Buscar esboços

Nossos Esboços

CPAD Adultos – 2º Trimestre de 2017 – 23/04/2017 – Lição 4: Isaque, um caráter pacífico

18/04/2017

Este post é assinado por: Pastor Eliel Goulart

TEXTO ÁUREO

“E disse Deus: Na verdade, Sara, tua mulher, te dará um filho, e chamarás o seu nome Isaque; e com ele estabelecerei o meu concerto, por concerto perpétuo para a sua semente depois dele.” – Gênesis 17.19

VERDADE PRÁTICA

     Isaque, segundo filho de Abraão, deixou um exemplo de humildade e submissão a Deus e a seus pais.

LEITURA BÍBLICA EM CLASSE

“12 E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, medidas, porque o Senhor o abençoava.
13 E engrandeceu-se o varão e ia-se engrandecendo, até que se tornou mui grande;
14 e tinha possessão de ovelhas, e possessão de vacas, e muita gente de serviço, de maneira que os filisteus o invejavam.
15 E todos os poços que os servos de seu pai tinham cavado nos dias de Abraão, seu pai, os filisteus entulharam e encheram de terra.
16 Disse também Abimeleque a Isaque: Aparta-te de nós, porque muito mais poderoso te tens feito do que nós.
17 Então, Isaque foi-se dali, e fez o seu assento no vale de Gerar, e habitou lá.
18 E tornou Isaque, e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão, seu pai, e que os filisteus taparam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai.
19 Cavaram, pois, os servos de Isaque naquele vale e acharam ali um poço de águas vivas.
20 E os pastores de Gerar porfiaram com os pastores de Isaque, dizendo: Esta água é nossa. Por isso, chamou o nome daquele poço Eseque, porque contenderam com ele.
21 Então, cavaram outro poço e também porfiaram sobre ele. Por isso, chamou o seu nome Sitna.
22 E partiu dali e cavou outro poço; e não porfiaram sobre ele. Por isso, chamou o seu nome Reobote e disse: Porque agora nos alargou o Senhor, e crescemos nesta terra.
23 Depois, subiu dali a Berseba,
24 e apareceu-lhe o Senhor naquela mesma noite e disse: Eu sou o Deus de Abraão, teu pai. Não  temas, porque eu sou contigo, e abençoar-te-ei, e multiplicarei a tua semente por amor de Abraão, meu servo.
25 Então, edificou ali um altar, e invocou o nome do Senhor, e armou ali a sua tenda; e os servos de Isaque cavaram ali um poço” – Gênesis 26.12-25

INTRODUÇÃO
Comentário do Blog

Recordando, num conceito singelo, caráter é aquilo que agimos e reagimos.
É provável que Isaque tenha nascido em Berseba – Gênesis 21.14.
Seu nome consta 128 vezes na Bíblia. Sendo 108 vezes no Antigo Testamento e 20 vezes no Novo Testamento.
O significado de seu nome é por demais conhecido “Ele riu-se” – (John D. Davis).

Gênesis 17.17 – “Então, caiu Abraão sobre o seu rosto, e riu-se, e disse no seu coração: A um homem de cem anos há de nascer um filho? ( …).”

Gênesis 17.19a – “E disse Deus: Na verdade, Sara, tua mulher, te dará um filho, e chamarás o seu nome Isaque.”

I – ISAQUE, O FILHO DA PROMESSA

1. Promessa de Deus a Abrão
Comentário do Blog

Isaías 55.11 – “Assim será a palavra que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia; antes, fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei.”

O comentarista enfatiza, neste primeiro tópico, a promessa de Deus a Abraão, de que ele teria um filho. Desse filho, chamado Isaque, se diz que era ´filho da promessa´.

As promessas de Deus são um ato soberano de Sua santa, boa, agradável e perfeita vontade. É um compromisso de amor e também de fidelidade do Senhor para conosco.
As promessas bíblicas são incondicionais e condicionais.

A promessa da segunda vinda de Jesus é exemplo excelente de uma promessa bíblica incondicional.

João 14.3 – (Almeida Atualizada) – “E, quando eu for e vos preparar lugar, voltarei e vos receberei para mim mesmo, para que, onde eu estou, estejais vós também.

As promessas bíblicas condicionais significam que estão condicionadas à obediência.

2º Crônicas 7.14 – “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face, e se converter dos seus maus caminhos, então, eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.”

Condições não implicam que as circunstâncias ou a oposição, mesmo as de Satanás, possam impedir o cumprimento de tais promessas.

Jó 42.2 – “Bem sei eu que tudo podes, e nenhum dos teus pensamentos pode ser impedido.”

Uma boa e simples classificação das promessas bíblicas é: promessas gerais, individuais, feitas para a Igreja e feitas para Israel.

Na revista Lições Bíblicas – CPAD – 4º trimestre de 2007 – Mestre – Jovens e Adultos, página 5 – descreve 7 princípios para interpretar as promessas de Deus:

1. Procure distinguir as promessas feitas a Israel daquelas feitas à Igreja;
2. Respeite o princípio de que algumas promessas estão condicionadas à obediência;
3. Não aplique para os dias de hoje, promessas escatológicas;
4. Observe o contexto histórico, cultural e gramatical das promessas;
5. Embase as promessas em mais de duas referências bíblicas;
6. Busque exemplos bíblicos que confirmem as promessas gerais;
7. Não atribua a si, promessas específicas a pessoas específicas;

2. Seu nascimento, um verdadeiro milagre
Comentário do Blog

Em Gênesis 17.16, pela primeira vez, é indicado a Abraão que a descendência prometida seria filho de Sara. E combinando com Gênesis 17.4 – “… e serás pai de uma multidão de nações” – é dito também que Sara seria ´mãe de nações´. Literalmente, ‘se tornará nações´.

Em Gênesis capítulo 16, Abraão atende a um plano de Sara e coabita com a escrava Hagar, nascendo-lhe Ismael. Este seu ato foi para que o propósito de Deus fosse cumprido em sua vida: ter um filho, mas provindo de sua força natural. Gênesis 16.16 – “E era Abrão da idade de oitenta e seis anos, quando Agar deu Ismael a Abrão.”

Depois disso, por treze anos não se registra que Deus falou a Abraão.

Treze anos depois do nascimento de Ismael, chegamos a Gênesis 17.1 – “Sendo, pois, Abrão da idade de noventa e nove anos, apareceu o Senhor a Abrão e disse-lhe: Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda em minha presença e sê perfeito.”

Deus Se revela com “El-Shaddai” – O Deus Todo-Poderoso.

Não precisava da força natural e da intervenção de Abraão, para O ajudar no cumprimento da promessa de que lhe daria um filho. Passados treze anos, já estando Abraão esgotado em sua autossuficiência, o Senhor Se revela como o Todo-Poderoso para cumprir Sua Palavra.

Ninguém está, de si mesmo, qualificado a cumprir os propósitos de Deus. Nós dependemos Dele. João 15.2 – “Porque sem mim nada podeis fazer”.

João 3.27 – “João respondeu e disse: O homem não pode receber coisa alguma, se lhe não for dada do céu”.

Provérbios 16.1 – “Do homem são as preparações do coração, mas do Senhor, a resposta da boca.”

O plano de Sara combinado com Abraão no capítulo 16 de Gênesis, demonstra a nossa suficiência própria. O agir por nossa própria força. Agir pelo nosso homem natural. Gênesis 17.1 a revelação de Deus Todo-Poderoso vem com o gracioso mandamento: “Anda em minha presença e sê perfeito.”

No livro de Jó, o nome Deus Todo-Poderoso ocorre 31 vezes.

Gênesis 5.22 diz que Enoque andou COM Deus. Gênesis 6.9 registra que Noé andava COM Deus. E aqui o mandamento é: “Anda na minha presença.” – (ARA).

NVI – “Anda fielmente diante de Mim.” A maioria das traduções que consultei, traduz assim: “Anda diante de mim.”

Ellicott ensina que é o mesmo verbo usado tanto para Enoque quanto para Noé. E entende que ´diante de mim´ implica menos proximidade do que ´com´, e que esta diferenciação demonstra que, certamente, a Abraão ainda seria necessário estar mais perto de Deus para alcançar o que Noé, por exemplo, alcançou: “perfeito em suas gerações” – Gênesis 6.9.

Deus não precisava dos arranjos de Sara e da força natural de Abraão.

O fato é que, esgotadas as forças naturais de Abraão e de Sara, eis que o agir de Deus Todo-Poderoso lhes presenteia com o milagre do nascimento de Isaque.  Toda a glória é de Deus. Hebreus 11.11 e 12 – “Pela fé, também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber e deu à luz já fora da idade (…) Pelo que também de um, e esse já amortecido, descenderam tantos…(…)”

Milagre é um ato de Deus além da capacidade do homem.

II – UM HOMEM ABENÇOADO POR DEUS

1. A prosperidade espiritual
Comentário do Blog

A imigração semítica nessa época rumava para o Egito. Era o lógico a fazer naqueles dias de fome. E parece-nos que, primeiramente, Isaque até propôs de si mesmo ir para lá. Mas, Deus o ordena categoricamente: “Não desças ao Egito”. E confirma as promessas feitas a Abraão, seu pai.

Gênesis 26.3 a 5 – “Peregrina nesta terra, e serei contigo e te abençoarei; porque a ti e à tua semente darei todas estas terras e confirmarei o juramento que tenho jurado a Abraão, teu pai. E multiplicarei a tua semente como as estrelas do céus e darei à tua semente todas estas terras. E em tua semente serão benditas todas as nações da terra, porquanto Abraão obedeceu à minha voz e guardou o meu mandado, os meus preceitos, os meus estatutos e as minhas leis.”

Então, habitou Isaque em Gerar.

O livro “Todos os Lugares da Bíblia” dá a Gerar o significado de “lugar de parada”.

Parece concordar com Strong, haja vista a significação que este lhe dá: “lugar de movimento” e acrescenta a informação, de que é geralmente identificada com a atual Um-Jerrar. Davis dá significado totalmente diverso: ´cântaro´. E diz que distava 10 quilômetros de Gaza.

Era uma cidade dos filisteus, ao sul da Palestina, perto de Gaza. Mas, sua exata localização é hoje desconhecida.

O mais importante é o destacado pelo comentarista da lição: a prosperidade espiritual de Isaque nesse lugar.

A fonte da prosperidade é Deus. II Crônicas 29.12 – E riquezas e glória vêm de diante de ti, e tua dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e dar força a tudo.”

Conforme observa o Dicionário Vine, no verbete PROSPERAR em hebraico, “A despeito disso, as circunstâncias da vida levantam a questão: “Por que prospera o caminho dos ímpios?” – Jeremias 12.1.

No Salmos 73, Asafe se perturbou com esta questão. Mas, entrando na presença do Senhor em adoração, foi-lhe dado entendimento crucial – versículo 17 – “Até que entrei no santuário de Deus; então, entendi eu o fim deles.”  O coração se aquieta em confiança quando vemos a vida do ponto de vista de Deus. Enquanto o ímpio que aparentemente prospera é posto em lugares escorregadios (versículo 18), o Senhor está com o justo continuamente (versículo 23) e é segurado pela Sua mão direita. Asafe viu o fim do ímpio – versículos 18 e 19: destruição, desolação, consumidos de terrores. O fim do justo é assim – versículo 24: “Guiar-me-ás com o teu conselho e, depois, me receberás em glória.”

Esta bênção é uma prosperidade espiritual!

2. A bênção divina é passada de pai para filho
Comentário do Blog

Passada de pai para filho, sim, no caso em estudo, e condicionada a obediência.

Gênesis 26.5a – “Porquanto Abraão obedeceu à minha voz…”.

Caráter são nossas ações e reações. E Isaque agiu e reagiu de maneira agradável ao Senhor.

O Dicionário Vine nos ensina que ´prosperidade´ em hebraico é tsâleah: ter sucesso, prosperar. Progredir, ser promovido, ser conduzido a bom resultado. Tem o sentido de bênçãos inesperadas. E o mesmo dicionário explica, que às vezes, é usado de modo tal a indicar ´vitória´. Em grego, o mesmo Dicionário Vine, nos ensina: euporia – formado de eu – ´bem´ – e poros – ´passagem´. Significando plenitude, riqueza, ser provido de subsistência.

Não se limita a bens materiais. Em Gênesis 33.9 Esaú diz a Jacó: “Eu tenho bastante” e Jacó responde no versículo 11: “Porque tenho de tudo”. Isto é prosperidade! Jacó alcançou no capítulo 32:

1º – um novo nome – versículo 27;
2º – uma nova bênção – versículo 29;
3º – uma nova comunhão – versículo 30;
4º – um novo dia – versículo 31
5º – uma nova maneira de andar – versículo 31.

Por isso, certamente, que respondeu a seu irmão Esaú: “Porque tenho de tudo”.

3. A prosperidade material
Comentário do Blog

Uma coisa é certa: o extremismo da teologia da prosperidade, que evoca para si até o determinar a Deus, ensinando fórmulas a crentes superficiais, interesseiros e que desprezam os cultos de doutrina, sim, repetindo fórmulas e chavões que determinam a Deus, como se o nosso Deus Todo Poderoso, fora pego em sua próprias leis que os teólogos da prosperidade, por suposição, dizem que dali Deus não pode escapar… Isso é desprezar as Escrituras e os conceitos da Teologia da Prosperidade não se fundamentam na Bíblia Sagrada.

Como bem escreveu pastor Ezequias Soares, no livro Heresias e Modismos: Uma análise crítica das sutilezas de Satanás, CPAD – “A mensagem dos profetas da Prosperidade está centrada na saúde e na prosperidade, e não na salvação (grifo nosso), sendo um desvio do verdadeiro evangelho de Cristo.”

Gênesis 26.12 – “E semeou Isaque naquela mesma terra e colheu, naquele mesmo ano, cem medidas, porque o Senhor o abençoava“.

Observe o versículo seguinte, ou seja, o 13 – “E engrandeceu-se ( heb. – gadal ) o varão e ia-se engrandecendo ( heb. – gadal ), até que se tornou mui grande ( heb. – gadal ) “.

Três vezes é usado o verbo hebraico gadal, crescer, tornar-se grande. (Strong).
Remete a João 15.2 e 8 – fruto, mais fruto e muito fruto.

A bênção de Deus traz crescimento. Gênesis 1.11 – “erva (grama), erva que dê semente (arbusto) e árvore frutífera que dê fruto.

Gênesis 6.16 – a arca de Noé tinha andares baixos, segundos e terceiros. Crescimento!

Em termos materiais e humanos, a prosperidade vem de energia, trabalho, oportunidade e inteligência. Há quem tenha inteligência, mas não tem energia (saúde ou ânimo próprio). Há quem tenha energia e não tenha oportunidade. Mas, os quatro somados, certamente, trazem prosperidade em termos de riqueza material a tal pessoa.

No Novo Testamento, na Dispensação da Graça, o conceito de prosperidade é superior. Está além das possessões materiais. Trata-se de comunhão íntima com o Senhor. Se para o mundo desta pós modernidade, fama, riqueza e prazer são sinônimos de prosperidade, para as Escrituras Sagradas nenhum valor tem.

Lucas 16.15 – “… porque o que entre os homens é elevado perante Deus é abominação.”

Inclusive, a Bíblia orienta-nos a não confiarmos nas riquezas – Iª Timóteo 6.17 – “Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos“. Isso é prosperidade no Novo Testamento. Trata-se de um princípio de SER do que de TER.

III – LIÇÕES DO CARÁTER DE ISAQUE

1. Um homem esforçado e trabalhador
Comentário do Blog

Para cada bênção, mesmo bons homens, pagam o preço da prosperidade. Às vezes, perde a simplicidade daquela vida singela de antes. Se acumula posses, perde a calma e rodeia-se de ansiedades e proteções. A alta promoção pode vir acompanhada da perda dos descansos anteriores. Isaque “tinha possessão de ovelhas, e possessão de vacas, e muita gente de serviço, de maneira que os filisteus o invejavam.” – Gênesis 26.14.

Mesmo entre estes homens mundanos, Deus repete o pacto e confirma a aliança. Assim como abençoou e protegeu a Abraão, Deus abençoa e protege a Isaque no meio de homens maus. A maldade desses homens glorifica a imutabilidade de Deus. Como é diferente o mundo do Reino de Deus!

“Porque a cólera do homem redundará em teu louvor, e o restante da cólera, tu o restringirás.” – Salmo 76.10. Quando o homem, cheio de ira, se revolta contra Deus e contra seus servos, a vitória e a glória de Deus são maiores ainda, para Ele e na vida de seus servos! E os demais ímpios, que estavam encolerizados e sobreviveram misericordiosamente ao agir de Deus, são refreados.

Do mal Deus é Todo Poderoso para tirar o bem. Em Gênesis 50.20 José observou isso aos seus irmãos que agiram por inveja contra ele: “Vós bem intentastes mal contra mim, porém Deus o tornou em bem”.

2. O caráter pacífico de Isaque
Comentário do Blog

No caso de Isaque, ele agiu e reagiu buscando a paz. Caráter pacífico!

Enfrentou a inveja com a paciência – Leia Gênesis 26.15 a 19. Os filisteus entulharam os poços cavados por Abraão. E Isaque, com paciência e humildade, tornou a cavar os poços cavados nos dias de Abraão, seu pai, e acharam correntes subterrâneas. Os vizinhos invejosos tornaram a contender, por uma e duas vezes. Por fim, Isaque cavou terceiro poço, e por este os filisteus não porfiaram. Os filisteus desistiram. A paciência e humildade do servo de Deus desgasta o mundano.

Mateus 5.44 – “Eu, porém, voz digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem.”

Romanos 12.21 – “Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.”

Salmo 103.6 – “O Senhor faz justiça e juízo a todos os oprimidos.”

3. Um caráter resiliente
Comentário do Blog

Max Lucado ilustra para nós a resiliência, em seu livro “Derrubando Golias”, página 22: “O símbolo mais sagrado na cidade de Oklahoma, em Oklahoma, é uma árvore: um vasto olmo norte-americano de 80 anos que faz muita sombra. Turistas percorrem quilômetros para vê-lo. Pessoas posam para fotos debaixo dele. Arboristas cuidadosamente o protegem. Ele enfeita pôsteres e papéis de carta. Outras árvores ficam maiores, mais cheias, até mais verdes. Mas nenhuma recebe o mesmo carinho. A cidade valoriza a árvore não por sua aparência, mas por sua resistência.
Ela resistiu aos bombardeios sofridos por aquela cidade.
Timothy McVeigh estacionou seu caminhão-bomba a apenas alguns metros dela. Sua maldade matou 168 pessoas, feriu outras 850, destruiu o edifício federal Alfred P. Murrah e cobriu a árvore de escombros. Ninguém esperava que ela sobrevivesse. Ninguém, na verdade, parou para pensar na árvore coberta de pó e sem galhos.
Até que ela começou a brotar.
Brotos passavam espremidos por sua casca destruída; folhas verdes empurravam a fuligem cinzenta. A vida ressurgiu de um campo marcado pela morte. As pessoas perceberam. A árvore era um modelo da resiliência que as vítimas desejavam. Por isso elas deram um nome ao olmo: a Árvore Sobrevivente.”

O psicólogo Fábio Roberto Munhoz dos Santos, define resiliência como a capacidade de se adaptar e superar com sucesso aos desafios e às situações estressantes. É a superação das adversidades de forma saudável e construtiva. A palavra é emprestada da ciência da Física, quando se diz de materiais que resistem aos choques e pressões sem alterar suas qualidades.

Para nós, assim como para Isaque em Gênesis 26, diante das perseguições dos filisteus, o fundamento dessa capacidade está na Palavra de Deus. A Isaque fora dito em Gênesis 26.3 – “E serei contigo e te abençoarei”. A nós é declarado em Hebreus 13.5 e 6 – “Porque Ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei. E, assim, com confiança, ousemos dizer: O Senhor é o meu ajudador, e não temerei o que me possa fazer o homem”.

Fundamentado na Palavra do Senhor, o crente supera obstáculos, resiste a pressões e adversidades, sem histerismo, sem escândalos.

Assim Isaque demonstrou caráter resiliente.

A nossa amada Assembleia de Deus está a viver pressões de todos os lados. Como vencer? Isaque dá-nos a lição – Gênesis 26.18 – “E tornou Isaque, e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão, seu pai, e que os filisteus taparam depois da morte de Abraão, e chamou-os pelos nomes que os chamara seu pai”.

Abraão foi pioneiro na fé diante de tantas primeiras experiências e provações. Também tivemos os pioneiros da Assembleia de Deus no Brasil. Eles cavaram poços, de onde fluíram águas cristalinas. Queremos as mesmas bênçãos entre nós? “Que é feito de todas as suas maravilhas que nossos pais nos contaram?” – Juízes 6.13.
Tornemos a cavar os poços que cavaram nos dias dos pioneiros pentecostais e acharemos poços de águas vivas!

Os filisteus modernos tentam e às vezes conseguem tapar, entulhar com mundanismo, invencionices doutrinárias, misticismo de ventos de doutrinas que vêm dos Estados Unidos e outras propostas fraudulentas.
Os pioneiros pentecostais cavaram, acharam e beberam e nos deram a beber águas cristalinas!

Ação e reação – caráter resiliente: “Tornou Isaque, e cavou os poços de água que cavaram nos dias de Abraão, seu pai.”

4 – Obediência e submissão
Comentário do Blog

O comentarista da lição enfatiza que estes são os aspectos mais marcantes do caráter de Isaque.

Em Gênesis 22 Isaque cresce na etapa da vida de fé. A partir desse capítulo, quando seu pai e ele são provados, ele crece na fé.  Isaque foi conduzido por seu pai,  Abraão,  ao monte Moriá, com a ordem de oferecê-lo em holocausto. Está claríssimo que o propósito divino era a provação da fé do patriarca Abraão. Mas, consideremos a experiência pessoal de Isaque, a entrada a dimensão da fé desse jovem. Antes era o Deus de seu pai. Agora, é o meu Deus!

Isaque é um tipo de Cristo:

1 – Trouxe bênção a todas as nações. Tanto para os judeus, tanto para os gentios. Gênesis 22.18a – “E em tua semente serão benditas todas as nações da terra”. Gênesis 26.4 – “E em tua semente serão benditas todas as nações da terra”;

2 – Foi oferecido a Deus como sacrifício e ressuscitou – Gênesis 22.1 a 12 e Hebreus 11. 17 a 19;

3 – Ele recebeu a noiva! – Gênesis 24.67. Neste capítulo, está a singela interpretação antiga entre nós: Eliezer, prefigura o Espírito Santo, e traz Rebeca, que prefigura a Igreja, para o noivo Isaque, tipo de Cristo.  João 3.29 – Apocalipse 19.7.

Mateus 1.1 – “Livro da geração de Jesus Cristo (…), Filho de Abraão”.

CONCLUSÃO

Que caráter exemplar é o que mostra-nos Isaque em todas as dimensões de sua vida: pessoal, doméstica e para com a nação que viria! O rei de Gerar o chamou de “bendito do Senhor” – Gênesis 26.29, reconhecendo sua superioridade. E quem disse isso foi Abimeleque, um rei poderoso na sua época. ( Significado – Meu pai é rei – trata-se de um título e não de nome próprio).

Meu amado irmão, mesmo diante das impossibilidades, dos obstáculos, das provações e adversidades, viva como um “bendito do Senhor”!

Pastor Eliel Goulart


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada