Ensinando e fazendo Missões

Buscar no blog

Nossos Esboços Recentes

Betel Adultos – 4º Trimestre de 2019 – 27-10-2019 – Lição 4: Deus é o Criador e se relaciona

25/10/2019

Este post é assinado por Mirtes Ester

TEXTO ÁUREO

“E chamou o Senhor Deus a Adão e disse-lhe: Onde estás?” (Gn 3.9) 

TEXTO DE REFERÊNCIA

Sl 139.1-6 

Senhor, tu me sondaste e me conheces.  

Tu conheces o meu assentar e o meu levantar; de longe entendes o meu pensamento.  

Cercas o meu andar e o meu deitar; e conheces todos os meus caminhos.  

Sem que haja uma palavra na minha língua, eis que, ó Senhor, tudo conheces.  

Tu me cercaste em volta e puseste sobre mim a tua mão.  

Tal ciência é para mim maravilhosíssima; tão alta, que não a posso atingir. 

OBJETIVOS DA LIÇÃO

  • Entender como é Deus para o deísmo; 
  • Estudar a definição de Deus, conforme o panteísmo; 
  • Aprender como o teísmo define Deus.

INTRODUÇÃO

Queridos irmãos (ãs), Graça e Paz!

Na quarta lição deste trimestre, abordaremos algumas visões religiosas a respeito de Deus.

Apresentaremos nos tópicos desta lição, três cosmovisões que tem influenciado “o significado pessoal, os valores e a maneira em que as pessoas agem e pensam” a respeito de Deus, em todo o mundo (GEISLER, 2002, p. 188).

Para isso, faz-se necessário inicialmente compreender que cosmovisão é o “modo pelo qual a pessoa vê ou interpreta a realidade” (GEISLER, 2002, p. 188).

“A palavra alemã é Weltanschau-ung, que significa um “mundo e uma visão de vida”, ou “um paradigma”. É a estrutura por meio da qual a pessoa entende os dados da vida” (GEISLER, 2002, p. 188). 

Segundo Geisler (2002, p. 188), “uma cosmovisão influencia muito a maneira em que a pessoa vê Deus, origens, mal, natureza humana, valores e destino”.

E entre todas as visões mundiais o autor destaca sete: “teísmo, deísmo, ateísmo, panteísmo, panenteísmo, teísmo finito e politeísmo”. 

E dentre as sete, Turek, destaca três: o teísmo, o panteísmo e o ateísmo. De acordo com o autor, “a maioria das principais religiões mundiais encaixa-se em uma dessas três categorias de visões religiosas” (TUREK, 2006, p. 15).

Porém, para fins apologéticos, abordaremos nesta lição três cosmovisões específicas: o deísmo, o panteísmo e o teísmo. 

1 – DEÍSMO

Deísmo é uma visão de mundo que acredita que “Deus está além do universo, mas não nele”. (GEISLER, 2002, p. 188).

Ferguson (2009, p. 282) cita que o deísmo é “popularmente considerado como a crença num criador remoto, sem envolvimento com o mundo cujo mecanismo ele mesmo planejou”.

O escritor Champlin (2001, p. 100) menciona que apesar de Deus “ser o criador e a fonte da vida, divorciou-se de seu universo, abandonando-o completamente e não mais exercendo interesse por ele”.

E para ilustração dessa concepção de mundo o escritor Pfeiffer (2007, p. 1618), menciona que os deístas consideram “Deus sob a analogia de um relógio e seu fabricante (Ele deu a corda e deixou que o relógio funcionasse), e isso o afasta inteiramente do mundo que criou”. (PFEIFFER, 2007, p. 1618).  

“Deus teria criado, segundo essa posição filosófica, os mundos, como se fossem máquinas dotadas de movimento perpétuo, as quais após o impulso inicial da criação, não mais necessitariam da orientação e da energia da mente divina. Deus seria a primeira causa de todas as coisas, mas não seria objeto apropriado de nossa adoração, porquanto nem mesmo daria atenção a seus adoradores”. (CHAMPLIN, 2001, p. 100). 

Segundo Ferguson (2009, p. 282) deísmo foi um movimento que teve início “no final do século XVII e persistiu por muito tempo no século seguinte com sua proposta de substituir a religião tradicional por uma “religião racional”.

Este movimento surge para criticar as manifestações sobrenaturais daquele tempo, argumentando que tudo o que é verdadeiro deve ser racionalizado.

“Sob o ponto de vista construtivo, os deístas como que buscavam promover uma religião natural, concedida universalmente a humanidade por um Deus imparcial e benevolente, tendo seu conteúdo em conformidade com uma lei moral imutável”. (FERGUSON, 2009, p. 282). 

Acreditava-se que este mundo havia sido criado por um ser inteligente, porém este mundo teria todas as coisas necessárias para que o homem subsistisse por si mesmo, sem necessidade da ação do seu criador. 

“Seus mais destacados representantes conhecidos foram: na Inglaterra, John Toland (1670-1722), Anthony Collins (1676-1729) e Matthew Tindal (1655-1733); na Europa continental, Hermann Reimarus (1694-1768) e Voltaire; e na América do Norte, Thomas Paine (1737-1809). O deísmo raramente tem sido considerado um movimento de elevado calibre intelectual. Seus representantes eram comumente suplantados no nível do puro debate”. (FERGUSON, 2009, p. 282).

1.1 – Deus abandonaria Sua criação

Proibida a cópia parcial ou total deste material – Sujeito a penas legais https://ebdcomentada.com

Entre os vários argumentos do deísmo, citamos “o deus que cria e abandona a sua criação”. “Deus fez o mundo, mas não age nele. Ele “deu corda” na criação e a deixa funcionar sozinha”. (GEISLER, 2002, p. 188). 

Champlin (2001, p. 38), menciona que para o deísmo “o deus criador ou a força cósmica deu origem à criação, mas que, ato continuo, abandonou a sua criação, deixando-a entregue ao controle das leis naturais”. 

“Assim sendo, Deus não teria qualquer interesse por sua própria criação, não intervindo, nem galardoando e nem castigando. Isso significa. Que Deus está divorciado de sua criação”. (CHAMPLIN, 2001, p.38). 

Segundo o escritor Geisler (2002, p. 246) “Deus não interfere na sua criação. Pelo contrário, criou-a para ser independente dele mediante leis naturais imutáveis”.

Para dialogar ou apologizar com deístas a respeito de “Deus”, faz-se necessário o uso da razão, já que não consideram a inspiração divina do livro de fé cristã, a Bíblia.

“Os deístas da Inglaterra, nos séculos XVII e XVIII, atacaram as chamadas religiões reveladas, especialmente o cristianismo. Eles asseveravam que as supostas revelações do Antigo e do Novo Testamentos são, na realidade, uma coleção de livros fabulosos e sem autenticidade.  (CHAMPLIN, 2001, p. 38).

Mas citaremos neste tópico, o que as Escrituras respondem a respeito desta cosmovisão. No Salmos 33, versículo 13 ao 15 lemos: 

“O Senhor olha desde os céus e está vendo a todos os filhos dos homens; da sua morada contempla todos os moradores da terra. Ele é que forma o coração de todos eles, que contempla todas as suas obras”.  

Para o comentarista Wiersbe (2006, p. 152) “Deus não somente “mantém cada um de seus filhos sob suas vistas” (32:8; 34:15; […] como também “vê todos os filhos dos homens” e “contempla todas as suas obras”.

“O termo traduzido por “observar”, no versículo 14, significa “olhar atentamente”. Ao observar os seres humanos, Deus não apenas vê sua movimentação física, mas também “os pensamentos e propósitos do coração” (Hb 4:12). Foi ele quem criou o coração do ser humano e o entende melhor do que qualquer pessoa (Jr 17:9); sabe quais são nossas motivações (11:4; 34:15; 2 Cr 16:9). […] Deus livra seu povo do perigo e da morte e guarda sua vida quando as circunstâncias se tornam difíceis. Ele cuida de nós (1 Pe 5:6, 7). (WIERSBE, 2006, p. 152). 

Em 1 Pedro, capítulo 5, versículo 6 ao 7, lemos:

“Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que, a seu tempo, vos exalte, lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós”.

“Ele está atento a tudo que acontece com eles, tem todas as coisas sob controle e não se esquece de nada. Ele tem cuidado de vós (7) nos assegura que ele tem “um interesse pessoal por nós”. (TAYLOR, 2006, p. 244).

1.2 – A existência de seres morais

Proibida a cópia parcial ou total deste material – Sujeito a penas legais https://ebdcomentada.com

Do mesmo modo, o deísmo acredita também que “a base da moralidade humana é a natureza” (GEISLER, 2002, p. 247).

Segundo o autor, “na natureza cada pessoa descobre como se autogovernar, associar-se com outras criaturas e relacionar-se com Deus”. 

“Para a maioria dos deístas, o único princípio humano inato é o desejo pela felicidade. Como esse desejo inato é satisfeito depende da razão. Uma pessoa que deixa de agir pela razão torna-se infeliz e age imoralmente. Os deístas diferem quanto a universalidade das leis morais. Eles concordam que a base de todo valor é universal, porque está baseado na natureza. Mas discordam sobre quais leis morais são absolutas e quais são relativas. O fato de haver certo e errado não é questionado. O problema está em determinar exatamente o que é certo ou errado em cada caso ou circunstância”. (GEISLER, 2002, p. 247). 

Champlin (2001, p. 100) cita que na visão dos deístas “a moralidade fica inteiramente ao encargo do homem”. É responsabilidade dele descobrir “quais leis concordam com aquilo que Deus determinou no princípio; e então, se conseguirem acertar, tudo irá bem com os seres humanos”. 

“O deísmo guia-se pela crença de que a lei estabelecida, com seus resultados naturais para o bem ou para o prejuízo dos homens, dependendo tão somente de como obedecerem ou desobedecerem a essas leis, é suficiente para os homens. Isso significa que Deus jamais haverá de retomar à sua criação, fazendo intervenção em qualquer sentido, de forma pessoal, a fim de recompensar ou de castigar aos homens. Por conseguinte, o homem seria responsável apenas diante de si mesmo, embora de conformidade com uma lei natural originalmente estabelecida por Deus. Epicuro é considerado o criador dessa ideia; e ele a criou a fim de desenvolver uma ética humanista, aliviando os pagãos de seus temores supersticiosos dos seus deuses”.  (CHAMPLIN, 2001, p. 100). 

O escritor Geisler (2002, p. 247) ainda cita que “alguns deístas, […] concluem que regras morais especificas são relativas”. 

“O que é considerado certo numa cultura é errado em outra […]. Outros deístas argumentam que o uso correto da razão sempre levará a um certo absoluto ou a um errado absoluto, apesar de a aplicação desses absolutos variar, dependendo da cultura ou circunstância”. (GEISLER, 2002, p. 247). 

E como já citamos, o deísmo ignora a veracidade da Bíblia, mas os cristãos crêem no que diz o Salmo 119, versículo 9 ao 12 lemos:

“Como purificará o jovem o seu caminho? Observando-o conforme a tua palavra. De todo o meu coração te busquei; não me deixes desviar dos teus mandamentos. Escondi a tua palavra no meu coração, para eu não pecar contra ti”.  

“Jovem ou velho, nosso caminho é purificado ao vivermos conforme a palavra de Deus e a escondermos em nosso coração” (CHAPMAN, 2006, p. 294).

A Palavra de DEUS é o guia, não a natureza, para uma vida de orientação a retidão e escolhas certas. 

“Não me deixes desviar (10) significa: “Não me deixes errar por ignorância ou inadvertência (67; 19.12). Minha intenção é boa, mas meu conhecimento é imperfeito e minha força é insignificante”. (CHAPMAN, 2006, p. 294).

1.3 – A existência de seres inteligentes

Mirtes Ester

Para continuar lendo esse esboço CLIQUE AQUI e escolha um dos nossos planos!

É com muita alegria que nos dirigimos a você informando que a EBD Comentada já está disponibilizando os planos de assinaturas para que você possa continuar a usufruir dos nossos conteúdos com a qualidade já conhecida e garantida.

vantagens

Informamos que mantemos uma parceria missionária com a EQUIPE SEMEAR, localizada na cidade de Uberaba – MG, que realiza relevante trabalho de evangelismo na própria Uberaba e região;

CLIQUE AQUI para ser nosso parceiro missionário e continuar estudando a lição conosco…

Deus lhe abençoe ricamente!!!

Equipe EBD Comentada

Postado por ebd-comentada


Acesse os esboços por categorias


Copyright Março 2017 © EBD Comentada