiu para nós apenas o estado perdido por Elimeleque – um bem terreno. Ele fez de nós Sua noiva, a fim de compartilharmos para sempre com Ele de Sua vida, Seu lar, Sua riqueza e Suas alegrias eternas. Gozamos nEle mais bênçãos do que as que nosso pai Adão perdeu, privando-nos delas!” ( Examinais as Escrituras – Volume 2 – Vida Nova ).

CONCLUSÃO
Comentário do Blog

A união de Boaz com Rute e todos os acontecimentos narrados nesses 4 capítulos do livro de Rute, demonstram o amor, a graça e a misericórdia de nosso Deus.

Talvez o mais brilhante e impressionante caso do derramar da graça de Deus em toda a Bíblia. O que Rute alcançou faz-nos aprender que o crente nunca tem falta do que precisa quando possui as riquezas da graça de Deus em Cristo Jesus. Charles Hodge disse certa vez que “as doutrinas da graça humilham o homem sem degradá-lo e exaltam-no sem torná-lo orgulhoso.”

Matthew Henry, em seu Comentário Bíblico, inspiradamente escreveu:

“Aqui a linhagem de Davi por parte de Rute. Veio o tempo em que Belém de Judá exibiu maravilhas maiores do que as da história de Rute, quando por parte de outra pobre mulher, da mesma linhagem, nasceu um bebê que foi desprezado por alguns, que fez com que príncipes e sábios viessem do Oriente para depositarem a seus pés tesouros de ouro, incenso e mirra. O seu nome permanecerá para sempre, e todas as nações o chamarão de Bendito. Nesta semente serão benditas todas as nações da terra.”

No mais Deus proverá!

Por: Pastor Eliel Goulart


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada