Ensinando e fazendo Missões

Buscar no blog

Nossos Esboços Recentes

Betel Adultos – 4º Trimestre de 2018 – 28-10-2018 – Lição 4: As oposições não podem impedir o progresso da obra

23/10/2018

Esse post é assinado por Cláudio Roberto de Souza

TEXTO ÁUREO

Neemias 4:6
6 Assim, edificamos o muro, e todo o muro se cerrou até sua metade; porque o coração do povo se inclinava a trabalhar. (ARC)

TEXTO DE REFERÊNCIA

Neemias 4:1-3
​1 E sucedeu que, ouvindo Sambalate que edificávamos o muro, ardeu em ira, e se indignou muito, e escarneceu dos judeus.

2 E falou na presença de seus irmãos e do exército de Samaria e disse: Que fazem estes fracos judeus? Permitir-se-lhes-á isso? Sacrificarão? Acabá-lo-ão num só dia? Vivificarão dos montões do pó as pedras que foram queimadas?

3 E estava com ele Tobias, o amonita, e disse: Ainda que edifiquem, vindo uma raposa, derrubará facilmente o seu muro de pedra. (ARC)

OBJETIVOS DA LIÇÃO

  • Mostrar que o inimigo tenta a todo custo parar a obra de Deus;
  • Enfatizar que os opositores da obra de Deus se unem para a prática da maldade;
  • Apresentar como deve ser o proceder do povo de Deus no serviço ao Senhor.

INTRODUÇÃO

Paz seja convosco!

Neste estudo estaremos diante de um problema que tem feito muitos sucumbirem na obra de Deus. A falta de estrutura espiritual e conhecimento sobre como lidar com os opositores do Reino de Deus tem feito vítimas incontáveis.

Através da Bíblia entendemos que desde o princípio, o povo de Deus tem sofrido oposição dos inimigos da obra (Êx 5.14-19).

Neemias, descreve a sutileza do inimigo contra a obra de restauração dos muros (Ne 4.1). Ele nos ensina como reagir ante a este tipo de adversidade quando estamos empenhados na obra do Senhor.

1 – O INÍCIO DA OBRA É MARCADO POR ATAQUES

Não existe nenhuma obra que façamos para o Senhor que não sofra alguma retaliação, algum ataque, alguma oposição. A perseguição ou a resistência poderá vir de dentro ou de fora; fato é que vem.

Neemias traçou um plano, recrutou e motivou o povo a ajuda-lo na reconstrução dos muros e das portas de Jerusalém, mas não negligenciou os obstáculos que estavam no caminho desta obra de restauração. Ele tinha um olho na obra e outro nos opositores que serpenteavam entre eles.

O cristão que não atenta para a veracidade de que ao seu redor existem inimigos que querem vê-lo parar, não é somente um inocente espiritual, mas um desconhecedor de como é o campo de trabalho na Seara do Senhor.

Para Neemias, conhecer as oposições da obra era tão importante quanto conhecer o local onde os trabalhos se desenvolviam.

O bom servo do Senhor atenta para todos os detalhes de uma obra e jamais descuida das artimanhas dos inimigos, suas armas e sua forma de atacar (2Co 2.11).

1.1 – Sempre ocorrerão oposições

Apesar de toda a organização e planejamento realizados por Neemias, não havia garantias de que a obra não sofreria reações de objeção dos adversários. Eles sempre estarão à espreita, observando cada passo que damos (Jó 1.7-8).

O povo de Deus (Israel e Igreja) tem sofrido dificuldades desde sempre. Caminhando no deserto, Israel sofreu o seu primeiro ataque, quando os Amalequitas os resistiram (Êx 17.8). No deserto sofreu oposição (Nm 20.17-18) e, desde então, o povo de Deus tem sido afrontado de diversas maneiras (1Sm 17.10); tem sido perseguido pelos seus inimigos (Sl 38.19). Seus opositores se levantaram contra o seu nascimento como nação (Is 66.8) e lutam contra o povo de Deus, como acontece agora entre Árabes e Israelenses (Gn 16.12).

O próprio Cristo não escapou, antes, amargou dura oposição do inimigo (Hb 12.3). Em seu ministério sofreu oposição dos religiosos e zelosos fariseus (Mt 12.14), do povo comum (Lc 4.29) e dos líderes do povo judeu (Mt 26.59). Todos desejam a sua morte (Jo 11.53-54). Ele é o exemplo que diante das perseguições devemos nos manter firmes e sempre aptos a sofrê-las como ele sofreu (Jo 15.20).

A igreja também tem sido perseguida por causa do nome do Senhor Jesus desde os dias primitivos (At 4.3,21; 5.41-42). A inveja era a arma do inimigo contra a igreja (At 5.17-18), mas o Senhor sempre concedia vitória (At 5.19-20).

O apóstolo Paulo sempre enfrentou opositores (At 13.8; 1Co 16.9) e alertou-nos sobre eles (2Tm 4.14-15).

A igreja, quanto mais perto de Deus, mais sofre perseguições – “E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições” (2Tm 3.12).

Desde que chegou em Jerusalém, Neemias sofreu todo o tipo de oposição (Ne 2.9), mas a obra seguiu adiante, mesmo frente às ciladas do inimigo (Ne 6.2). Satanás sempre se levantará contra a obra de Deus (2Co 2.11), mas temos a promessa de que “… as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16.18).

Os inimigos de Neemias e da obra que realizava tinham nomes: Sambalate, Tobias, Gesém e seus apoiadores recrutados. Estes ao contemplarem os esforços dos judeus em reconstruir os muros da cidade, ficaram insatisfeitos e se puseram como obstáculos diante deles.

O pastor Elinaldo Renovato diz que embora nos esforcemos e nos empenhemos pela expansão do Reino de Deus, sempre haverá os que, inspirados por Tobias e Sambalate, farão oposição à obra do Senhor. Todavia, não devemos nos amedrontar. Quem se levanta contra a obra de Deus, contra o próprio Deus se levanta.

O mesmo Senhor que esteve com Neemias, também estará conosco. Aos seus servos dará Ele sabedoria, graça e unção, a fim de que conduzam a Igreja de Cristo na sã doutrina e de acordo com a vontade divina.

Charles Spurgeon disse: “Deus teve somente um Filho sem pecado, mas nunca teve um filho sem tribulações”.

1.2 – A razão da ira de Sambalate

A chegada de Neemias a Jerusalém representou uma ameaça para Sambalate, Tobias, Gesém e seus companheiros (Ne 2.10), os quais desejavam que os judeus continuassem fracos e dependentes. Uma Jerusalém forte colocaria em perigo o equilíbrio do poder na região e privaria Sambalate e seus amigos de sua influência e riqueza.

Sambalate, que tinha um cargo importante em Samaria, era o cabeça da oposição a obra de Deus. Ele usou várias táticas intimidatórias para dissuadir Neemias a levar avante a reconstrução dos muros de Jerusalém.

Sambalate era homem inteligente e astuto. Fez questão de pronunciar as suas palavras diante do exército Samaritano com a intenção de adquirir a anuência destes e inibir os construtores (Ne 4.2). Seu intuito era manter Jerusalém subjugada, humilhada e enfraquecida. São intenções que se assemelham com as de Satanás a respeito do povo de Deus.

Não é vã a crença de alguns estudiosos (como afirma o pastor Adalberto Alves) quando declaram que o livro de Neemias retrata com perfeição a batalha espiritual que se desenvolve entre aqueles que servem a Deus e aos seus propósitos e aquele que se opõe ferrenhamente a tudo que é de Deus – Satanás. Ele é o agente que age nos bastidores desta história; ele é o verdadeiro adversário de Neemias e de toda a obra de Deus.

Ao se referir a Satanás, Paulo escreveu que “não lhe ignoramos os desígnios” (2Co 2:11). O capítulo 4 de Neemias apresenta quatro desígnios de Satanás em sua oposição à obra do Senhor:

  • Zombaria (Ne 4.1-6);
  • Conspirações ameaçadoras (Ne 4.7-9);
  • Desânimo (Ne 4.10);
  • Medo (Ne 4.11-23).

É sabido quando as coisas estão indo bem, devemos nos preparar para enfrentar dificuldades, pois o inimigo não quer ver a obra do Senhor progredir. Enquanto o povo de Jerusalém estava conformado com sua triste sina, o inimigo os deixou em paz. Mas quando os judeus começaram a servir ao Senhor, a glorificar o nome de Deus, e a realizar a obra, o inimigo entrou em ação.

Que estratégia o Diabo está utilizando para fazê-lo abandonar a obra do Senhor? Não se esqueça: o adversário lança-nos contínuos dardos inflamados (Ef 6.16). Por isso, revistamo-nos da armadura de Deus (Ef 6.11).

1.3 – A arquitetura da sutileza

O que os nossos olhos veem pode nos desanimar e nos desmotivar a fazer qualquer coisa para mudar uma situação. Os entulhos e os escombros da cidade estavam por toda a parte e eram como vozes a adverti-los de que a obra não seria possível.

Além dos olhos verem, havia também o que os ouvidos escutavam de seus adversários:

Neemias 4:2-3
2 E falou na presença de seus irmãos e do exército de Samaria e disse: Que fazem estes fracos judeus? Permitir-se-lhes-á isso? Sacrificarão? Acabá-lo-ão num só dia? Vivificarão dos montões do pó as pedras que foram queimadas?

3 E estava com ele Tobias, o amonita, e disse: Ainda que edifiquem, vindo uma raposa, derrubará facilmente o seu muro de pedra. (ARC)

Quando nossa visão se prende a desordem do que contemplamos e os ouvidos se detêm as palavras de derrotismo, teremos um grande problema a ser superado.

Sambalate demonstra grande sutileza, isto é, grande sagacidade e habilidade para jogar a situação contra os operários da obra que Neemias liderava, pois era isso que sempre insinuava até que o povo judeu absorveu a sugestão. Isto se revela na declaração abaixo:

Neemias 4:10
10 Então, disse Judá: Já desfaleceram as forças dos acarretadores, e o pó é muito, e nós não poderemos edificar o muro. (ARC)

Hernandes Dias Lopes afirma que os nossos inimigos estão sempre procurando uma brecha para nos atingir e assim paralisar a obra de Deus. Neste momento específico eles usaram três expedientes para impedir o avanço da obra de Deus:

Em primeiro lugar, o inimigo tentou paralisar a obra provocando desânimo interno (Ne 4.10). Os problemas internos são mais perigosos do que os problemas externos. Os carregadores estão sem forças, os escombros são muitos e a conclusão óbvia é: “Não podemos edificar o muro”. Eles sentiram que não tinham capacidade para concluir a obra.

Muitas vezes, o nosso maior problema somos nós mesmos. O maior obstáculo da obra são os obreiros, dizia Dwight Moody. Um povo desanimado sempre olha para as circunstâncias em vez de olhar para o Senhor; escuta mais a voz do inimigo do que a voz de Deus.

Wiersbe afirma que o desânimo é uma das principais armas do arsenal de Satanás. Foi o desânimo que impediu Israel de entrar na terra prometida em Cades-Barnéia (Nm 13). “Não poderemos subir contra aquele povo, porque é mais forte do que nós” (Nm 13.31). Os dez espias incrédulos “desencorajaram o coração dos filhos de Israel” (Nm 32:9), e, em decorrência disso, o povo vagou pelo deserto durante quarenta anos, até que a nova geração estivesse pronta para conquistar a terra.

“Não somos capazes!”, essa é a palavra de ordem daqueles que deixam de olhar para o Senhor e que começam a olhar para si mesmos e seus problemas. Esses trabalhadores judeus desanimados estavam, na verdade, concordando com os inimigos que os haviam chamado de fracos! (Ne 2:19; 4:1-3).

Acrescenta-se o que diz Derek Kidner: O ambiente de dúvidas crescentes e de boatos enervantes dentro do grupo, que poderiam fazer tantos danos quanto o inimigo do lado de fora. A consternação sobre a pura imensidão da tarefa deu origem a uma estrofe de versos populares — pois é assim o ditado em Ne 4.10 que logo estava nos lábios de todos. O termo coletivo: “Então disse Judá” passa a ideia do hebraico que “não poderemos edificar”; o verbo “poder” está no futuro; não se trata de desânimo para trabalhar. Estavam duvidando da sua capacidade de completar a tarefa: “… nunca poderemos reedificar o muro sozinhos.” Era um desfalecimento natural dos corações, a esta etapa com meio caminho andado.

Em segundo lugar, o inimigo tentou paralisar a obra espalhando boatos (Ne 4.12). Aqueles que moravam fora de Jerusalém, próximos desses inimigos, traziam comentários assustadores e os espalhavam no meio do povo: “De todos os lugares onde moram, subirão contra nós”. “Estamos completamente cercados, não temos a mínima chance”, diziam.

O boato visa a destruir o espírito de coragem e cooperação. Boatos são setas do inimigo. Onde prospera a boataria, os obreiros de Deus ficam alarmados e a obra de Deus paralisa. Os boatos sempre superdimensionam os problemas. Parecia uma invasão avassaladora, irresistível. O povo estava guardando os muros, mas não estava guardando seus ouvidos do que os inimigos diziam.

Como Neemias reagiu a esses ataques do inimigo? Quais são as armas de combate a sutileza do inimigo? Neemias nos ensina cinco princípios:

1 – Em primeiro lugar, cada um deve defender sua própria família “e pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas mulheres e vossas casas” (Ne 4.13,14b)

Não podemos ter uma igreja forte se não protegermos nossa própria casa das investidas do inimigo. Neemias era sábio o suficiente para saber que cada um devia defender prioritariamente sua própria família. Neemias exorta: “[…] pelejai pelos vossos irmãos, vossos filhos, vossas filhas, vossa mulher e vossa casa”.

2 – Em segundo lugar, precisamos empunhar as armas de defesa e combate “com as suas espadas, com as suas lanças e com os seus arcos” (Ne 4.13)

Não podemos enfrentar os inimigos sem usarmos nossas armas de defesa e combate. Cada obreiro é um soldado. Estamos em guerra. Nessa batalha espiritual enfrentamos inimigos invisíveis e tenebrosos. Nessa batalha não há trégua nem pausa. Nossos adversários não descansam, não tiram férias nem dormem. Eles vivem nos espreitando e buscando uma oportunidade para nos atacar. Precisamos vigiar e empunhar as armas.

3 – Em terceiro lugar, precisamos ter uma liderança firme e exemplar “E olhei, e levantei-me” (Ne 4.14)

Neemias não abandona o povo na hora da pressão. Ele inspeciona a obra. Ele toma a frente. Ele desafia os líderes. Ele dá exemplo. A liderança ocupa uma posição de absoluta importância na hora do combate. Uma liderança fraca, medrosa, vacilante e sem vida não transmite segurança para o povo na hora da crise. Só lideres fortes e incorruptos podem conduzir o povo a grandes vitorias.

4 – Em quarto lugar, precisamos colocar os olhos em Deus e não no inimigo “Lembrai-vos do Senhor” (Ne 4.14)

O ponto básico do desafio de Neemias e: “Lembrai-vos do Senhor”. Observe o que Deus já fez. Olhe para a sua fidelidade no passado. Veja os livramentos que Ele já deu ao Seu povo. Não será diferente agora.

Temos de ter muito cuidado com a festa da vitória. Nunca somos tão vulneráveis quanto depois de uma grande vitória. A tendência depois de uma consagradora vitória e guardar as armas. Elias, depois de retumbante vitória no Monte Carmelo sobre os profetas de Baal, tirou os olhos de Deus e fugiu amedrontado diante das ameaças insolentes de Jezabel. O segredo da vitória continua em mantermos continuamente nossos olhos em Deus em vez de coloca-los nas circunstâncias ou nas pessoas (2Cr 20.12).

5 – Em quinto lugar, precisamos redirecionar o foco do nosso temor “Não os temais” (Ne 4.14) Em vez de temer o inimigo, devemos nos voltar para o nosso Senhor, grande e temível. Quem teme a Deus, não teme aos homens. Quando colocamos os nossos olhos em Deus, Ele frustra os desígnios do nosso inimigo.

Muitos líderes naufragam porque em vez de temer a Deus, temem os homens; em vez de agradar a Deus, tentam agradar os homens; em vez de servir a Deus, tentam bajular os homens.

Sambalate havia declarado abertamente que o trabalho seria interrompido, e, por pouco, não foi exatamente o que aconteceu se Neemias não intervisse com pulso firme e confiança no Senhor (Sl 18.2; 20.7; 37.5; 91.2; Pv 3.5; Is 12.2).

2 – UNIDOS PARA A PRÁTICA DA MALDADE

Por Cláudio Roberto de Souza

Para continuar lendo esse esboço CLIQUE AQUI e escolha um dos nossos planos!

É com muita alegria que nos dirigimos a você informando que a EBD Comentada já está disponibilizando os planos de assinaturas para que você possa continuar a usufruir dos nossos conteúdos com a qualidade já conhecida e garantida.

vantagens

Informamos também que conquistamos uma parceria missionária com os seguintes trabalhos evangelísticos:

  • Equipe Semear – Localizada na cidade Uberaba – MG e que realiza relevante trabalho de evangelismo na própria Uberaba e região;
  • Equipe Exército da Última Hora – Localizada na cidade de Porto Velho – RO – e que também executa o mesmo trabalho tanto na capital de Rondônia como nos arredores.

CLIQUE AQUI para ser nosso parceiro missionário e continuar estudando a lição conosco…

Deus lhe abençoe ricamente!!!

Equipe EBD Comentada

Postado por ebd-comentada


Acesse os esboços por categorias


Copyright Março 2017 © EBD Comentada