Esboços e subsídios para professores e vocacionados da EBD (Escola Bíblica Dominical)

Central Gospel Jovens e Adultos – 4º Trimestre – 19/11/2017 – Lição 8: A Soteriologia Reformada

23/11/2017

Este post é assinado por: Leonardo Novais de Oliveira

TEXTO BÍBLICO BÁSICO

  • Romanos 9.9-21
    9 – Porque a palavra da promessa é esta: Por este tempo virei, e Sara terá um filho.
    10 – E não somente esta, mas também Rebeca, quando concebeu de um, de Isaque, nosso pai;
    11 – Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama),
    12 – Foi-lhe dito a ela: O maior servirá o menor.
    13 – Como está escrito: Amei Jacó e aborreci Esaú.
    14 – Que diremos, pois? Que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma!
    15 – Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me compadecer e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia.
    16 – Assim, pois, isto não depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece.
    17 – Porque diz a Escritura a Faraó: Para isto mesmo te levantei, para em ti mostrar o meu poder e para que o meu nome seja anunciado em toda a terra.
    18 – Logo, pois, compadece-se de quem quer e endurece a quem quer.
    19 – Dir-me-ás, então: Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem resiste à sua vontade?
    20 – Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura, a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?
    21 – Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra? 

TEXTO ÁUREO

  • Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Porque quem compreendeu o intento do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro? (Rm 11.33,34).

COMUNICADO IMPORTANTE

É com muita alegria que nos dirigimos a vocês com novas notícias.

Recentemente, o site EBD Comentada atingiu um novo patamar e somos gratos a Deus e também a vocês, pois em oito meses de atuação, nos tornamos uma das melhores referências em estudos bíblicos para Escolas Dominicais, atingindo a expressiva marca de 220 mil acessos!

Neste período recebemos inúmeros elogios, incentivos e dedicatórias de agradecimentos por disponibilizar um conteúdo exclusivo da mais alta qualidade e confiabilidade teológica.

Você sabia que muitos professores enquanto ministram suas aulas tem os subsídios da EBD Comentada abertos (online) em seus smartphones, tablets e mesmo computadores para consultas? Isso somente é possível porque atingimos um alto grau de credibilidade junto a todos vocês em mais de 60 países!!

Muito breve o site EBD Comentada contará com novos recursos para os professores e vocacionados que utilizam os subsídios que disponibilizamos para ministrarem suas aulas, sendo eles:

  • 1 – Apresentações em PowerPoint (padronizados pela EBD Comentada);
  • 2 – Bloco de Anotações Online para cada lição esboçada, isto é, além do comentário da revista e dos esboços, o professor poderá introduzir as suas próprias notas;
  • 3 – Ao final de cada trimestre, o professor receberá um lindo e-book contendo todos os esboços de forma organizada e pronta para futuras ministrações, estudos, pregações, etc.;
  • 4 – A cada trimestre ofereceremos cursos especiais para fazer com que você cresça no conhecimento da Palavra de Deus e desenvolva práticas pedagógicas adequadas às necessidades de cada aluno, tornando-se um professor baseado na excelência.

Além disto, informamos a maior conquista que conseguimos neste último mês que foi a parceria missionária com os seguintes trabalhos:

  • Equipe Semear – Localizada na cidade Uberaba – MG e que realiza relevante trabalho de evangelismo na própria Uberaba e região;
  • Equipe Exército da Última Hora – Localizada na cidade de Porto Velho – RO – e que também executa o mesmo trabalho tanto na capital de Rondônia como nos arredores.

A EBD Comentada decidiu unir o Ensino com Missões e assim, alavancar recursos financeiros para contribuir com esses projetos.

Para mantermos tudo isto funcionando, foi necessário criarmos uma forma de obter recursos financeiros e em breve teremos um formato de trabalho voltado para isto.

Cada um de nós poderemos contribuir com o site ebdcomentada.com e com as obras de missões citadas, realizando o cadastro como assinante e escolhendo o plano que achar conveniente.

Optamos por oferecer valores acessíveis para que todos continuem a desfrutar dos nossos esboços e ao mesmo tempoAJUDAR a obra missionária, portanto a EBD Comentada, juntamente com você estará ao mesmo tempo ENSINANDO e FAZENDO MISSÕES.

Em breve disponibilizaremos os planos de assinaturas e os benefícios que cada um terá.

Contamos com a ajuda de todos para mantermos este trabalho que tem auxiliado milhares de professores no Brasil e no mundo.

  • Portanto, ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo (Mt 28.19 – ARC).

Mande-nos um e-mail e diga-nos o que acha da mudança (contato@ebdcomentada.com.br).

Deus lhe abençoe ricamente e vamos aprender…

OBJETIVOS

Ao término do estudo bíblico, o aluno deverá:

  • Entender como o texto bíblico aborda o tema salvação no Antigo e no Novo Testamento;
  • Conhecer as duas principais correntes doutrinárias, reformadas, relativas à salvação;
  • Compreender que mais importante que apreender argumentações soteriológicas é saber que somente por meio de Cristo somos redimidos.

PALAVRA INTRODUTÓRIA

A lição desta semana trabalhará com o conceito da salvação de acordo com a Bíblia, na visão das duas vertentes doutrinárias prevalentes no mundo cristão, o Calvinismo, base da Teologia Reformada, iniciado por João Calvino em Genebra no século XVI e o Arminianismo, baseado nas ideias de Jacobus Arminius no século XVII.

Abordaremos as duas separadamente, enfatizando as principais características das mesmas. 

1 – SOTERIOLOGIA: A DOUTRINA DA SALVAÇÃO

1T2017L11

Esta é uma das doutrinas de maior relevância bíblica e tem início no livro de Gênesis após o pecado original de Adão e Eva.

A palavra “Soteriologia” é formada a partir de dois termos gregos σωτήριος [Soterios], que significa “salvação” e λόγος [logos], que significa “palavra”, ou “princípio”.

Tradicionalmente é conhecida como “Doutrina da Salvação”.

Uma curiosidade a respeito desta palavra envolve a cidade de Salvador, na Bahia. Quem nasce nesta cidade é denominado “soteropolitano”, ou seja, nascido na cidade da salvação, Salvador.

Vale a pena reforçar que isto não tem nenhuma associação com a Palavra de Deus e trata-se somente de uma curiosidade.

Leiamos este texto em Gênesis:

  • “E viu a mulher que aquela árvore era boa para se comer, e agradável aos olhos, e árvore desejável para dar entendimento; tomou do seu fruto, e comeu, e deu também a seu marido, e ele comeu com ela.
    Então foram abertos os olhos de ambos, e conheceram que estavam nus; e coseram folhas de figueira, e fizeram para si aventais.
    E ouviram a voz do Senhor Deus, que passeava no jardim pela viração do dia; e esconderam-se Adão e sua mulher da presença do Senhor Deus, entre as árvores do jardim.
    E chamou o Senhor Deus a Adão, e disse-lhe: Onde estás?
    E ele disse: Ouvi a tua voz soar no jardim, e temi, porque estava nu, e escondi-me.
    E Deus disse: Quem te mostrou que estavas nu? Comeste tu da árvore de que te ordenei que não comesses?
    Então disse Adão: A mulher que me deste por companheira, ela me deu da árvore, e comi.
    E disse o Senhor Deus à mulher: Por que fizeste isto? E disse a mulher: A serpente me enganou, e eu comi.
    Então o Senhor Deus disse à serpente: Porquanto fizeste isto, maldita serás mais que toda a fera, e mais que todos os animais do campo; sobre o teu ventre andarás, e pó comerás todos os dias da tua vida.
    E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar.
    E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará.
    E a Adão disse: Porquanto deste ouvido à voz de tua mulher, e comeste da árvore de que te ordenei, dizendo: Não comerás dela, maldita é a terra por causa de ti; com dor comerás dela todos os dias da tua vida.
    Espinhos, e cardos também, te produzirá; e comerás a erva do campo.
    No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás.
    E chamou Adão o nome de sua mulher Eva; porquanto era a mãe de todos os viventes.
    E fez o Senhor Deus a Adão e à sua mulher túnicas de peles, e os vestiu”. (Gn 3.6-21) 

1.1 – No Antigo Testamento

A palavra testamento também é conhecida biblicamente por aliança, concerto ou pacto e de acordo com o Dicionário Wycliffe tem o seguinte significado:

O substantivo grego díatheke é traduzido como “testamento” 13 vezes no NT, apesar de que em algumas passagens ele também é traduzido como “aliança”. O substantivo em si é a tradução que a Septuaginta traz do termo hebraico b‘rit, significando a obrigação auto imposta por Deus à reconciliação aos pecadores consigo mesmo (Gn 17.7; Dt 7.6-8; Sl 89.3,4).

A Septuaginta evitou aqui o termo grego comum para aliança, syntheke (“colocar junto” de forma mútua), como impróprio para a atividade soberana de Deus, e substituiu por ãiatkeke (um arranjo, lit., “levar a cabo”), cujo sentido principal é “uma disposição de propriedade por meio de um testamento”. O termo parece ter sido providencialmente escolhido, porque a salvação historicamente vem de uma forma específica de aliança, a saber, por um legado.

A criação do homem foi algo feito de forma sublime pelo criador, pois o livro de Gênesis nos mostra que fomos feitos à sua imagem e semelhança (Gn 1.26,27).

Mas o pecado desencadeou uma série de consequências e a pior delas, foi a ruptura do perfeito relacionamento com Deus, conforme já estudamos.

Desta forma, o Senhor faz um pacto com o homem, prometendo-lhe remissão e reaproximação e Ele era o único capaz de fazer um pacto como este.

O livro de Gênesis nos dá uma ideia bem nítida sobre isto:

  • “E porei inimizade entre ti e a mulher, e entre a tua semente e a sua semente; esta te ferirá a cabeça, e tu lhe ferirás o calcanhar” (Gn 3.15).

O termo aliança reveste-se de sublime importância na conformação da identidade religiosa de Israel, pois em nenhum outro sistema de culturas e crenças, em todo o mundo, encontram-se vestígios que possam indicar o estabelecimento de pactos entre uma divindade e o seu povo; fato que, por si só, comprova o ineditismo do texto bíblico.

Leiamos mais um trecho do que o Dicionário Wycliffe nos ensina sobre o testamento:

“A estrutura testamentária de Deus contém os seguintes elementos; um testador, Deus o Filho, o “Mediador” (Hb 9.15); herdeiros, “os chamados” (9,15); um método objetivo de efetuação, ou seja, uma herança de graça (9.16); as condições subjetivas pelas quais os herdeiros se qualificam para a herança, pelo comprometimento com Cristo (9.28); e uma herança de reconciliação, a “salvação eterna” (9.15,28). Sua efetuação objetiva é sempre marcada por: monergismo, “um realizador”, Deus exercendo sua pura graça (Gn 15.17; Êx 19.4; Jr 31.2,3), sem o auxílio das obras do homem (Ef 2.8,9); a morte do testador (Êx 24.8; Hb 9.18-22); a promessa, “E eu serei seu Deus, e eles serão o meu povo” (Gn 17.7 até Ap 21,3); a eternidade (Sl 105,8-10; cf. Lv 2.13, “o sal [preservação eterna] do testamento”); e um sinal confirmatório, como o arco-íris para Noé (Gn 9.12,13), o êxodo para Moisés (Ex 20.2), ou a ressurreição de Cristo para nós (Rm 1.4)”.

O Antigo Testamento, ou antiga aliança, foi substituído por um novo. A carta aos Hebreus nos mostra isto no capítulo oito, versículos de 6 a 13:

  • “Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de uma melhor aliança que está confirmada em melhores promessas.
    Porque, se aquela primeira fora irrepreensível, nunca se teria buscado lugar para a segunda.
    Porque, repreendendo-os, lhes diz: Eis que virão dias, diz o Senhor, em que com a casa de Israel e com a casa de Judá estabelecerei uma nova aliança, não segundo a aliança que fiz com seus pais no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; Como não permaneceram naquela minha aliança, eu para eles não atentei, diz o Senhor.
    Porque esta é a aliança que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; Porei as minhas leis no seu entendimento, E em seu coração as escreverei; E eu lhes serei por Deus, E eles me serão por povo;
    E não ensinará cada um a seu próximo, nem cada um ao seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até ao maior.
    Porque serei misericordioso para com suas iniquidades, E de seus pecados e de suas prevaricações não me lembrarei mais.
    Dizendo Nova aliança, envelheceu a primeira. Ora, o que foi tornado velho, e se envelhece, perto está de acabar”.

No A.T. os pecados eram expiados, ou seja, cobertos e isto aconteceu até que Jesus, o cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, morresse e seu sacrifício fosse aceito definitivamente.

O livro de Levítico nos mostra como eram feitos os sacrifícios no A.T., em especial no capítulo 16.

Vejamos o conceito de expiação de acordo com o Dicionário Wycliffe:

“A palavra “expiação” é um termo anglo saxão que possui a força de “transformar em um”. Ela fala de um processo de trazer aqueles que são inimigos para uma harmonia e unidade, significando, assim, Reconciliação”.

1.2 – No Novo Testamento

Todo o sistema que fora dado a Moisés e ensinado aos sacerdotes no A.T. previa o sacrifício de animais para remissão de pecados.

Após a queda de Adão e Eva, o pecado tornou-se parte integrante da natureza humana.

  • Porque assim como a morte veio por um homem, também a ressurreição dos mortos veio por um homem”. (1 Co 15.21 – Grifo Nosso).

Paulo escreve aos Romanos que TODOS pecaram e destituídos estão da glória de Deus (Rm 3.23) e para que o homem permanecesse livre da ira de Deus, era necessário que fossem oferecidos sacrifícios pelos seus pecados.

A Carta aos Hebreus nos mostra que sem derramamento de sangue não há remissão de pecados e também diz que as coisas do passado são sombras dos bens futuros.

Leiamos estes versículos:

  • “E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão”. (Hb 9.22)
  • “Porque tendo a lei a sombra dos bens futuros, e não a imagem exata das coisas, nunca, pelos mesmos sacrifícios que continuamente se oferecem cada ano, pode aperfeiçoar os que a eles se chegam”. (Hb 10.1) 

Desta forma, o pecado que antes era somente “tampado”, com a morte de Jesus, torna-se apagado, riscado e completamente perdoado.

A carta aos Hebreus é um compêndio sobre salvação no N.T.

Leiamos o que o escritor nos mostra:

  • “Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação, nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção.
    Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza de uma novilha esparzida sobre os imundos, os santifica, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo?
    E por isso é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna”. (Hb 9.11-15) 

O conceito de salvação no N.T. é restrito ao Cristo, não sendo mais necessário o ato sacrificial de animais.

Algumas pessoas sempre trazem à tona a seguinte pergunta: “Porque Jesus precisou morrer daquela forma”?

A resposta é: “Para que a Lei de Deus fosse cumprida Nele e o sacrifício exigido pelo pecado fosse pago definitivamente”.

Voltemos à carta aos Hebreus:

  • “Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus;
    Nem também para a si mesmo se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio;
    De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo.
    E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo,
    Assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação”. (Hb 9.24-28)

João, o discípulo amado transcreveu as palavras de Jesus no evangelho que leva seu nome no capítulo 3 e versículo 16:

  • “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”. (Jo 3.16 – NVI) 

2 – OS SISTEMAS SOTERIOLÓGICOS

CG4T2017L8a

Os dois principais sistemas soteriológicos existentes são o Calvinismo e o Arminianismo, porém existem vários outros, como o Pelagianismo, Semipelagianismo e outros.

Nosso foco será os dois mais importantes que trabalham com os seguintes pressupostos: os pecadores são declarados justos diante de Deus somente pela fé, somente em Cristo, somente pela Graça, não mediante as boas obras praticadas.

2.1 – Considerações prévias

Como acadêmicos e professores de Teologia, ainda que muitos só conheçam a teologia advinda do ensino aprendido na EBD, precisamos gravar uma frase e NUNCA esquecer:

A Teologia não deve ser considerada uma “CIÊNCIA EXATA”

Rupert Meldenius, teólogo alemão escreveu algo sublime sobre isto:

“Em coisas essenciais, unidade; nas não-essenciais, liberdade; em todas as coisas, caridade”.

Traduzindo, as questões que são fundamentais para a salvação, como o fato de crermos que Jesus é o filho de Deus que veio libertar os cativos e oprimidos; no fato de que não acreditamos que exista outro caminho para o Pai a não ser Jesus, devemos ter UNIDADE; nas questões classificadas por “não essenciais”, podemos ter liberdade, OU SEJA, podemos crer nas diversas “TEORIAS” que existem, como é o caso do pré, midi ou pós tribulacionistas, o tipo de batismo correto, dentre outras e para finalizar, em TODAS AS COISAS, devemos ter amor.

Apesar de cada uma das denominações terem seu posicionamento sobre a soteriologia, precisamos respeitar cada um deles.

2.2 – O Calvinismo e a Predestinação

João Calvino foi um teólogo francês que contribui muito para a Reforma Protestante. Seus estudos criaram o que conhecemos hoje de calvinismo.

O calvinismo prega 5 pontos com iniciais em inglês da seguinte forma:

TULIPS

  1. TOTAL DEPRAVATION: Depravação Total;
  2. UNCONDITIONAL ELECTION: Eleição Incondicional (não depende do homem);
  3. LIMITED ATONEMENT: Expiação Limitada (somente dos escolhidos);
  4. IRRESISTIBLE GRACE: Graça irresistível (os escolhidos não conseguem resistir);
  5. PERSEVERANCE OF THE SAINTS: Perseverança dos Santos (Firme até o fim).

2.2.2 – Questões a serem respondidas pelo Calvinismo

Os arminianos fazem 3 objeções a este ensino. Sua primeira alegação é que a perseverança do crente é dependente da sua vontade. Eles citam passagens bíblicas que ensinam a necessidade de lutar (Lc 13.24; Cl 1.29; 2 Tm 2.5), e a possibilidade de cair (Lc 9.62; 1 Co 9.27; G1 5.4; Hb 6.3ss.). Em segundo lugar, sustentam que tal certeza acerca da salvação final só pode levar à imoralidade e à indolência. Em terceiro, tal ensino é inconsistente com a liberdade humana. Com referência às passagens citadas pelos arminianos, os calvinistas respondem dizendo que o contexto é frequentemente contrário ao entendimento arminiano, e que tais passagens podem ser interpretadas em qualquer ocasião em harmonia com a doutrina da perseverança, como é claramente ensinado e indicado em outras passagens.

2.3 – O Arminianismo e o Livre Arbítrio

De acordo com Jacobus Arminius, nome latino de Jacob Harmensz, teólogo holandês, o ensino de Calvino precisava ser debatido e por este motivo, sua tese de doutorado desenvolvida na Universidade de Leiden foi sobre este assunto.

De acordo com ele, o homem tem o que conhecemos como livre arbítrio, ou seja, uma capacidade dada por Deus, para escolher entre o que é certo ou errado e decidir seguir o caminho que lhe convier.

2.3.1 – As teses centrais do Arminianismo

Armínio, com a intenção de contradizer a tese de Calvino, também escreveu sobre cinco pontos, que após sua morte foram publicados pelos chamados “Remonstrantes”:

FACTS

  1. FREE BY THE GRACE TO BELIEVE: Livre pela graça para crer;
  2. ATONEMENT FOR ALL: Expiação para todos;
  3. CONDITIONAL ELECTION: Eleição Condicional;
  4. TOTAL DEPRAVATION: Depravação Total;
  5. SECURITY IN CHRIST: Segurança em Cristo.

CG4T2017L8c

2.4 – Adendo necessário

A Reforma Protestante tirou a mordaça que fora colocada nos cristãos pela ICAR e possibilitou o estudo sistemático das escrituras e o livre pensamento.

CG4T2017L8b

Desta forma, podemos pensar, escrever, pregar e CONVIVER HARMONIOSAMENTE, com todos os pensadores.

Apesar de serem claras as diferenças entre os dois posicionamentos, Charles H. Spurgeon, pregador Batista com posicionamento Calvinista, considerado o “príncipe dos pregadores”, disse:

“Em relação ao aparente contrassenso existente entre predestinação/livre-arbítrio, estamos diante de duas linhas quase tão próximas que a mente humana, finita, não pode discernir o ponto de tangenciamento entre ambas; elas de fato, convergem, e se encontrarão na eternidade, junto ao trono de Deus, de onde brota toda a Verdade.

3 – O POSICIONAMENTO DAS IGREJAS DE CONFISSÃO PENTECOSTAL

O posicionamento de praticamente todas as convenções assembleianas no Brasil e mundo e também das outras denominações de cunho pentecostal é arminiano, ou seja, creem que o homem participa do processo de salvação através da fé e escolha.

3.1 – Quem são os predestinados à salvação?

De acordo com o ensino arminiano, Deus sabe quem será salvo através de sua onisciência e presciência e apesar disto, TODAS as pessoas estão predestinadas para a salvação, desde que aceitem ao chamado de Cristo através de sua fé.

Leiamos o que Pedro escreveu a respeito deste tema em sua segunda carta:

  • “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se”. (2 Pe 3.9)

Ainda Paulo a Timóteo:

  • “Porque isto é bom e agradável diante de Deus nosso Salvador, que quer que todos os homens se salvem, e venham ao conhecimento da verdade. Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem. O qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo”. (1 Tm 2.3-6). 

CONCLUSÃO

Devemos ter interesse em crescer no conhecimento da Palavra de Deus e maturidade para escolher em que acreditamos seguindo à risca o que a Palavra de Deus nos ensina.

Entretanto, nos assuntos de difícil interpretação, devemos nos posicionar e aceitar as diferenças existentes entre os milhões de cristãos pelo mundo.

O que precisa ficar claro para todos é que:

  1. Existe somente um Deus (1 Tm 2.5);
  2. Só existe um intermediário entre Deus e o homem (1 Co 15.22; Jo 1.12);
  3. Todos os homens pecaram e estão desligados de Deus (Rm 3.23);
  4. A fé é produzida pela Palavra de Deus (Rm 10.17);
  5. Somente o Espírito Santo pode nos convencer de nossos pecados (Jo 16.8);
  6. Precisamos crer e permanecer fiéis (Mc 16.16; 2 Jo 1.9; Hb 3.6; Ap 2;10).

REFERÊNCIAS

BÍBLIA. A Bíblia Sagrada. Nova Versão Internacional.  Ed. Vida. São Paulo, 2001.

BÍBLIA. Bíblia de Estudo Pentecostal.  Tradução de João Ferreira de Almeida Revista e Corrigida. CPAD. Rio de Janeiro, 1995.

BÍBLIA. A Bíblia Sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida Revista e Atualizada. CPAD. Rio de Janeiro, 1998.

CALVINO. John. Tratado de Religiões Cristãs, as Institutas. Volume 3. La Aurora. Buenos Aires, 1962.

HAHN, Eberhard. Carta aos Efésios – Comentário Esperança. Ed. Evangélica Esperança. Curitiba, 2006. 

PFEIFFER, Charles F.; VOS, Howard F.; REA, John. Dicionário Bíblico Wycliffe. CPAD. Rio de Janeiro, 2000.

POMMERENING, Claiton Ivan. A obra da Salvação. CPAD. Rio de Janeiro, 2017.

VINE, W. E.; UNGER, Merril F.; JR, William White. Dicionário Vine. CPAD. Rio de Janeiro, 2002.

Por Leonardo Novais de Oliveira

Postado por Cláudio Roberto


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada