Buscar esboços

Nossos Esboços

Betel Adultos – 4º Trimestre de 2017 – 01/10/2017 – Lição 1: O Deus Todo-Poderoso se revelou

26/09/2017

Este post é assinado por: Cláudio Roberto

TEXTO ÁUREO

João 4:24
24 Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade. (ARC)

TEXTO DE REFERÊNCIA

Salmos 19:1-6,7
1 Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos.

2 Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite.
3 Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes
4 em toda a extensão da terra, e as suas palavras, até ao fim do mundo.
Neles pôs uma tenda para o sol,
5 que é qual noivo que sai do seu tálamo e se alegra como um herói a correr o seu caminho.
7 A lei do SENHOR é perfeita e refrigera a alma; o testemunho do SENHOR é fiel e dá sabedoria aos símplices. (ARC)

NOTA

Saudações nobres irmãos!

É com satisfação e ânimos redobrados que pela graça e misericórdia de Deus, iniciamos mais um trimestre!
Desta feita, estaremos juntos estudando as Doutrinas Fundamentais da Igreja de Cristo com a mente voltada para o legado da Reforma Protestante.

O comentarista deste trimestre é o nobre Bispo Abner de Cássio Ferreira, Presidente da CONEMAD/RJ (Convenção Estadual dos Ministros Evangélicos das Assembleias de Deus do Ministério de Madureira no Estado do Rio de Janeiro); Presidente da Catedral histórica das Assembleias do Ministério de Madureira; 3° Vice-presidente da CONAMAD. Advogado, Bacharel em Teologia; Escritor; Articulista e Conferencista.

Ressaltamos que os temas que serão abordados neste trimestre (Doutrinas Fundamentais da Igreja de Cristo), é uma forma de homenagear a Reforma Protestante promovida por Martinho Lutero em 31 de outubro de 1517, portanto ao final deste mês, as igrejas protestantes irão comemorar 500 anos da Reforma!!

 

4TBA2017L1b

Através da ação de Lutero, a igreja notou a importância de se conhecer a Palavra de Deus e o autêntico Evangelho de Cristo!

Peço ao professor que atente para que neste trimestre, teremos 14 lições e não 13, como normalmente estamos acostumados. Ajuste a sua agenda!

INTRODUÇÃO

Em muitas sociedades, os cristãos são ridicularizados pela sua crença de como tudo foi criado. Apesar dos rótulos pouco amistosos, o cristão possui uma fé baseada na Palavra de Deus, cujo escrito nos revela um Deus Criador (Gn 1.1) e Mantenedor (Hb 1.3) de todas as coisas, bem como a sua revelação ao homem através da natureza (Rm 1.19-20) e do próprio Jesus por meio de sua Palavra (Hb 1.1-2).

Além de termos a declaração da bíblica de que há um criador, a própria natureza clama por sua autoria (Sl 104)!

1 – A EXISTÊNCIA DE DEUS

O alicerce que solidifica na mente cristã que Deus é o criador de tudo que é visível e invisível é a Sua Palavra (Cl 1.16; Hb 11.3). Não dependemos de pesquisas científicas, explorações arqueológicas, teorias ou mesmo um pensamento tão avançado que chegue à conclusão ou comprovação de que Deus é o Criador. O cristão tem apenas o elemento chamado fé (Hb 11.6) e através dela, ele crê absolutamente que pela palavra de Deus tudo foi feito (Gn 1.3,4,9,11,14,20,24,26).

As afirmações contidas nas Escrituras são suficientes para balizarmos a nossa crença em um Deus Criador e de nada mais dependemos!

1.1 – A criação testemunha a existência de Deus

O homem sempre buscou uma resposta racional para a origem do próprio homem, dos animais, do Universo, enfim. Muitas têm sido as teorias produzidas ao longo dos tempos, para elucidar o mistério da criação.
Os dois grandes conceitos acerca da criação ou origem da vida podem ser analisados conforme a simples tabela abaixo:

4TBA2017L1a

Qualquer investigação livre do Universo que nos rodeia, favorece o modo de pensar que aceita a figura do Criador. É mais sensato e mais inteligente crer que existe uma mente superior, autônoma e infinitamente poderosa que fez tudo isso, ao contrário de se pensar que a partir do caos tudo ganhou formas definidas e tão precisas. As coisas não foram se evoluindo como se ensina nas escolas e faculdades (teoria da Evolução de Charles Darwin), mas a fé nos permite acreditar que um agente externo, isto é, Deus, anterior ao Universo criou todas as coisas completas e acabadas, tais como vemos hoje.

A Bíblia, em hipótese alguma se propõe a provar a existência de Deus ou que tudo foi criado por Ele. Ela não é um livro para incrédulos, tanto que o seu primeiro capítulo consta a afirmação: “No princípio, criou Deus os céus e a terra”. Em uma única declaração, ela relata a existência de Deus e que Ele é o Criador de tudo!


Ainda sobre o versículo de Gn 1.1
“No princípio, criou Deus os céus e a terra”, J. Parker comenta este versículo: Temos o direito de perguntar das origens do mundo. Direito que decorre de nossa inteligência. Em Gênesis 1. 1 encontramos uma resposta a várias perguntas:

1 – A resposta é simples – uma criança pode entender;

2 – A resposta é sublime – Deus criou!

  – Sublime porque alcança o mais longo ponto no tempo: O princípio.

  – Sublime porque conecta o material com o espiritual.

  – Sublime porque revela o poder e a sabedoria de Deus.

3 – A resposta é suficiente – pois Deus está sobre todos e abençoando a todos.
Abençoando sobre a eternidade e sobre o tempo. Sobre a matéria e sobre a criação. Sobre a natureza e sobre a obra da natureza.

4TBA2017L1k

Como relata o pastor Eliel Goulart (professor deste blog), este versículo ainda contribui para desmantelar algumas filosofias em sua raiz e assim a Bíblia o faz em sua primeira mensagem de Gn 1.1 “No princípio, criou Deus os céus e a terra”:

1 Nega o ateísmo – assumindo o Ser de Deus;

2 Nega o politeísmo – confessando o único criador eterno;

3 Nega o materialismo – afirmando a criação da matéria;

4 Nega o panteísmo – revelando a existência de Deus antes e além de tudo;

5 Nega o fatalismo – envolvendo a liberdade do Deus eterno.

O Pastor Abraão de Almeida apresenta algumas curiosidades acerca da natureza criada por Deus:

1 – A laranja tem número par de gomos e a melancia, número par de franjas (aquelas listras em sua casca);

2 – O canário nasce aos 14 dias, a galinha aos 21, os patos e gansos aos 28, o ganso silvestre aos 35, e os papagaios e avestruzes aos 42 dias. A diferença entre um período e outro é sempre de sete dias!;

3 – A espiga de milho tem sempre número par de grãos. É admirável como Jesus, ao se referir aos grãos, mencionou exatamente números que coincidem: trinta, sessenta e cem (Mt 13.8; Mc 4.8; Lc 8.8);

4 – O cacho de bananas tem, na última fila, um número par de bananas, e cada fila de bananas tem uma banana a menos que a anterior, de modo que, se uma tem número par, a seguinte terá número ímpar;

5 – Arvores com cinco, dez e até vinte metros de altura: pesando milhares de quilos, estão apoiadas em apenas 25 ou 30 centímetros de fibras e raízes que penetram seus cernes. Nenhum ser humano, até agora, foi capaz de descobrir a forma de aplicar esse princípio na construção de edifícios, pontes, etc.;

6 – As ondas do mar quebram-se na praia à razão de 26 por minuto, quer reine calma, quer se manifeste a tormenta;

7 – Deus estabeleceu que as flores abram suas pétalas a horas determinadas do dia, de modo que Lineu, o ilustre naturalista sueco, declarou que, se pudesse encontrar um local onde a terra, a umidade e a temperatura fossem ideais, seria possível determinar a hora, o dia ou a noite em que as flores desabrochariam ou fechariam suas pétalas;

Jó, referindo-se às infinitas maravilhas da natureza, diz: “Mas, pergunta agora às alimárias, e cada uma delas to ensinará; e às aves dos céus, e elas to farão saber; ou fala com a terra, e ela to ensinará; até os peixes do mar to contarão” (Jó 12.7 e 8). A natureza, segundo a palavra de Deus pode muito nos ensinar sobre o Criador, pois são elas que testemunham de suas obras!

Norman Geisler afirma que Deus se revela na natureza de duas formas básicas: como Criador e como Sustentador. Ele é tanto a causa da origem quanto da operação do universo. O primeiro termo se refere a Deus como o originador de todas as coisas: “Porque nele foram criadas todas as coisas”, e “todas as coisas subsistem por ele” (Cl 1.16,17). Deus “fez o mundo”, e Ele também “sustenta todas as coisas pela palavra do seu poder” (cf. Hb 1.2,3); Ele “criou todas as coisas”, e por vontade dele todas as coisas “foram criadas” (Ap 4.11).

Além de ser o originador, Deus é também o sustentador de tudo. Ele não esteve ativo somente na origem do universo, mas também continua ativo na sua continuidade presente. O salmista se refere a esta segunda função divina quando declara, sobre Deus: “Tu que nos vales fazes rebentar nascentes que correm entre os montes […] Ele faz crescer a erva para os animais e a verdura, para o serviço do homem, para que tire da terra o alimento” (Sl 104.10,14).

1.2 – Deus é Auto Existente

Vimos que Deus tudo criou e cremos nisto por fé, mas como Deus surgiu? De onde Ele veio? Ele foi criado?

Essa é uma questão que incomoda muitas pessoas quando estudam sobre Deus, pois tudo que conhecemos tem uma origem, um ponto inicial, mas Deus não!

Esses questionamentos só podem ser respondidos de forma satisfatória quando recorremos a Bíblia, pois nela, Deus é revelado como o Deus Eterno:

Isaías 40:28
28 Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos confins da terra, nem se cansa, nem se fatiga? Não há esquadrinhação do seu entendimento. (ARC)

O Pastor Claudionor de Andrade afirma que embora a Bíblia não a diga, podemos afirmar que a primeira coisa que Deus criou foi o tempo. Isto porque a obra divina, embora concebida na eternidade, somente poderia ser consumada no âmbito temporal. Só o Criador é eterno e toda a criação acha-se sujeita ao tempo, requerendo as intervenções e cuidados divinos (Sl 104.5).

Nunca houve um momento em que Deus não existisse ou que tenha passado a existir, visto que é o criador do próprio tempo, como vimos acima, mas também não está sujeito ao tempo que Ele criou como nós estamos.

Desta forma, Pedro declara: “Para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos como um dia” (II Pe 3.8). Portanto Deus é o único ser que é auto existente e por meio dEle os outros seres passaram a existir (Sl 90.2) e dEle depende para continuar existindo.

 

4TBA2017L1c

Todas as coisas estão sujeitas ao tempo, pois elas nascem, crescem, envelhecem e morrem, mas Deus, sendo eterno é atemporal, isto é, não está sujeito a esta variação, Ele sempre será “o mesmo, ontem, hoje e eternamente” (Hb 13.8).

Salmos 102:25-27
25 Desde a antiguidade fundaste a terra; e os céus são obra das tuas mãos.

26 Eles perecerão, mas tu permanecerás; todos eles, como uma veste, envelhecerão; como roupa os mudarás, e ficarão mudados.
27 Mas tu és o mesmo, e os teus anos nunca terão fim. (ARC)

A teologia afirma então que Deus é auto existente, no entanto, a Bíblia não utiliza esse termo, mas podemos encontrá-lo subentendido nos versículos abaixo:

Isaías 43:10b
10b…e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. (ARC)

Isaías 41:4
4 Quem operou e fez isso, chamando as gerações desde o princípio? Eu, o SENHOR, o primeiro, e com os últimos, eu mesmo. (ARC)

Isaías 44:6
6 Assim diz o SENHOR, Rei de Israel e seu Redentor, o SENHOR dos Exércitos: Eu sou o primeiro e eu sou o último, e fora de mim não há Deus. (ARC)

O que está em pauta nos textos acima é tão somente a eternidade de Deus.

O próprio Jesus recebeu o título de “Pai da Eternidade” (Is 9.6) pelo profeta Isaías e este mesmo Jesus, a João na ilha de Patmos, se auto revelou como sendo “o Alfa e o Ômega, o Princípio e o Fim… Que é, e que era, e que há de vir, o Todo Poderoso” (Ap 1.8). A Eternidade de Deus é fartamente revelada em Sua Palavra.

Myer Pearlman afirma que Ele existe desde a eternidade e existirá por toda a eternidade. O passado, o presente e o futuro são todos como o presente à sua compreensão.

Assim, compreendemos que Deus é um ser de natureza diferente da sua criação; enquanto vivemos sob a sucessão do tempo, Deus é eterno e auto existente (I Cr 29.10)!

1.3 – Deus criou tudo sem ser criado

Segundo o Dicionário Vine, a palavra ‘criar’ no original hebraico é ‘ bãrã’, cujo significado é ‘criar, fazer’. Esta palavra é de profundo significado teológico, visto que só Deus é o sujeito deste verbo. Somente Deus pode “criar” no sentido implicado em bãrã. O verbo expressa criação do nada, uma ideia vista claramente em passagens que têm a ver com a criação em escala cósmica: “No princípio, criou Deus os céus e a terra” (Gn 1.1; Gn 2.3; Is 40.26; 42.5).

Isaías 45:18
18 Porque assim diz o SENHOR que tem criado os céus, o Deus que formou a terra e a fez; ele a estabeleceu, não a criou vazia, mas a formou para que fosse habitada: Eu sou o SENHOR, e não há outro. (ARC)

Perceba então que a expressão ‘criar’ tendo Deus como sujeito, é trazer a existência aquilo que ainda não existe; é chamar a realidade aquilo que ainda é irreal! Somente Deus tem a capacidade de isto fazer, pois o homem, nada cria, apenas ajunta as coisas já criadas, as associa umas com as outras e com a inteligência que foi dada a ele também por Deus, constroem algo que pode ou não ser útil, mas Deus, tudo que fez foi declarado por Ele mesmo como bom (Gn 1.10,18,21).

Nada existia antes de Deus e Ele é antes de tudo. Não foi criado e simplesmente auto existe. Deus é o início e o fim de todas as coisas (Jo 1.1-3; Ap 1.8).

4TBA2017L1d

Bispo Abner expõe duas formas em que Deus pode trazer algo a existência:

1 – Criar pelo poder único e exclusivo de sua palavra (Gn 1.3. Hb 11.3)

2 – Criar a partir daquilo que Ele mesmo criou (Is 43.7)

Pensar em Deus como o grande arquiteto e executor de tudo que há no universo é espantoso, pois como Deus é auto existente (como vimos acima), Ele não somente assume a característica de independente, como faz tudo depender dEle – Aleluia!

Ilustração Isaac Newton mandou um mecânico hábil e engenhoso fazer-lhe uma reprodução exata do sistema solar, em miniatura. No centro havia uma bola dourada representando o Sol. Em redor dessa haviam outras bolas fixas nas pontas de braços de vários comprimentos, representando os planetas. Posto em movimento por uma manivela, as bolas giravam em redor do ´sol´ em harmonia perfeita.

Certo dia, quando Newton se achava assentado na sua sala de trabalho, entrou seu amigo cético. Grande cientista que era, reconheceu num relance o propósito da máquina colocada sobre uma mesa. Pondo o mecanismo em movimento, ficou deveras admirado, percebendo as bolas movendo e girando cada uma na sua própria órbita e na sua relativa velocidade. Afastando-se um pouco para a admirar, exclamou: “Mas, que maravilha! Quem a fez?

Levantando os olhos, Newton assegurou solenemente que ninguém a fizera. Que o conjunto da matéria, tão admirado, assumira por acaso a forma em que estava.
O cético, estupefato e demonstrando irritação, respondeu: “Você acha que eu sou um doido? Por certo alguém a fez. Alguém dotado de alto poder intelectual, e eu quero conhecê-lo.”

Newton, levantando-se e pondo a mão no ombro do amigo, disse-lhe: “Esta máquina é uma fraca imitação de um sistema infinitamente superior, cujas leis você conhece, e não consigo convencer a você, que este brinquedo não tem fabricante e nem inventor. Então me diga por qual raciocínio você chega a uma conclusão tão discordante, em crer que esta máquina tem um criador, e o sistema muito superior a este não tem?

O amigo cético de Newton, convicto da verdade, converteu-se e tornou-se um crente no Deus criador dos céus e da terra.

2 – A NATUREZA DE DEUS

Sendo Deus um ser infinito, é impossível que qualquer criatura o conheça exatamente como ele é, no entanto, ele bondosamente revelou-se mediante linguagem compreensível a nós. São as Escrituras essa revelação.

2.1 – Deus é Espírito

Ao contrário do homem que é matéria física, Deus é Espírito, intangível, inapapálvel, imaterial, invisível (Cl 1.15; I Tm 1.17)! Deus é Espírito! A mulher samaritana foi revelada essa verdade (Jo 4.24).


Myer Pearlman afirma que Deus é Espírito com personalidade; Ele pensa,
sente e fala; portanto, pode ter comunhão direta com suas criaturas feitas à sua imagem (Gn 1.26).

Sendo Espírito, Deus não está sujeito as limitações às quais estão sujeitos os seres humanos dotados de corpo físico. Ele não possui partes corporais nem está sujeito às paixões; sua pessoa não se compõe de nenhum elemento material, e não está sujeito às condições de existência natural. Portanto, não pode ser visto com os olhos naturais nem apreendido pelos sentidos naturais. Isto não implica que Deus leve uma existência sombria e irreal, pois Jesus se referiu à “forma” de Deus. (Jo 5.37; Fp 2.6).

Myer Pearlman ainda afirma que Deus é uma Pessoa real, mas de natureza tão infinita que não se pode apreendê-lo plenamente pelo conhecimento humano, nem tampouco satisfatoriamente descrevê-lo em linguagem humana. “Ninguém jamais viu a Deus”, declara o apóstolo João (Jo 1.18; Ex 33.20); no entanto, em Ex 24.9,10 lemos que Moisés, e certos anciãos, “viram a Deus”. Nisto não há contradição; João quer dizer que nenhum homem jamais viu a Deus como ele é. Mas sabemos que o Espírito pode manifestar-se em forma corpórea (Mt 3:16); portanto, Deus pode manifestar-se duma maneira perceptível ao homem.

4TBA2017L1e

Deus também descreve a sua personalidade infinita em linguagem compreensível às mentes finitas; portanto, a Bíblia fala de Deus como um Ser que tem mãos, braços, olhos e ouvidos, e descreve-o como vendo, sentindo, ouvindo, arrependendo-se, etc., mas Deus também é insondável e inescrutável. “Porventura… chegarás à perfeição do Todo poderoso?” (Jó 11:7) — e nossa resposta só pode ser: “não temos com que tirar, e o poço é fundo” (João 4:11), usando a expressão da mulher samaritana.

O discernimento que o homem pode ter de Deus deve ser no mesmo nível que Deus se encontra, isto é, de forma espiritual. O homem em sua carnalidade jamais conhecerá a Deus, porém ao alcançar por intermédio do Espírito Santo o patamar espiritual, ele passa então a compreender quem e o que é Deus, pois tem a mente de Cristo:

1 Coríntios 2:10-16
10 Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus.

11 Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus.
12 Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus.
13 As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais.
14 Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.
15 Mas o que é espiritual discerne bem tudo, e ele de ninguém é discernido.
16 Porque quem conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo. (ARC)

2.2 – Deus é bom

O Filme: ‘Deus não está morto’, apresenta alguns diálogos entre um pastor e o outro cristão. Sempre um fala: ‘Deus é bom’ e o outro complementa: ‘o tempo todo’. Há momentos que eles invertem a frase e um diz: ‘O tempo todo’ e o outro complementa: ‘Deus é bom’. Para eles, Deus é o sujeito e o agente da bondade que experimentamos a todo instante – Eles estão certos!

Quando passamos a observar o registro das realizações de Deus em favor dos homens, alguns atributos classificados como morais são destacados em Deus. Os tais são encontrados tanto em Deus como no homem, com uma ressalva: em Deus eles são perfeitos e no homem, imperfeitos. Entre os atributos, destacamos a bondade que implica em afirmar que Deus é perfeitamente bom!

A bondade de Deus aponta para o seu caráter moral. Tudo que Ele executa é bom e perfeito.

Isaías Rosa diz que Jesus chegou a afirmar que Deus é bondade absoluta e que nenhum homem é bom de fato (Lc 18.19). Entretanto, o homem é incentivado a buscar a bondade de Deus para que a sua vida possa estar dentro da vontade e da expectativa de Deus (Tg 1.17).

Myer Pearlman diz que a bondade de Deus é o atributo em razão do qual ele concede vida e outras bênçãos às suas criaturas. (Sl 25.8; Na 1.7; Sl 145.9; Rm 2.4; Mt 5.45; Sl 31.19; At 14.17; Sl 68.10; 85.5). 

4TBA2017L1j

Dr. Howard Agnew Johnson escreveu: “Há alguns anos fui convidado para almoçar em certa casa. O dono da casa me pediu que orasse. Depois de pedir a bênção e expressar a nossa gratidão pelos dons de Deus, ele disse com certa franqueza: “Realmente não vejo razão para isto: pois eu mesmo provi esta refeição”.

Em resposta perguntamos: “O senhor nunca pensou que se falhassem a sementeira e a colheita uma só vez em toda a terra, a metade do povo morreria antes da próxima colheita? E não pensou também que se falhassem a sementeira e a colheita em dois anos sucessivos em todo o planeta, todos os homens morreriam antes da seguinte colheita”?

Evidentemente assombrado, ele admitiu que nunca pensara em tal possibilidade. Então sugerimos estar muito equivocado em dizer que fora ele quem fornecera aquela refeição para nós. Ele devia a Deus a sua própria vida e as forças para ganhar o dinheiro. Deus havia posto vida no grão e no animal que usávamos como alimento, coisa que ele nunca poderia fazer. Lembramos-lhe que ele havia sido um cooperador com Deus, participando das leis divinas para suprir as nossas necessidades. Então perguntamos: “Se alguém lhe desse alguma coisa, o senhor não diria “obrigado”?

E se fossem repetidas as dádivas duas ou três vezes ao dia, o senhor não diria “obrigado” cada vez”? Com isso ele prontamente concordou. “Então o senhor entende por que dizemos ‘obrigado’ a Deus cada vez que recebemos suas bênçãos.”

A isto ele exclamou: “Ah! Isto não é mais do que boa educação, sem falar em ser inteligentemente agradecido!”

Reconhecer a bondade de Deus nas coisas aparentemente simples é dever de todo ser humano, pois nos bastidores de tudo o que acontece, está a benignidade de Deus agindo em nosso favor!

Muito relevante o que diz o Bispo Abner sobre o tema quando afirma que os melhores homens são bons somente em certas relações, isto é, sua bondade é seletiva e distingue a quem aplicá-la, porém Deus é bom para todos indistintamente, inclusive até para os injustos – “para que sejais filhos do Pai que está nos céus; porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons e a chuva desça sobre justos e injustos” (Mt 5.45).

A bondade de Deus é tão elevada que homem algum, por mais altruísta que seja pode compará-la (II Sm 7.22; Sl 25.7).

O homem poderia doar toda a sua fortuna para o auxílio de uma causa, no entanto, a sua bondade estaria restrita a um grupo, a uma ideologia, a uma região, a uma causa, um período, mas a bondade de Deus atinge a toda gente em todos os tempos e épocas.

Além do mais o homem está delimitado pela própria natureza pecadora a ser bom até determinado limite e até esta bondade limitada que exercemos a outros e a nós mesmos, é bondade de Deus para conosco (Gl 5.22).

2.3 – Deus é fiel

Fidelidade no hebraico é ‘emúnãh’. O significado básico de ‘emúnãh’ é ‘certeza’ e ‘fidelidade’. O homem pode se mostrar “fiel” em suas relações com os membros da raça humana (l Sm 26.23).

O Senhor manifestou Sua ‘fidelidade’ ao Seu povo: “Ele é a Rocha cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos juízo são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é” (Dt 32.4). Todas as Suas obras revelam Sua ‘fidelidade’ (SI 33.4). Os Seus mandamentos são expressões de Sua ‘fidelidade’ (SI 119.86).

Este atributo de Deus, chama a atenção, pois ele funciona como uma sentinela a guardar a manifestação de todos os demais atributos morais de Deus. Deus é amor e a sua fidelidade não permite odiar; Deus é justo e a sua fidelidade não o permite praticar injustiças; Deus é bom (como vimos acima) e a sua fidelidade não o permite ser maligno; Deus é misericordioso e sua fidelidade não permite ser cruel ou perverso!

Tal fidelidade é infalível e imutável. Não falha, pois é permanente e não pode ser alterada mesmo lidando com criaturas tão desleais como nós (Rm 3.3-4).

 

4TBA2017L1f

O caráter de Deus é constante e suas dádivas sobre nós são invariáveis.

Muitas vezes sofremos na alma a angustia de uma traição ou de uma decepção devido a falsidade de alguns, entretanto, Deus não desaponta a ninguém, pois Ele é fiel e não pode negar a si mesmo – “Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo” (II Tm 2.13).

Curiosidade

Para milhares de pessoas a palavra AMÉM significa ‘Assim seja’, tendo o sentido de confirmação de algo que foi dito por alguém, mas o sentido dessa palavra é muito mais profundo.

Em hebraico ‘Assim seja’ seria pronunciado como ‘Yehi Ratzon’, que significa ‘Que seja de sua vontade’.

A palavra “Amém” é um acróstico. Os acrósticos são formas textuais onde a primeira letra de cada frase ou verso formam uma palavra ou frase. Podem ser simples, com frases ou palavras que não tenham ligação entre si ou podem mesmo ser o encerramento de uma poesia. Eis um exemplo de acróstico simples.

V erdade
I ntegridade
D igno
A mar

A palavra “Amém” vem da frase “EL MELECH NE EMAM –

…que significa ‘DEUS MEU REI É FIEL’ ou ‘DEUS É REI CONFIÁVEL’

http://www.ministeriobrit.com.br/sistema/index.php/pt/prantonio-carlos/a-palavra-qamemq

Com isso percebemos que a palavra ‘Amém’ é muito mais profunda com um sentido muito forte, pois, essa afirmação trata da fidelidade do Eterno para com Seus filhos.

Gratificante e consolador sabermos que o Deus que invocamos e procuramos servir é um Deus que mesmo em meio ao caos nos garante fidelidade. É um Deus que todas as promessas registradas em sua Palavra têm a garantia do seu cumprimento em sua própria fidelidade (Js 21.45; Tt 1.2).

3 – O AMOR DE DEUS

Amor é o sentimento mais admirável do ser humano. Ele atrai e desarma qualquer fortaleza. O amor é sublime e melhor que qualquer outra coisa que possamos experimentar.

Mas falar do amor de Deus é amplificar tudo por um exponencial incalculável… Este amor foi que alavancou a sua obra de redimir o homem perdido em seus pecados e delitos, culminando no maior gesto de altruísmo que este mundo já conheceu!!

João 3:16
16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (ARC)

O amor de Deus dispensado a humanidade foi de tal maneira, isto é, de uma forma que não encontramos uma palavra exata para calculá-lo, medi-lo, dimensioná-lo, pesá-lo, enfim, de tal maneira que este amor o levou a entregar o seu Único Filho, Jesus a morrer por nós, pecadores com o propósito de nos conceder gratuitamente a vida eterna!

3.1 – O significado do amor de Deus

Em primeiro lugar, AMOR é também um atributo de Deus – Aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor; “E nós conhecemos e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor e quem está em amor está em Deus, e Deus, nele.” (I Jo 4.8,16).

Amor faz parte da Sua natureza, da Sua essência.

Isaías Rosa afirma que em toda a parte, vemos o sinal do amor de Deus demonstrado na chuva e no sol que recebemos mesmo sem nenhum mérito de nossa parte, por isso, a Bíblia declara que Deus é amor (I Jo 4.8).

Esse amor é comunicado a nós quando somos convidados a amá-lo de todo nosso coração e ao próximo como a nós mesmo (Mt 22.37-39).

4TBA2017L1g

Myer Pearlman diz que o amor é o atributo de Deus em razão do qual ele deseja relação pessoal com aqueles que possuem a sua imagem e, mui especialmente, com aqueles que foram santificados em caráter, feitos semelhantes a ele.

O amor de Deus independe de sua relação com o homem, pois é parte intrínseca do seu EU. Ainda que o homem percorra as veredas do pecado por toda a sua existência, o amor de Deus estará lá ventilando sobre a sua face o vento ou a brisa deste amor, expressando em alto e bom som – Eu te amo!

O amor de Deus é manifesto e não oculto ou escondido, camuflado de tal maneira que seja difícil encontrá-lo.

Este amor pode ser descrito como:

Amor que liberta

Deuteronômio 7:8
8 mas porque o SENHOR vos amava; e, para guardar o juramento que jurara a vossos pais, o SENHOR vos tirou com mão forte e vos resgatou da casa da servidão, da mão de Faraó, rei do Egito. (ARC)

Efésios 2:4-5
4 Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou,

5 estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), (ARC)

Sofonias 3:17
17 O SENHOR, teu Deus, está no meio de ti, poderoso para te salvar; ele se deleitará em ti com alegria; calar-se-á por seu amor, regozijar-se-á em ti com júbilo. (ARC)

Isaías 38:17
17 Eis que, para minha paz, eu estive em grande amargura; tu, porém, tão amorosamente abraçaste a minha alma, que não caiu na cova da corrupção, porque lançaste para trás das tuas costas todos os meus pecados. (ARC)

Amor que atrai

Jeremias 31:3
3 Há muito que o SENHOR me apareceu, dizendo: Com amor eterno te amei; também com amável benignidade te atraí. (ARC)

Oséias 11:4
4 Atraí-os com cordas humanas, com cordas de amor; e fui para eles como os que tiram o jugo de sobre as suas queixadas; e lhes dei mantimento. (ARC)

Este amor foi demonstrado a:

A humanidade

João 3:16
16 Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (ARC)

Aos discípulos

João 17:23
23 Eu neles, e tu em mim, para que eles sejam perfeitos em unidade, e para que o mundo conheça que tu me enviaste a mim e que tens amado a eles como me tens amado a mim. (ARC)

Aos estrangeiros e desfavorecidos

Deuteronômio 10:18
18 que faz justiça ao órfão e à viúva e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e veste. (ARC)

Este amor foi apresentado como:

Amor que nos filia a Deus

1 João 3:1
1 Vede quão grande amor nos tem concedido o Pai: que fôssemos chamados filhos de Deus. Por isso, o mundo não nos conhece, porque não conhece a ele. (ARC)

Amor que nos permite viver para Cristo

1 João 4:9
Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. (ARC)

Amor que tem mais alto valor

Isaías 43:3
Porque eu sou o SENHOR, teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egito por teu resgate, a Etiópia e Sebá, por ti. (ARC)

1 Coríntios 7:23
23 Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens. (ARC)

Amor abençoador

Deuteronômio 7:13
13 e amar-te-á, e abençoar-te-á, e te fará multiplicar, e abençoará o fruto do teu ventre, e o fruto da tua terra, e o teu cereal, e o teu mosto, e o teu azeite, e a criação das tuas vacas, e o rebanho do teu gado miúdo, na terra que jurou a teus pais dar-te. (ARC)

Amor compartilhado

Romanos 5:5
5 E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado. (ARC)

3.2 – Um amor que se doa

O amor de Deus é revelado na sua capacidade de doar, entregar-se ao homem sem levar em conta seus pecados.

É através do seu amor que Ele rompe todas as barreiras para se relacionar com a sua criatura mais excelente. É por intermédio deste amor que Ele oferece ao homem as maiores dádivas e as melhores bênçãos.

Replicarei aqui o texto que redigimos na lição 8 do 3° trimestre deste ano (2017):

Nossa língua portuguesa dá apenas um significado para a palavra amor, no entanto o grego diferencia o termo em pelo menos quatro palavras.

Amor Eros – Aparece com frequência na literatura grega secular, mas não na Bíblia. Amor totalmente humano carnal, físico. O amor que tem a necessidade de satisfazer a si próprio. Sua melhor declaração seria: “Eu amo você porque você me faz feliz”. Por seu temperamento alegre (você me diverte), por sua beleza e sensualidade (você me dá prazer), porém quando uma dessas características desaparece, o amor morre. Esse tipo de amor só quer receber. É o amor mais raso!

Amor Phileo – Representa o afeto terno. Usado para referir-se a uma amizade e que ao menor desentendimento pode ruir. Depende da reciprocidade é menos egoísta que o amor Eros. Desenvolvemos amizades com aqueles que temos algo em comum. É uma relação de troca. Meio a meio. É um amor pouco melhor que anterior, mas deficiente e enfermo pelas diferenças!

Amor Storge – Um amor mais relacionado à família, parentes, etc. (II Sm 21.10,11). É um amor que possuí laços mais fortes, porém, que também podem ser rompidos!

Amor Ágape – Expressa à natureza essencial de Deus. Amor incondicional. Esse amor não é egoísta, não busca a própria felicidade, mas a do outro a qualquer preço. Não dá 50 para receber 50, mas dá 100 e não espera nada em troca. O homem natural jamais poderá possuir esse amor, pois trata-se do amor de Deus. É o amor perfeito, o amor de Deus que foi derramado em nossos corações (Rm 5.5)!!!

4TBA2017L1h

O amor de Deus se desenvolve em atividade através do amor Ágape, compartilhado aos homens (Rm 5.5).

Foi este amor que conduziu Jesus até o calvário. Foi este amor que o fez subir no madeiro, aliás, diz uma certa história que os soldados acostumados a conduzir os malfeitores a crucificação, se surpreenderam com a atitude de Cristo, pois todos, sem exceção, ao se deparar com o instrumento da sua morte (a cruz), se debatiam, tentavam escapar, clamavam contra tudo aquilo, entretanto, Jesus, de forma voluntária, espontaneamente, sem que nenhum soldado o segurasse ou o forçasse, deitou-se sobre a sua cruz, cumprindo-se aquilo que Ele mesmo dissera: “Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas” (Jo 10.11). A atitude de Jesus foi movida ou estimulada pelo amor que Ele sente pela humanidade e desta forma ele DOOU A SUA VIDA por AMOR!

O amor de Deus é incomparável e insubstituível, pois ninguém pode amar o homem como Jesus ama e ninguém pode fazer pelo homem, o que Jesus fez!

3.3 – Um amor que corrige

Ao mesmo tempo em que Deus exerce um amor que não se limita a condições para expressá-lo, este amor também exerce disciplina sobre todos os homens, em especial aqueles que se tornaram Seus filhos (Gl 4.6).

Por analogia, podemos explicar que a correção amorosa que Deus executa sobre os seus filhos é a mesma que um pai, também amoroso aplica aos seus filhos quando desobedecem ou agem com rebeldia. A vara da correção não tem propósitos malignos, mas propósitos benignos. Corrigimos nossos filhos para o bem, pois desejamos que sejam pessoas melhores para a sociedade e para o mundo em geral.

Provérbios 3:12
12 Porque o SENHOR repreende aquele a quem ama, assim como o pai, ao filho a quem quer bem. (ARC)

A pedagogia de Deus também consisti em disciplinar. A sua educação quando aplicada em nós, tem como objetivo, nos elevar ou nos conduzir a uma intimidade maior com Ele. Os seus açoites sempre serão ornamentados pelo seu amor, pois quem ama, corrige – “porque o Senhor corrige o que ama e açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque que filho há a quem o pai não corrija?” (Hb 12.6-7).

Um castigo no primeiro momento, provoca dissabor e aborrecimento, mas depois de operado em nós o seu intento, proporciona doçura, alegria e satisfação, pois nos tornamos melhores para o próximo e também para Deus.

 

4TBA2017L1i

Portanto, não devemos desprezar a disciplina do Senhor; não devemos fazer pouco caso delas (Hb 12.5), pois quem assim o faz menospreza a Deus e o seu instrumento de aperfeiçoamento dos santos.

Matthew Henry, sobre o versículo de Hebreus 12.6 nos diz que os melhores filhos de Deus precisam de correção. Eles têm suas falhas e loucuras que precisam ser corrigidas. Embora Deus possa deixar os outros para lá com os seus pecados, Ele corrigirá os pecados de Seus próprios filhos; eles são da Sua família e não escaparão de Suas disciplinas quando necessitarem.

Lembre-se: Com Saul Deus não falou (I Sm 28.5-6), mas com Davi Deus falou (II Sm 12.1,7-13). Se Ele fala contigo o exortando, punindo ou castigando é porque Ele te ama!

2 Samuel 7:14
14 Eu lhe serei por pai, e ele me será por filho; e, se vier a transgredir, castigá-lo-ei com vara de homens e com açoites de filhos de homens. (ARC)

CONCLUSÃO

Nesta lição recordamos que a existência de Deus é um fato testificado por tudo que nos rodeia e acreditar que este mundo com toda a sua perfeição seja obra do acaso, exige de cada um de nós muito mais fé do que aquela de simplesmente crer que Deus fez todas as coisas (Jó capítulos 38 a 41).

Termos a consciência de que Deus é uma pessoa que se interessa pelo relacionamento com a sua criatura é confortante. Ele se importa com você e demonstra isso através da sua bondade ímpar e o seu amor tão elevado que não pode ser mensurado.

A Sua fidelidade nos garante que todas as Suas bênçãos e dádivas estarão sempre presentes em nossas vidas, mesmo quando estivermos passando pela vara de sua punição, pois sabemos que “… que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto” (Rm 8.28).

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

Bíblia Eletrônica Olive Tree – Versão Revista e Corrigida / Revista e Atualizada / NVI;
Dicionário da língua portuguesa;

Evidências de um Criador – Abraão de Almeida – CPAD;
Teologia Sistemática – Volume 2 – Norman Geisler – CPAD;
Revista EBD – 4º Trimestre 2015 – Lição 2 – Claudionor de Andrade – CPAD;
Conhecendo as Doutrinas da Bíblia – Myer Pearlman – Editora Vida;
Teologia Sistemática – Isaías Rosa – IBAD;
Bíblia de Estudo Matthew Henry – Versão Revista e Corrigida – Central Gospel;
Site da internet mencionado quando citado no texto;
Todos os direitos de imagens são de seus respectivos proprietários;

Por Cláudio Roberto


Comentários

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado


Copyright Março 2017 © EBD Comentada