Ensinando e fazendo Missões

Buscar no blog

Nossos Esboços Recentes

Central Gospel Jovens e Adultos – 4º Trimestre de 2018 – 16-12-2018 – Lição 11: Teísmo bíblico e as grandes heresias da atualidade

12/12/2018

Este post é assinado por Cláudio Roberto de Souza

TEXTO BÍBLICO BÁSICO

2 Timóteo 3:13-17


13 Mas os homens maus e enganadores irão de mal para pior, enganando e sendo enganados.

14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o tens aprendido.

15 E que, desde a tua meninice, sabes as sagradas letras, que podem fazer-te sábio para a salvação, pela fé que há em Cristo Jesus.

16 Toda Escritura divinamente inspirada é proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça,

17 para que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente instruído para toda boa obra. (ARC)

TEXTO ÁUREO

Colossenses 2:8


8 Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; (ARC)

OBJETIVOS DA LIÇÃO

  • Perceber que há muitas visões a respeito do mundo (filosofias) que estão em oposição aos ensinamentos das Escrituras;
  • Identificar o Teísmo Bíblico como a melhor forma de interpretar as realidades terrenas, espirituais e eternas;
  • Conscientizar-se de que a indiferença ao estudo das Escrituras abre caminho para o engano e a prisão espiritual.

PALAVRA INTRODUTÓRIA

Paz seja convosco!

Neste estudo iremos abordar as principais filosofias com viés religioso, bem como conhecermos as suas principais particularidades e como contrapõem a verdadeira fé que se fundamenta em Cristo e no cristianismo.

Conhecermos a Palavra de Deus é essencial para mantermos a fé saudável e sermos constantemente edificados, no entanto, é proveitoso para o cristão, compreender como outros formatos de pensamentos, doutrinas e princípios que buscam caminhar paralelamente as Escrituras, fornecem outras opções de cosmovisão, mas que ao final serão nocivas a alma do homem (Pv 14.12; 16.25).

Tais filosofias se revestem de roupagem de gala com intenção de seduzir e satisfazer perguntas e anseios da alma humana, no entanto, são arapucas capazes de aprisionarem o homem em seus conceitos e ideologias equivocados. Por isso, urge a necessidade de acrescentarmos ao nosso conhecimento, a compreensão de tais filosofias e assim, desarmamos as armadilhas e combatê-las com eficácia, municiados pela Palavra da Verdade.

O profeta Oseias, ao se dirigir ao povo de Deus no passado, não economizou suas palavras ao exortar os israelitas dizendo: “O meu povo foi destruído, porque lhe faltou o conhecimento; porque tu rejeitaste o conhecimento, também eu te rejeitarei, para que não sejas sacerdote diante de mim; visto que te esqueceste da lei do teu Deus, também eu me esquecerei de teus filhos” (Os 4.6).

A falta do devido conhecimento acerca do Senhor, obtido através da sua Palavra, caracteriza irresponsabilidade. O texto revela que as consequências serão:

  • Destruição;
  • Rejeição divina;
  • Esquecimento divino.

A Bíblia é a nossa referência e nela encontramos suficientes recursos para a nossa segurança espiritual e confrontação das ideologias venenosas a saúde da alma.

1 – TEOLOGIA BÍBLICA E TEÍSMO CRISTÃO

O termo filosofia é bastante primitivo e se destacou na Grécia antiga por intermédio dos grandes vultos desta ciência tais como: Sócrates, Platão, Aristóteles, Séneca. Outros depois da era cristã, também tiveram destaque: René Descartes; Immanuel Kant; Georg Hegel; Ludwig Wittgenstein; David Hume; Friedrich Nietzsche e mais.

E expressão “filosofia” consta na Bíblia:

Colossenses 2:8

8 Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo; (ARC)

O termo no original grego é: “philosophia” e quer dizer: “amor a sabedoria”. É usado para expressar o zelo ou a habilidade em qualquer arte ou ciência; qualquer ramo do conhecimento.

Considerando que os teólogos expressam o seu pensamento acerca de diversos temas que eram objetos de estudos e reflexões filosóficas, e que a Bíblia está recheada dos mesmos, tais como: vida, morte, alegria, sofrimento, bem, mal, sabedoria, leis, vontades; crenças, liberdade, aprisionamento, matéria, alma; ética, moral, enfim, podemos com tranquilidade concluir que os grandes pensadores do cristianismo, fundamentados na Palavra de Deus, também foram grandes filósofos do pensamento cristão. Destacamos: Agostinho de Hipona (Santo Agostinho); Tomás de Aquino, Justino, Inácio, Policarpo; Clemente de Roma, Tertuliano, Irineu, Orígenes, Anselmo; Lutero, Calvino, Zuinglio, Wycliffe, Savonarola, João Huss, Armínio, Karl Barth, Herman Bavinck, John Lennox e tantos outros.

Estes representam a filosofia cristã que segundo João Francisco Pereira Cabral, compreende-se um sistema de pensamento que se distinguiu do helênico (grego) e de outros como os chineses, os hindus, etc., por ser um sistema orientado pela verdade revelada por Jesus, o Cristo. Já o estudo das doutrinas cabe à Teologia, que tenta explicá-los e aplicá-los.

A Filosofia Cristã, que pressupõe a verdade das doutrinas, parte tão somente de evidências racionais para explicar Deus e o mundo, mas não se contrapõe as doutrinas.

Vê-se assim que os filósofos cristãos se apoiam na fé para melhor compreenderem a realidade, enquanto esta mesma fé dita metas a serem alcançadas pela razão, evitando que erros ou desvios em suas inquirições aconteçam.

A relação que vemos aqui é, então, a de tentar harmonizar ou elucidar a fé através da razão, relação que é conflituosa e marcou distinções mesmo dentro do próprio corpo de filósofos cristãos. Vejamos essas distinções:

  • Creio porque – absurdo: essa máxima representava aqueles pensadores cristãos que julgavam fé e a razão irreconciliáveis e subjugavam a razão à superioridade da fé;
  • Creio para compreender: já essa máxima representava o espírito daqueles que julgavam ambos os domínios conciliáveis, mas subordinavam a razão à fé;
  • Compreender para crer: que fazia parte daqueles que não apostavam numa conciliação entre fé e razão, mas atestavam o campo próprio de cada uma, devendo, portanto, serem tratadas isoladamente.

O papel principal dos filósofos cristãos ao longo do tempo, tem sido conciliar a fé cristã a razão, contrapondo a filosofia secular, mundana e que invariavelmente diminui, ridiculariza e critica com desdém a filosofia cristã. Seu papel é contestar a verdadeira filosofia que se acha nas Escrituras.

Por outro lado, temos o Teísmo que é o conceito filosófico que defende a existência de deuses, ou seja, entidades divinas superiores que teriam sido as responsáveis pela criação do Universo e todas as coisas que nele existem.

O teísmo suporta a ideia da existência de um (monoteísmo) ou vários deuses (politeísmo), portanto não é considerado um tipo de religião. Este conceito se limita a classificar apenas aquilo que está relacionado com a existência de deuses. A teologia, por exemplo, é uma disciplina que nasce e se baseia no conceito do teísmo e vale ressaltar aqui que o Teísmo como filosofia cristã, apega-se a verdade da existência de um único Deus (veremos mais adiante).

A palavra teísmo se originou a partir do grego théos, que significa literalmente “deus”. Assim, o conceito de teísmo é diretamente oposto ao do ateísmo, que não acredita na existência de qualquer tipo de divindade.

Teísmo Cristão ou Bíblico

A principal característica do teísmo é o fortalecimento da ideia de existência de um único Deus, onipresente, onisciente e onipotente, e que transcende todas as coisas existentes no Universo. É a cosmovisão que mais se ajusta aquilo que a Palavra de Deus expressa acerca dos temas discutidos pela filosofia.

Vejamos as suas principais declarações…

1 – O universo como um todo foi criado por Deus

Os escritores sagrados não hesitam em atribuir a Deus a criação do Universo. Consideram apropriado, portanto, tributar-lhe toda a reverência, o louvor e a glória devidos ao Criador.

Os escritores do Antigo Testamento normalmente creditam a Deus a criação do universo físico, usando o verbo “bãrã” – “Ele criou”.

Segundo o Dicionário Vine, a palavra “criar” no original hebraico é “bãrã”, cujo significado é “criar, fazer”. Esta palavra é de profundo significado teológico, visto que só Deus é o sujeito deste verbo. Somente Deus pode “criar” no sentido implicado em “bãrã”. O verbo expressa cria­ção do nada, uma ideia vista claramente em passagens que têm a ver com a criação em escala cósmica: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1; Gn 2.3; Is 40.26; 42.5). Esta sucinta declaração antevê o restante de Gênesis 1.

Isaías 45:18

18 Porque assim diz o SENHOR que tem criado os céus, o Deus que formou a terra e a fez; ele a estabeleceu, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada: Eu sou o SENHOR, e não há outro. (ARC)

Perceba então que a expressão “criar” tendo Deus como sujeito, é trazer a existência aquilo que ainda não existe; é chamar a realidade aquilo que ainda é irreal! Somente Deus tem a capacidade de isto fazer, pois o homem, nada cria, apenas ajunta as coisas já criadas, as associa umas com as outras e com a inteligência que foi dada a ele também por Deus, constroem algo que pode ou não ser útil, mas Deus, tudo que fez foi a partir do nada e declarado por Ele mesmo como bom (Gn 1.10,18,21).

Nada existia antes de Deus e Ele é antes de tudo. Não foi criado e simplesmente auto existe. Deus é o início e o fim de todas as coisas (Jo 1.1-3; Ap 1.8).

Há duas formas em que Deus pode trazer algo a existência:

1 – Criar pelo poder único e exclusivo de sua palavra (Gn 1.3. Hb 11.3)

2 – Criar a partir daquilo que Ele mesmo criou (Is 43.7)

Pensar em Deus como o grande arquiteto e executor de tudo que há no universo é espantoso, pois como Deus é auto existente (como vimos acima), Ele não somente assume a característica de independente, como faz tudo depender dEle – Aleluia!

Ilustração

Isaac Newton mandou um mecânico hábil e engenhoso fazer-lhe uma reprodução exata do sistema solar, em miniatura. No centro havia uma bola dourada representando o Sol. Em redor dessa haviam outras bolas fixas nas pontas de braços de vários comprimentos, representando os planetas. Posto em movimento por uma manivela, as bolas giravam em redor do ´sol´ em harmonia perfeita. 

Certo dia, quando Newton se achava assentado na sua sala de trabalho, entrou seu amigo cético. Grande cientista que era, reconheceu num relance o propósito da máquina colocada sobre uma mesa. Pondo o mecanismo em movimento, ficou deveras admirado, percebendo as bolas movendo e girando cada uma na sua própria órbita e na sua relativa velocidade. Afastando-se um pouco para a admirar, exclamou: “Mas, que maravilha! Quem a fez? 

Levantando os olhos, Newton assegurou solenemente que ninguém a fizera. Que o conjunto da matéria, tão admirado, assumira por acaso a forma em que estava.
O cético, estupefato e demonstrando irritação, respondeu: “Você acha que eu sou um doido? Por certo alguém a fez. Alguém dotado de alto poder intelectual, e eu quero conhecê-lo.”
 

Newton, levantando-se e pondo a mão no ombro do amigo, disse-lhe: “Esta máquina é uma fraca imitação de um sistema infinitamente superior, cujas leis você conhece, e não consigo convencer a você, que este brinquedo não tem fabricante e nem inventor. Então me diga por qual raciocínio você chega a uma conclusão tão discordante, em crer que esta máquina tem um criador, e o sistema muito superior a este não tem? 

O amigo cético de Newton, convicto da verdade, converteu-se e tornou-se um crente no Deus criador dos céus e da terra.

Crer que Deus é o Criador do universo é ver tudo de maneira diferente que a daqueles que não tem fé. Crer no Deus da criação traz consigo uma maneira de encarar a realidade que se centraliza no relacionamento; que percebe a vida com base na dependência humana de Deus.

Assim, tudo que contradiz a revelação das Escrituras quanto a criação, deve ser considerada ilegítima e fraudulenta.

1.2 – Deus é um ser transcendente e imanente ao mesmo tempo

Primeiramente precisamos compreender os significados dos termos transcendente e imanente. Conceitualmente, a sua imanência não é contrária à sua transcendência, mas se apresenta em contraste que é diferente de contrário. Entendamos:

Imanência e transcendência: (Do Lat. immanentia) Qualidade do que está em si mesmo, não transita a outrem. É o oposto de transcendência. Embora seja Deus transcendente, não se encontra à parte de sua criação: acha-se presente nesta através dos atributos de sua imanência: onipresença, onisciência e onipotência.

Norman Geisler afirma que a transcendência e a imanência — duas características de Deus — são um par natural. Deus e transcendente acima da criação e imanente na criação, quer dizer, Deus está além (ou fora) do mundo e ao mesmo tempo no mundo. No primeiro, o Deus teísta é diferente do panteísmo, e no último, Ele é diferente do deísmo. O deísmo afirma a transcendência de Deus, mas nega a sua imanência, ao passo que o panteísmo afirma a imanência de Deus, mas nega a sua transcendência.

O teísmo se ajusta perfeitamente ao que diz a Bíblia ao afirma que Deus é transcendente e imanente.

A transcendência é aqui definida como a presença de Deus além do universo; a imanência, como a presença de Deus dentro do universo criado.

A transcendência de Deus

Literalmente, transcendência significa “estar acima” ou “além de”. Teologicamente, refere-se ao fato de que Deus está acima e além de toda a criação. Portanto, a transcendência não é uma característica inerente de Deus, mas é uma característica relacional. Inerentemente, Deus é infinito, mas em relação ao universo Ele é transcendente.

A transcendência de Deus deve evocar um senso de temor nas suas criaturas (Sl 8.1); também deve provocar um senso de nossa própria insignificância (Sl 48.1); um senso de pecaminosidade por meditarmos na transcendência de Deus (Is 6.1-5); além disso, um senso de submissão deve emergir ao pensarmos sobre a transcendência de Deus (Fp 2.9-11); por fim, um senso de reverência é a consequência natural de contemplarmos a transcendência de Deus (Ap 4.11).

A Imanência de Deus

O significado literal de imanência é “estar dentro” ou “estar próximo”. Teologicamente, a imanência de Deus significa que Ele está dentro ou presente no universo inteiro.

A imanência está proximamente associada com a onipresença de Deus, embora haja uma distinção entre elas. Pela sua onipresença, Deus está presente em toda a criação, mas pela sua imanência, Ele está dentro dela.

Entretanto, Deus não está dentro do universo no sentido de fazer parte dele, mas porque Ele é o Criador. Ele está dentro do universo como a sua Causa sustentadora, mas não no sentido de o universo fazer parte da natureza divina.

Geisler afirma que a imanência de Deus é o verso da sua transcendência. Na sua relação com a criação, Deus não só está acima dela, mas também está nela. Ele está perto e longe. Como Deus infinito, Ele tem de estar além da criação, contudo como sua Causa sustentadora Ele tem de estar dentro dela.

Desta forma, a transcendência e a imanência de Deus são características complementares, cada uma manifestando uma relação diferente com a criação.

Deus é transcendente sobre a criação e imanente na criação!

1.3 – O Deus revelado nas Escrituras é um Deus triúno

Por Cláudio Roberto de Souza

Para continuar lendo esse esboço CLIQUE AQUI e escolha um dos nossos planos!

É com muita alegria que nos dirigimos a você informando que a EBD Comentada já está disponibilizando os planos de assinaturas para que você possa continuar a usufruir dos nossos conteúdos com a qualidade já conhecida e garantida.

vantagens

Informamos também que conquistamos uma parceria missionária com os seguintes trabalhos evangelísticos:

  • Equipe Semear – Localizada na cidade Uberaba – MG e que realiza relevante trabalho de evangelismo na própria Uberaba e região;
  • Equipe Exército da Última Hora – Localizada na cidade de Porto Velho – RO – e que também executa o mesmo trabalho tanto na capital de Rondônia como nos arredores.

CLIQUE AQUI para ser nosso parceiro missionário e continuar estudando a lição conosco…

Deus lhe abençoe ricamente!!!

Equipe EBD Comentada

Postado por ebd-comentada


Acesse os esboços por categorias


Copyright Março 2017 © EBD Comentada